i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Francisco Razzo

Foto de perfil de Francisco Razzo
Ver perfil

Esperanças insensatas

  • Francisco RazzoPor Francisco Razzo
  • 25/09/2019 15:50
Retrato de Immanuel Kant.
Retrato de Immanuel Kant.| Foto: Wikimedia Commons

O filósofo alemão Immanuel Kant pensava que toda história humana “tem por natureza uma intenção suprema” e será “realizada ao final” em um “estado cosmopolita universal”. Obviamente, trata-se de um sonho moderno que herdara dos humanistas do renascimento: a crença no ideal utópico como imagem reguladora de um futuro humano pacífico e promissor. Aquele futuro que superará a nossa própria humanidade decaída no malévolo estado de natureza. Contudo, como agostiniano, suspeito de toda proposta de final feliz da história contra a maldade intrínseca do homem; esta segue sendo, na minha humilde opinião, o maior de todos os mistérios.

Como dirá o filósofo e historiador italiano Paolo Rossi, em Esperanças, “não me iludo”. Não me iludo com esses filósofos que há muito tempo “ostentam o próprio saber sobre a história universal, o destino da civilização, o sentido da técnica em geral, o significado global do saber científico, aqueles que sabem como e quando começaram nossos problemas e onde iremos inevitavelmente acabar”. Afinal, muitos deles “falam com segurança, às vezes com arrogância, sobre o Futuro como um Paraíso ou como um Inferno”. Tem para todos os gostos.

No caso de Kant, a crença no progresso da humanidade foi expressa em um pequeno texto de 1795 com o título de: A paz perpétua, um projeto filosófico. Kant não foi o único filósofo a propor projetos dessa natureza. Há muitos deles, e todos eles devem ser inseridos no contexto das relações internacionais modernas. Por exemplo, um dos textos inaugurais dessa tradição foi o tratado do Abade de Saint-Pierre: Projeto para tornar a paz perpétua na Europa, de 1713, publicado em três volumes. Há outros; muitos outros. No meio de tanto sangue e destruição, nada como sonhar com a paz.

No interior da dinâmica do sonho de paz perpétua surge um dos maiores pesadelos do século 20: o horror das guerras mundiais

O fato é que o iluminismo moderno desenvolveu a crença no incondicional esforço humano para tornar “o estado de paz um dever imediato, que, porém, não pode ser instituído ou assegurado sem um contrato dos povos entre si”.  A proposta kantiana de realização desse dever — e aqui reside um dos desafios de quem luta pela paz perpétua amparado apenas pela razão — sugere que essa paz precisa ser assegurada mediante um contrato de “federação do tipo especial, que se pode denominar federação de paz [...]”. Lida no contexto do contratualismo moderno, a instigante pergunta formulada por Kant foi: “é possível conceber um ‘contrato social’ entre Estados?

Essa “liga de nações”, que superará a situação anárquica entre os Estados análoga aos indivíduos no estado de natureza, não pretende acabar com uma guerra, mas acabar com “todas as guerras para sempre”. A paz perpétua e universal entre os Estados surge como uma sedutora ideia reguladora de um final da história.

Mas fica uma dúvida: a tarefa de uma federação mundial em assegurar o fim de todas as guerras para sempre não colocaria fim a todas as guerras sem ter de assumir para si a tarefa de uma guerra de mobilização universal e total? Não seria o conceito de “guerra total” uma conclusão lógica dessa pretensão iluminista? Nós, que sobrevivemos ao século 20, mais do que ninguém, podemos perguntar isso com certa irônica melancolia.

Como nos alerta o historiador David A. Bell, em Primeira guerra total, no interior da dinâmica desse sonho de paz perpétua surge um dos maiores pesadelos do século 20: o horror das guerras mundiais. Duas guerras verdadeiramente apocalípticas com pretensões redentoras que mobilizaram toda a sociedade para a destruição completa dos inimigos. Diz Bell:

O sonho da Paz Perpétua e o pesadelo da Guerra Total estiveram vinculados de maneiras perturbadoras e complexas, cada qual a sustentar o outro. De um lado, uma ampla e persistente corrente de opinião pública continuou a ver a guerra como um fenômeno fundamentalmente bárbaro que deveria desaparecer de um mundo civilizado o mais rápido possível; de outro, houve uma tendência recorrente e poderosa a caracterizar os conflitos que efetivamente surgem como lutas apocalípticas a serem travadas até a destruição completa do inimigo e que poderiam ter sobre seus participantes um efeito purificador, quiçá redentor.

Convenhamos que não há qualquer possibilidade de deduzir da razão um horizonte perpétuo de paz. Tal projeto será fadado ao fracasso. O sonho de paz perpétua não passa disso: um sonho. Como nada tem duração perene, esse tipo de projeto tende a subverter a própria ordem da história, da política e da guerra. Quando penso nisso, toda visão pacifista de mundo parece brotar de uma crença otimista e ingênua na razão. Mas que fique bem claro, isso não é uma tese. Hesito em bater o martelo. Eu também tenho meus sonhos.

De qualquer maneira, a imprudência em representar a esperança futura no presente, de tornar demasiadamente familiar o objetivo que está lá na frente de forma difusa, pois está separado por um abismo de nós, fornece ao homem uma arrogância que pode ser bem perigosa quando se torna a única medida de ações políticas que atuam pela promessa de paz. São esperanças insensatas, já que, nesse caso, a única luta espiritualmente legítima segue sendo aquela que é travada no silencio da vida interior.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    André

    ± 0 minutos

    Muito bom!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Giovani Domiciano Formenton

    ± 5 horas

    Aos crentes a esperança escatológica, que ainda demonstra uma probabilidade desconhecida. Aos não crentes uma outra esperança ou desesperança qualquer, de probabilidades cada vez menores. Mas a esperança é tudo o que temos; parece ser o que nos move enquanto seres individuais e enquanto humanidade. Parece, cada vez mais, que o problema é de quem é o receptáculo de nossa esperança.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Admar Luiz

    ± 5 horas

    Qual a causa que leva o homem a guerra? Predominância da natureza animal sobre a natureza espiritual e satisfação do poder e das paixões humanas. A inferioridade moral se sobrepõe aos interesses espirituais. Somos seres inferiores, atrasados moralmente - apesar dos grandes avanços da ciência - jornadeando nesse planeta onde o mal ainda prevalece. E não esqueçamos de nosso livre-arbítrio. Os homens fazem escolhas. E muitas vezes escolhem a guerra. Mas será que aprendemos com esses acontecimentos tristes? O progresso é uma lei natural e divina. É inexorável quer queiramos ou não. Tudo é aprendizado. Um dia qualquer, por bem ou por mal, evoluiremos e as leis divinas serão obedecidas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • K

    KELLEN GISELLE DOMINGUES

    ± 22 horas

    O sonho da paz perpétua idealizada como um pacto entre os povos numa visão idílica,que nega a natureza do homem imperfeita e agressiva(o homem é o lobo do homem),para ser implantada ,só pode se tornar realidade através de um estado totalitário.Sonha-se com o Eden e acorda-se 1984.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.