i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

Coincidência? Os 2 anos da reforma trabalhista e a melhora do mercado de trabalho

  • Por Guido Orgis
  • 26/12/2019 18:01
Coincidência? Os 2 anos da reforma trabalhista e a melhora do mercado de trabalho
| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

O mês de novembro teve a maior criação de empregos formais desde 2010 segundo o Caged (cadastro do Ministério do Trabalho sobre registros em carteira). Foram quase 100 mil vagas formais. O dado coincidiu com os dois anos da reforma trabalhista - nesses 24 meses, foram quase 1,2 milhão de vagas formais.

Neste ano, foram criados 948 mil empregos formais até novembro, número que deve cair com os desligamentos sazonais de dezembro. Mas provavelmente o número final do ano será maior do que os 530 mil de 2018 e o melhor resultado desde 2013.

A melhora no mercado de trabalho é lenta, como confirmam os números do IBGE: a taxa de desemprego no trimestre encerrado em outubro ficou em 11,6%, apenas dois pontos percentuais abaixo do pico do primeiro trimestre de 2017 (13,7%). A informalidade foi responsável por três quartos dessa redução, ou pouco mais de 3 milhões de postos de trabalho. Ainda é enorme a força de trabalho subutilizada (24% da população economicamente ativa).

Os bons números do Caged apenas coincidiram com os dois anos da reforma trabalhista. Tenho duas hipóteses sobre essa correlação. A primeira é que a reforma não influenciou diretamente a criação de vagas porque não alterou os pontos mais fundamentais do mercado de trabalho. O que também significa que ela não destruiu empregos, como muitos diziam que ocorreria. A segunda hipótese é que pode ter havido uma pequena formalização de vagas através da contratação intermitente (10% do total criado segundo o Caged).

A correlação possivelmente fraca entre a reforma e o desempenho do mercado de trabalho pode ser decepcionante para os dois extremos do debate político brasileiro. Mas precisamos levar em conta o que a reforma não foi: não reduziu o custo de manutenção de vagas, de contratação ou demissão; não mudou o acesso ao seguro-desemprego (alterado por outra lei); e também não impôs restrições à barganha de sindicatos (o imposto sindical não é uma restrição formal, embora possa ter efeito similar no longo prazo).

Estudos internacionais sobre a relação entre choques econômicos e a desregulamentação do mercado de trabalho explicam em alguma medida o que aconteceu no Brasil durante a crise. Dois trabalhos, um publicado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e outro pela International Labor Organization (ILO) (veja referências), analisam os efeitos da rigidez do mercado de trabalho diante de uma crise financeira. Em resumo, eles indicam que mercados mais regulados têm desemprego menor no início da crise, mas sua recuperação é mais lenta. Mercados menos regulado têm desemprego maior no início e uma recuperação mais rápida.

O caso brasileiro não se encaixa em uma crise financeira, mas aparentemente a rigidez do mercado de trabalho fez com que o desemprego crescesse lentamente no início. Vamos lembrar que a recessão começou no segundo trimestre de 2014 e se encerrou no fim de 2016 (foram 11 trimestres). O pico de desemprego só foi registrado no primeiro trimestre de 2017. E quase três anos depois ainda temos uma taxa de dois dígitos. Uma terceira hipótese que aparece aqui é que a rigidez do mercado de trabalho retardou a retomada da economia.

Essa característica do mercado de trabalho brasileiro provoca outro efeito negativo em uma crise. Os jovens tendem a ser os mais afetados pelo desemprego durante uma recessão e, em crises longas, como a nossa, acabam não atingindo seu potencial no longo prazo com facilidade. A falta de treinamento no emprego pode repercutir durante toda a vida laboral. O emprego verde-amarelo proposto pelo governo é uma resposta insuficiente para esse problema.

A reforma trabalhista foi um marco nas relações laborais. Deu mais força para a negociação entre empresas e trabalhadores, e acabou com alguns anacronismos da lei. Bem aplicada, ela pode apoiar no aumento da produtividade das empresas, já que permite a otimização de jornadas de trabalho, por exemplo. Sozinha, no entanto, não cria vagas nem muda o jogo durante uma crise profunda.

Para ter uma dinâmica diferente diante de uma recessão, a regulação do mercado de trabalho teria de combinar uma redução de custos para a demissão e manutenção de trabalhadores. O primeiro ponto acelera o ajuste das empresas e o segundo dá maior competitividade aos setores exportadores, que historicamente são os primeiros a se recuperarem em caso de crise doméstica. A redução deve ser linear e atacar custos acessórios além da tributação (a escolha de setores beneficiados, como mostra a experiência brasileira recente, não resolve).

Finalmente, é preciso que a política tenha um foco na proteção ao trabalhador e não ao emprego, como no Brasil. Isso significa maior ênfase em treinamento e recolocação de trabalhadores atingidos pela crise, além da manutenção do seguro para a transição entre os empregos (coisa que parece já funcionar bem no Brasil).

É muito provável que nos próximos anos sejam feitos estudos mais detalhados sobre o mercado de trabalho brasileiro durante a crise e sua relação com a reforma de 2017. Desses trabalhos serão tiradas lições para uma nova rodada de reformas que o Brasil pode precisar encarar. Pelo ritmo atual, o desemprego no país só vai voltar ao nível pré-crise em 2023 ou até 2024. Incríveis dez anos após o início da recessão.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • B

    BENEDITO APARECIDO TUPONI JUNIOR

    ± 3 horas

    Difícil admitir o erro Guido? De que os direitos trabalhistas não são um entrave para a economia e geração de emprego? O que fará a economia girar é dinheiro no bolso do consumidor, e a reforma trabalhista faz exatamente o contrário, estrangula o consumidor/trabalhador.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    3 Respostas
    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 40 minutos

      (continuando) Quanto menor o custo de empregar, mais empreendimentos e mais empregos, e maior o mercado de trabalho. "Colocar" dinheiro no bolso do consumidor na marra (como o PT fez) só consegue gerar uma bolha artificial de crédito e uma euforia curta e artificial no mercado, que sempre dura pouco e acaba mal. O final catastrófico do governo Dilma na economia do país não te ensinou nada, não?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • V

      Vitor Chvidchenko

      ± 40 minutos

      Benedito, totalmente errado. Para haver "dinheiro no bolso do consumidor", é preciso que haja emprego, e não o contrário. E para que haja emprego, é preciso que haja condições para que quem tem o capital - o empregador - possa EMPREGAR. Com os altos custos de empregar alguém aqui no país, além de uma lei trabalhista ultra-engessada, empreender aqui no país se torna uma atividade ultra-desestimulada. Aí, como você quer que surjam empregos? Entenda: CONSUMIR NÃO GERA RIQUEZA. Riqueza é gerada por acúmulo de capital e bons investimentos - coisa que só pode ser feita em um mercado com liberdade e facilidade para se empreender - exatamente o oposto do que você defende. (continua)

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • M

      Mirtão

      ± 1 horas

      Vai trabalhar v@g@bund0!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]