Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Covid-19 e os impactos nos ODS
| Foto:

Decisões de qualidade dependem de boas informações e análise prévia de riscos. Na famosa cena do filme “A Escolha de Sofia” a mãe está diante de um trágico dilema: deveria escolher entre seu filho ou sua filha. O soldado nazista diz que se ela demorar muito ele mata todos, – Escolha!, ele grita, e então ela faz sua escolha. Será que essa decisão crítica poderia ter sido evitada?

Guardadas as devidas proporções, de alguma forma essa história ainda se repete. A Pandemia causada pela COVID-19 em 2020 traz escolhas muito difíceis: na empresa, no trabalho, na saúde, na família. A capacidade de avaliar riscos, decidir e antecipar momentos críticos tem feito a diferença entre líderes.

Diante desta crise mundial a ONU apresentou um relatório analítico colocando em cheque o atingimento das metas dos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) para 2030. O Brasil, com sua histórica desigualdade socioeconômica, ficará numa situação de maior vulnerabilidade se não responder adequadamente à crise. Crenças pessoais provam não serem boas conselheiras.
Os principais riscos e impactos sobre os ODS foram assim descritos pela ONU: 1

1– Erradicação da Pobreza A perda de renda aprofunda as vulnerabilidades sociais e leva setores mais vulneráveis da sociedade a patamares abaixo da linha da pobreza.
2– Fome Zero A produção e o consumo de alimentos podem sofrer uma ruptura em sua cadeia produtiva.
3– Boa Saúde e Bem-Estar A pressão sobre os sistemas de saúde compromete a sua capacidade de atendimento geral.
8– Emprego Digno e Crescimento Econômico Suspensão das atividades econômicas, precarização do trabalho e perda de rendimento impactam negativamente o desenvolvimento sustentável.
<strong>Impacto Moderado</strong>
4 – Educação de Qualidade Mudanças do sistema de ensino e fechamento de escolas trará grandes impactos nos sistemas educacionais e para as pessoas envolvidas.
5- Igualdade de Gênero O desemprego afeta principalmente as mulheres chefes de família, aumentando o risco de sofrerem violência doméstica.
6 – Água Limpa e Saneamento* Água tratada e saneamento são os grandes desafios. Moradias são o fator crítico para combater a exposição ao vírus. Periferias sofrem mais devido à alta densidade populacional e condições sanitárias precárias.
12– Consumo e Produção Sustentáveis O risco da diminuição da demanda tende a prejudicar a conscientização sobre origem, meios e manejo de alimentos e bens.
<strong>Impacto: ainda incerto</strong>
13– Combate às Mudanças Climáticas A urgência de outras prioridades pode servir de desculpa para o enfraquecimento da agenda ambiental global.
16– Paz, Justiça e Instituições Eficazes Instituições sociopolíticas fracas e corrupção dificultam respostas à pandemia. Conflitos sociais e o confinamento aumentam tensões sociais.
17– Parcerias em prol das Metas Ações articuladas entre governos, empresas, ONGs e cidadãos está em risco se cada setor pensar apenas em si. Territórios políticos mais conservadores dificultam soluções globais.
10– Reduzir as Desigualdades Este é o indicador-chave de avaliação dos impactos da COVID-19 sobre os demais objetivos.

1Impactos: projeção conforme os indicadores avaliados. https://www.sdgindex.org/  e  https://unstats.un.org/sdgs

A solução para esta crise passa pelos ODS. Considerando seus “Cinco P’s,” a COVID-19 mostra-se capaz de afetar profundamente a vida das Pessoas e Planeta, assim como o desejo de Prosperidade com sustentabilidade. Coloca os esforços pela Paz em risco e demonstra que Parcerias locais ou globais ainda são frágeis e dependem do fortalecimento de uma agenda global comunitária.

No Brasil, em todos os setores a pandemia tem revelado onde estão as maiores fragilidades e oportunidades diante deste momento de difíceis decisões. O “Mundo VUCA” faz todo sentido em um contexto cada vez mais repleto de volatilidade, incertezas, complexidade e ambiguidades.

A superação exigirá o fortalecimento da visão estratégica, sistêmica e de cooperação internacional pelos ODS. Dependerá de articulação local e global, com o desenvolvimento de politicas intersetoriais eficazes e, sobretudo, diálogo: isolados e sem cooperação global jamais atingiremos as metas desejadas.

*Artigo escrito Gustavo Brandão da Mentoris e integrante do Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial (CPCE). O CPCE é colaborador voluntário do Blog Giro Sustentável da Gazeta do Povo. 

**Quer saber mais sobre cidadania, educação, cultura, responsabilidade social, sustentabilidade e terceiro setor? Acesse nosso site! Acompanhe o Instituto GRPCOM também no Facebook: InstitutoGrpcom e Instagram: instagram.com/institutogrpcom

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]