i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guido Orgis

Foto de perfil de Guido Orgis
Ver perfil

Blog que discute ideias em economia política

País virou refém dos caminhoneiros e vive síndrome de Estocolmo

  • PorGuido Orgis
  • 28/05/2018 10:18
Polícia escolta caminhão com combustível no Distrito Federal
Polícia escolta caminhão com combustível no Distrito Federal| Foto:

A greve dos caminhoneiros extrapolou o aceitável no meio da semana passada, quando submeteu milhões de brasileiros ao desabastecimento que, entre outros efeitos, deixou pessoas sem cirurgias ou atendimento em hospitais, profissionais sem combustível para trabalhar, mercados sem alimentos para vender e matou animais de fome. Mesmo assim, há uma certa condescendência na forma como o movimento é visto, inclusive pelo governo. Impô-se um custo de R$ 13,5 bilhões (fora os prejuízos bilionários) para atender o pleito dos grevistas que tomaram o país como refém.

Há algumas teorias possíveis para explicar como o país caiu nessa síndrome de Estocolomo – a situação em que o refém cria um laço de afeto com seu sequestrador. A primeira é que a impopularidade do governo é tamanha que muita gente aceitaria o desconforto para levar o presidente Michel Temer a uma derrota. Além disso, a alta nos preços dos combustíveis é uma reclamação geral, o que torna a pauta simpática para muita gente.

LEIA TAMBÉM: Redução de 46 centavos no diesel não será imediata

Em outra linha, haveria uma solidariedade com as dificuldades de trabalho dos caminhoneiros, sujeitos aos perrengues que todo brasileiro conhece, inclusive os impostos. Em um país onde a corrupção é um problema ainda em tratamento – e com um presidente que caminha para sua terceira denúncia criminal a ser avaliada pelo Congresso -, é fácil entender o clima de indignação.

Essa simpatia, no entanto, não deveria justificar o sacrifício imposto a pessoas que não estão na negociação entre o setor de transportes e o governo. Nem justificaria o lado autoritário da pauta de muitos dos grevistas, que levantam a bandeira da intervenção militar ao mesmo tempo em que pedem mais dinheiro no bolso, custe o que custar.

Sem força, o governo teve de ceder, e até nisso foi atrapalhado. Refez a negociação duas vezes, ao mesmo tempo em que viu fracassar sua tentativa de furar a greve com o uso de forças de segurança. Temer, como já sabíamos desde o início, não é um estadista, mas um sobrevivente da política, que tenta escapar das garras da Justiça com seus ministros palacianos. Não poderíamos esperar dele uma reação à la Margaret Thatcher, a primeira-ministra britânica que encarou uma greve de mineiros que durou quatro meses e atravessou o inverno.

O risco da simpatia pelo sequestrador é que muita gente passe a acreditar que os caminhoneiros representem mais do que são. Eles até podem despertar alguma vontade de protestar contra o governo, ou reunir a energia de quem entende que é preciso mudança na política. Mas sua pauta não é essa e pode ser contada nos centavos do preço do diesel na bomba. Mudar o país exige encarar de frente seus problemas mais profundos, inclusive o estado calamitoso de suas contas públicas que levou Temer a elevar os impostos dos combustíveis no ano passado – decisão da qual ele e seu ex-ministro candidato, Henrique Meirelles, vão se arrepender pelo resto da vida.

Qual a solução que o movimento grevista traz para as contas públicas? Como eles acreditam que o governo deve fazer para lidar com seu déficit primário previsto de R$ 159 bilhões? E quanto ao engessamento do orçamento, consumido quase em sua totalidade por gastos obrigatórios, qual a sugestão dos caminhoneiros? Melhor, como os pré-candidatos à Presidência que apoiam os grevistas vão lidar com essa realidade? Vão subir mais impostos? Cortar quais gastos? E se outras categorias pedirem um desconto igual nos impostos? O país feito refém não discutiu nada disso antes de assinar um cheque bilionário para os caminhoneiros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.