i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Giro Sustentável

Foto de perfil de Giro Sustentável
Ver perfil

Afinal, para que serve a Mata Atlântica?

  • PorGiro Sustentável
  • 17/07/2017 16:01
"Remanescente de Mata Atlântica em Piraquara-PR (Foto: Zig Koch)"
"Remanescente de Mata Atlântica em Piraquara-PR (Foto: Zig Koch)"| Foto:

Restando preservados apenas 12,5% da formação vegetal que um dia ocupou 1,3 milhão de km², atravessando 17 estados brasileiros e se estendendo também por Argentina e Paraguai, muito se fala na preservação dos remanescentes de Mata Atlântica. Mas qual a importância desse bioma para o Brasil?

Alguns números podem resumir o papel do bioma, um dos mais ricos e mais ameaçados do planeta. Segundo levantamento da ONG SOS Mata Atlântica, aproximadamente 40% de toda a biodiversidade da flora brasileira é endêmica da Mata Atlântica, ou seja, existe apenas nesse bioma. O estudo revela ainda que nessas florestas vivem 60% das espécies de animais ameaçados de extinção no país.

A grande variedade de espécies se deve aos vários ecossistemas que existem dentro do bioma. “A Mata Atlântica possui importantíssimos ecossistemas associados, caracterizados pela transição terrestre e marinha”, explica Marlon Prestes, responsável pelo Sistema de Informações Geográficas (SIG) da SPVS. “As restingas, os manguezais, os campos de altitude e a Floresta com Araucária (principal formação vegetal do Paraná), são exemplos de ecossistemas associados à Mata Atlântica”.

Além disso, 72% da população brasileira vive no território da Mata Atlântica, em cidades construídas onde antes havia florestas. Essas cidades são responsáveis por cerca de 70% do PIB brasileiro, com uma valiosa contribuição dos serviços ecossistêmicos prestados pela Mata Atlântica. As florestas regulam o fluxo dos mananciais, assegurando a água que abastece casas e indústrias; têm contribuição importante na manutenção da fertilidade do solo por meio da ciclagem de nutrientes, fundamental para o agronegócio; protegem encostas, evitando deslizamentos e também ajudam na regulação do clima e redução do impacto das mudanças climáticas. Outra atividade econômica que depende diretamente dos remanescentes da Mata Atlântica é o ecoturismo, ramo que mais cresce dentro dessa indústria, segundo a Organização Mundial de Turismo (OMT).

Das pequenas vilas do interior às grandes cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, grande parte do país se beneficia dos remanescentes da Mata Atlântica e todos são afetados pela progressiva destruição do bioma. Segundo o último “Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica”, realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e pela Fundação SOS Mata Atlântica, foram derrubados 184 Km² de remanescentes entre 2014 e 2015. E o Paraná é o estado líder do ranking histórico de desmatamento, com 456 km² de Mata Atlântica derrubada desde o início do monitoramento feito pelo Atlas, em 1985. Essa devastação contribui diretamente para a perda dos serviços ecossistêmicos gerados pela Mata Atlântica.

 

*Artigo escrito pela equipe da OSC Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental – SPVS, parceira do Instituto GRPCOM no blog Giro Sustentável.

**Quer saber mais sobre cidadania, educação, cultura, responsabilidade social, sustentabilidade e terceiro setor? Acesse nosso site! Acompanhe o Instituto GRPCOM também no Facebook: InstitutoGrpcom, Twitter: @InstitutoGRPCOM e Instagram: instagram.com/institutogrpcom

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.