i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Felipe Koller

Foto de perfil de Felipe Koller
Ver perfil

Intersecções entre religião e espaço público

Entrevista

Já existem padres casados na Igreja Católica. Conversei com um deles

  • Por Felipe Koller
  • 20/06/2019 17:14
O padre Peder com a esposa, Marie, e a filha, Magdalena, no Vaticano.
O padre Peder com a esposa, Marie, e a filha, Magdalena, no Vaticano.| Foto: Arquivo pessoal

Na segunda-feira (17), foi divulgado o instrumento de trabalho do Sínodo dos Bispos sobre a Igreja na Amazônia que será realizado no Vaticano em outubro. A reunião será a décima do seu tipo, isto é, uma assembleia especial do Sínodo dedicada à situação da Igreja Católica em uma região específica.

Como já se esperava, o documento colocou na pauta do Sínodo a discussão sobre a possibilidade de ordenar homens casados como padres, ainda que em condições bastante limitadas: o texto fala de "pessoas idosas, preferencialmente indígenas, respeitadas e aceitas pela comunidade", com "família constituída e estável", nas "zonas mais remotas da região".

A possibilidade da ordenação presbiteral de homens casados é um tema muito vasto, com argumentos interessantes tanto contrários quanto favoráveis. Um bom debate, porém, não pode prescindir de reconhecer alguns fatos já estabelecidos, sob risco de falsear a discussão. E, no caso desse tema, o fato é que padres casados na Igreja Católica já existem. Na verdade, nunca deixaram de existir.

As Igrejas do Oriente

O caso mais clássico é o das Igrejas Orientais. O que nós costumamos chamar de "Igreja Católica" é uma comunhão entre 24 Igrejas sui juris, isto é, de direito próprio. Cada uma delas tem as suas particularidades culturais, litúrgicas, teológicas e organizacionais, embora todas elas professem a mesma fé e estejam em plena comunhão com o bispo de Roma, o papa.

Dessas 24, a opção pelo celibato só é um requisito para a ordenação presbiteral em uma delas: a Igreja Latina, aquela a que estamos acostumados e que predomina no mundo ocidental. Todas as outras 23 são de tradição oriental. Nessa tradição o celibato em nenhum momento se tornou obrigatório para a ordenação presbiteral, como aconteceu com a Igreja Latina no Primeiro Concílio de Latrão, em 1123.

Quase todas as 23 estiveram em algum momento fora da plena comunhão com o bispo de Roma, sobretudo depois do cisma de 1054, mas eventualmente readeriram à comunhão católica. Uma delas, porém, a Igreja Bizantina na Itália, manteve-se em plena comunhão com o papa ininterruptamente, o que nos permite dizer que nunca deixaram de existir padres católicos casados.

A experiência de um padre casado

Padres casados também existem na Igreja Latina, ainda que como exceção. O principal caso talvez seja o das comunidades anglicanas que, durante o pontificado de Bento XVI, decidiram entrar em comunhão com a Igreja Católica. Como se tratavam de comunidades inteiras, o papa decidiu que seria melhor mantê-las sob a guia daqueles que já eram seus pastores, que, mesmo casados, foram admitidos ao presbiterado.

Há ainda casos mais isolados de ex-ministros luteranos ou anglicanos que, tendo ingressado na Igreja Católica, recebem uma permissão para serem ordenados, mesmo sendo casados. Eu conversei com um deles. O padre Peder Bergqvist, de 52 anos, é casado há 33 anos com Marie e tem três filhos. Ele foi ordenado pastor para a Igreja Luterana da Suécia em 1999 e, 17 anos depois, foi recebido na Igreja Católica e ordenado padre pelo bispo de Estocolmo, Anders Arborelius. Ele vive em Rättvik, a cerca de 300 km da capital sueca, e conversou comigo por e-mail.

