i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Francisco Escorsim

Foto de perfil de Francisco Escorsim
Ver perfil

Do que não foi ao que sempre será

  • Por Francisco Escorsim
  • 16/10/2020 14:30
Show da banda Crowded House diante da Sydney Opera House, em 2016.
Show da banda Crowded House diante da Sydney Opera House, em 2016.| Foto: Crowded House/Facebook

Sei que não há mais metafísica no mundo senão eleições. Pudesse eu votar com a mesma verdade com que tuítas! Prefiro comer chocolates, o que no meu caso é música. Aperte o play aí para ler enquanto escuta, vai, e escapemos uns minutos da insanidade diária. De nada.

Esta era uma das preferidas do meu professor de violão, a primeira que consegui tocar direito, aliás. Também, simples como poucas... Já lá se vão décadas disso.

Eu nunca aprendi muito mais do que tocar a base de qualquer música; já ele adorava solar, esquecia que era aula, inventava solos o tempo todo, viajava mesmo. Um Jack Black da Escola do Rock muitos anos antes de o filme sequer ser concebido. E eu ficava lá admirando, incapaz de imitar.

Mas nessa do Crowded House, em particular, ele também cantava, e cantava significando algo mais que nunca soube o que era. Desconfio tinha a ver com realizar sonhos. E não conseguir. E não desistir.

E agora? E agora? Não imagine que terminou.

Toda estrada tem fim, mas recomeço também, como a da banda Crowded House

Ele sonhava que não mesmo, ao menos enquanto tocava e cantava. Gosto de pensar que aprendi com ele a fazer isso também: sonhar cantando e tocando.

(E meu violão me olha de soslaio, faz semanas nem encosto nele.)

Ele era bastante jovem, o professor. Em torno dos 20 anos, acho. Eu, uns 10. O mundo ainda não tinha vindo com tudo para cima de mim, claro. Ainda não tinha construído aquela muralha entre sonho e “realidade”, apesar das derrotas temidas por inevitáveis.

Há uma batalha pela frente, muitas batalhas são perdidas.”

Sempre que escuto essa música lembro dele. E sorrio, era um cara “de boa”. Continuaria sendo? Teria desistido dos sonhos, no fim das contas? Estaria apenas vivendo para “conter o dilúvio com um copo de papel”? Não sei, o realista em mim, sempre pessimista, diria que sim. O sonhador tem certeza que não e canta “mas você nunca verá o fim da estrada enquanto estiver viajando comigo.

Mas toda estrada tem seu fim, como a de Crowded House. A banda fez sua turnê de despedida em 1996 e adivinha qual a última música tocada? Pois é, esta mesmo. E graças à internet podemos conferir tudo como se fosse agora: olha a emoção dos caras no fim, despedindo-se do público, dos sonhos realizados. Naquele tempo eu estava nos meus 20 anos, a idade que aquele professor de violão eternamente terá para mim, a época em que meus sonhos viviam em plenitude em algum lugar entre a memória e a imaginação.

Era minha vez de tentar. E tentei. E não consegui. E não desisti. Por isso sei que toda estrada tem fim, mas recomeço também, como a da banda Crowded House, que 20 anos depois retornou aos palcos no mesmo lugar em que havia se despedido, na Sydney Opera House. Ah, a internet… Confira como foi a emoção do público, dos músicos também, com o destaque que deram no fim ao verso “Sabemos que eles não nos vencerão”.

Se antes eu sonhava tocando e cantando, hoje me realizo escrevendo e escutando

Este show foi em novembro de 2016, e aí eu já estava nos meus 40 anos, tendo vivido até aquela parte da música que não entendia quando piá de tudo: “Agora ando mais uma vez ao ritmo de um tambor e estou contando os passos até a porta do teu coração. Apenas as sombras à frente, mal clareando o teto, descobrindo a sensação de libertação e alívio”. Hoje, quando escuto esta música, é esse alívio que sinto, como agora. Porque se antes eu sonhava tocando e cantando, hoje me realizo escrevendo e escutando.

A música acabou? Pois eu a coloquei no repeat, voltando ao primeiro verso cantando que “Há liberdade interior e liberdade exterior”. Pois não importa quão censurada esteja a liberdade do lado de fora – e hoje ela está muito mais limitada do que quando esta música foi lançada –, quando a do lado de dentro foi preservada e sempre pode ser alargada com coisas assim, com o poder de uma única e singela música de meros três, quatro minutos, contendo a vida inteira, do que foi ao que é, do que não foi ao que sempre será, em cada versão fazendo novos todos os “hey, now, hey, now, don’t dream it’s over”.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos
6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    J. Neto

    ± 0 minutos

    Valeu, Escorsim: Hey, now, hey, now! Lembrei! Belo texto!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Dissenha

    ± 1 horas

    Belíssimo. Nestes tempos de, pode-se dizer filisteísmo generalizado, a composição é um encanto raro.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Magaly FragaMoreira

    ± 4 horas

    Da altura dos meus 77 anos concordo com você em gênero, número e grau. Amo o Crowded House, ouço com frequência. Tks

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 8 horas

    Boa Escorsim. Sou de outra geração. Mas penso da mesma maneira. Sigamos em frente. Parabéns.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    Bruno Daminello Zacarias

    ± 9 horas

    Começar o finds desse jeito é sempre espetacular. Obrigado Chico!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • R

      renato mello

      ± 4 horas

      Até chegar ao "don't let them win" tem tanto sofrimento. Temos que escutar que não somos uma especie única com diferentes tonalidades fenotipicas e culturalmente diversificada, mas que ser branco é uma degenerescência do gen negro. Temos que aguentar ouvir que tudo foi fruto de estupro e que nossos herois são o pior que a humanidade já produziu. Temos que nos manter calados e sermos forçados a concordar que pode existir racismo de opressor contra oprimidos mas nunca ao contrário, mesmo havendo relatos diários de que isso acontece com espantosa frequência. Enfim, não sei quando esse nightmare vai acabar, mas com certeza não será nesta geração.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.