"A minha experiência me ajudou a viver não para mim mesmo, mas para os outros", conta o padre Peder, na foto com o papa Francisco.
"A minha experiência me ajudou a viver não para mim mesmo, mas para os outros", conta o padre Peder, na foto com o papa Francisco. | Arquivo pessoal

Muitas pessoas dizem que o celibato deve ser obrigatório para quem deseja ser padre porque seria impossível conciliar as demandas do ministério com as de uma família. Como é a sua experiência a respeito disso?

Minha experiência é que ser marido e padre ao mesmo tempo é possível e até mesmo tem as suas vantagens, mas é exigente. Você precisa ter apoio total de sua família, que também, em algum grau, precisa devotar suas vidas à Igreja. Minha experiência é que a minha esposa e os meus filhos têm estado do meu lado como padre e que eu e a minha esposa educamos nossos filhos para viver em santidade. A vocação presbiteral afeta o modo como educamos os filhos e toda a vida familiar.

Como você se sente quando ouve alguém dizendo que o sacerdócio é incompatível com o casamento porque o sacerdócio é sagrado?

É claro que já ouvi isso algumas vezes. Para mim, soa como um insulto, e o melhor é deixar entrar por um ouvido e sair pelo outro. Geralmente, menciono que foi o papa que com a sua própria mão assinou a aprovação para que eu fosse ordenado mesmo casado. Além disso, em que sentido o matrimônio não é sagrado? Sinto em toda a minha existência que no meu corpo eu uno os dois sacramentos: a ordem e o matrimônio, igualmente sagrados.

Como a sua experiência como marido e pai contribui para o seu ministério?

Vivo há 33 anos com a minha esposa. Criamos três filhos. Isso me proporcionou tanto que nem sei o que eu seria sem essa experiência. Ela me ajudou a viver não para mim mesmo, mas para os outros. Além disso, eu sei como é ser pai, como é ser casado, como é lidar com questões familiares como problemas financeiros, dificuldades na vida de nossos filhos, escolas que educam meus filhos de uma maneira com a qual não posso concordar e por aí vai.

Ter uma família limita o seu ministério de alguma forma?

Não sei se é uma limitação, mas se exige uma responsabilidade maior quando você tem um casamento e uma família para cuidar. Aos olhos de outras pessoas, pode parecer um limite que eu e minha esposa sejamos tão fortemente unidos. Às vezes isso até assusta os membros da comunidade de uma maneira que não aconteceria com uma pessoa celibatária. Mas, para mim, o apoio da minha esposa e a nossa união contribui para o meu ministério. Como os nossos filhos têm entre 28 e 32 anos, nunca preciso me ausentar por causa de uma doença deles ou algo assim. Não acho que minhas preocupações com meus filhos sejam maiores do que as de um padre celibatário com seus pais e parentes.

Como é o relacionamento da sua família com a comunidade à qual você serve?

Minha esposa e eu pertencemos a uma associação apostólica chamada Comunidade da Santíssima Trindade em Rättvik. Então, compartilhamos a vida inteira. Mas isso nunca funcionaria sem o apoio da minha esposa e o fato de nossos filhos terem acolhido o nosso modo de vida.

Qual a sua percepção sobre a contribuição do celibato para o ministério presbiteral?

O que tenho visto na minha diocese é um senso muito forte de fraternidade entre os padres celibatários. Acho que o celibato os ajuda a serem mais forte juntos, como colegas. O celibato pode também ajudar o padre a doar mais generosamente a sua vida inteira à Igreja. E o padre celibatário é mais livre para ser transferido e para sacrificar a Deus o seu tempo e tudo mais.

Fugindo do assunto: como você enxerga a sua relação com a tradição protestante e com a tradição católica?

A associação de que eu e a minha esposa fazemos parte é uma comunidade ecumênica com status canônico. Portanto, a nossa vocação é viver reconciliados com todos, quer católicos, quer protestantes. Temos um contato muito próximo com muitos membros e pastores da Igreja Luterana da Suécia e até mesmo um diálogo em curso com as lideranças dessa Igreja. Minha família, tanto por parte de pai quanto de mãe, pertence ao movimento pentecostal. Tanto eu quanto a minha esposa somos os primeiros católicos de nossas famílias desde a Reforma. Então, tenho laços íntimos com a tradição protestante, também porque na Suécia a Igreja Católica é uma minoria e sempre precisa se relacionar com uma cultura protestante. A diocese católica e os seus mosteiros e comunidades são muito vívidos e em crescimento hoje. É uma grande bênção ser parte da tradição católica e trabalhar para que a Suécia volte a ser católica.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Celito Medeiros

    ± 7 horas

    Muito boa matéria. Porém as questões religiosas, especialmente as Cristãs, não estão apenas na questão do Celibato. Eu precisaria retirar ‘ba’ para um pequeno céu, Celito. Fui seminarista por oito anos na década de 60, dura fase de latim, grego e noções de aramaico. Adentrei ao mundo das artes com força, pela minha fraqueza em apoiar dogmas e mistérios. Vi nesta diocese um jovem lutar para ser ordenado, não tinha altura, vê? Precisou de autorização do Papa, e anos depois deixou o sacerdócio para se casar. Eu voltaria à Igreja, mas muito mais coisas precisariam ser mudadas, então casado e já idoso, prefiro meu silêncio e seguir minhas inclinações espirituais.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    jean marcelo sales

    ± 8 horas

    A igreja católica é cheia de inimigos dentro e fora dela. Um diácono pode se casar mas padre não , quer ser padre que seja por vocação e não porque uma qq família quer recuperar algum ente de algum vicio ou deturpação. Padre pode ter que se deslocar para varias missões no mundo e ter esposa e filhos com certeza não vão acompanhar a sua missão e dedicação, não podemos comparar o trabalho de uma padre como se fosse de um advogado, jornalista, mecanico , porteiro, etc Na vida deles de ter plena dedicação ao ministério e não ter obrigações de buscar filho na escola, dividir despesas e obrigações com esposa e lhe dar atenção, etc etc. Agora pq a mídia sempre quer casar padres ?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSE DE PAULA

    ± 10 horas

    A VERDADE É UMA SÓ ...PADRE NENHUM FICA NA SECA .....OU TEM AMANTES OU NAMORIDAS QUE SÃO AS FIÉIS MUITAS DAS VEZES...MAS TEM QUEM NÃO GOSTE E PREFIRA DAR MARCHA RÉ NO QUIBE..GOSTO NÃO SE DISCUTE.....MESMO DENTRO DA IGREJA CATOLICA.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Brazilian

    ± 19 horas

    Mas o padre não tem que seguir o celibato? E se é para abusar de inocentes, não seja padre.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    4 Respostas
    • J

      jean marcelo sales

      ± 8 horas

      Diogo Araujo de Souza: pq Jesus não casou se então ?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • D

      Diogo Araujo de Souza

      ± 12 horas

      "Não temos nós o direito de levar conosco uma esposa crente como fazem os outros apóstolos, os irmãos do Senhor e Pedro? Ou será que apenas eu e Barnabé não temos o direito de deixar de trabalhar para termos sustento?” ( I Coríntios 9:5 ) "E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele." - Gênesis 2:18 "Digo isso como concessão, e não como mandamento. Gostaria que todos os homens fossem como eu, mas cada um tem o seu próprio dom da parte de Deus; um de um modo, outro de outro." I Coríntios 7: 6-7

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • J

      Jonsimar Tadeu Catapan

      ± 13 horas

      E sobre o celibato, leia todo o artigo, acho que você não o entendeu.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • J

      Jonsimar Tadeu Catapan

      ± 13 horas

      Meu amigo! Os inocentes são abusados por pessoas: homens, mulheres, pastores de outras igrejas, profissionais médicos, enfermeiros, advogados, padres etc, é coisa do humano, e não somente dos padres. Mas parece que o mundo só enxerga e noticia isso a respeito dos padres. Por definição, isso é preconceito, não?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.