i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Guilherme Macalossi

Foto de perfil de Guilherme Macalossi
Ver perfil
Opinião

Chico Rodrigues, André do Rap e impunidade nas nádegas dos brasileiros

  • PorGuilherme Macalossi
  • 15/10/2020 14:34
Se dinheiro foi achado na cueca do senador Chico Rodrigues, caso André do Rap mostra que impunidade está nas nádegas dos brasileiros.
Se dinheiro foi achado na cueca do senador Chico Rodrigues, caso André do Rap mostra que impunidade está nas nádegas dos brasileiros.| Foto:

O narcotraficante André do Rap fugiu. Evadiu-se, como bem disse Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal. O líder criminoso do PCC foi beneficiado por aquilo que podemos chamar de liturgia da impunidade nacional. Um conjunto de ações que vão desde a falta de rigor técnico na produção legislativa, passando pela omissão dos órgãos de Estado até a aplicação mambembe da lei em si.

O Ministério Público e o ministro Marco Aurélio Mello são, sem sombra de dúvidas, os grandes responsáveis pela situação. Antes de falar deles, entretanto, cabe abordar o dispositivo que embasou a decisão do magistrado. Trata-se do artigo 316 do Código de Processo Penal, que foi alterado quando da aprovação do chamado “pacote anticrime”.

O dispositivo estabelece em seu parágrafo único que:

“Decretada a prisão preventiva, deverá o órgão emissor da decisão revisar a necessidade de sua manutenção a cada 90 (noventa) dias, mediante decisão fundamentada, de ofício, sob pena de tornar a prisão ilegal.

Trata-se de um texto evasivo que, a título de combater prisões provisórias eternas, deixa brechas evidentes para ser usado por criminosos bem assessorados como verdadeiro ativo. O Legislativo jamais deveria ter permitido que a redação final do referido parágrafo fosse essa.

Em artigo publicado no site Consultor Jurídico, Fernando Mendes, ex-presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil, aponta a falta de clareza da norma e exemplifica isso mostrando que Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes a interpretaram de formas diferentes em casos semelhantes. Mello decidiu pela liberação automática, enquanto Mendes entendeu que o fim dos 90 dias de prisão não levam a soltura imediata do réu, devendo haver o reexame dos fatos que justificariam a continuidade da prisão originalmente arguida.

Mas, independente da leitura do texto ou do juízo que se faça da qualidade do que foi escrito no Congresso, era obrigação do Ministério Público ao menos requisitar a renovação da prisão, o que acabou não sendo feito. Uma grave omissão que frutificou na forma da liberação do traficante.

E aqui entra o ministro Mello, que preferiu fazer a interpretação mais laxista possível da lei. Ora, na ausência de manifestação do Ministério Público, o ministro poderia ter recorrido também a outro dispositivo presente no Código de Processo Penal.

Imediatamente antes do Art. 316, há o Art. 315, que faculta ao juiz “decretar, substituir ou denegar a prisão preventiva” podendo ainda  “indicar concretamente a existência de fatos novos ou contemporâneos que justifiquem a aplicação da medida adotada”. Em outras palavras: Mello não precisaria de parecer algum para deliberar sobre o caso, podendo ele mesmo elencar as razões para que André do Rap permanecesse preso. Mas não foi o que fez.

>> Você sabe o que faz e quanto ganha um vereador?

O traficante foi conduzido para fora da penitenciária pela porta da frente. Em sua imprudência e insensatez, Marco Aurélio Mello ainda escreveu a seguinte pérola em sua decisão:

"Advirtam-no da necessidade de permanecer com a residência indicada ao juízo, atendendo aos chamamentos judiciais, de informar possível transferência e de adotar a postura que se aguarda do cidadão integrado à sociedade".

Como um bom narcotraficante integrado à sociedade, André do Rap informou um endereço falso, ocultando-se imediatamente com a proteção da enorme estrutura do crime organizado que comanda. Mello esperava o que dele? Senso patriótico e cumprimento da lei?

Depois dessa barbeiragem jurídica, restou ao STF se reunir para deliberar a respeito. Formou-se uma maioria de ministros a favor da continuidade da prisão de André do Rap, um já foragido.

Chico Rodrigues e o dinheiro nas nádegas

A posição da corte, entretanto, só não soou mais tragicamente cômica porque na naquela hora o assunto do país já era outro: a operação deflagrada pela Polícia Federal que resultou na apreensão de dinheiro nas cuecas do senador Chico Rodrigues.

Rodrigues, que é vice-líder do governo no Senado Federal, é investigado por desvio de recursos públicos no combate à pandemia de Covid-19. Segundo a revista Crusoé, os agentes responsáveis pelo cumprimento dos mandados encontraram nele notas sujas de fezes.

Se o caso investigado pela PF mostra que dinheiro público pode ser encontrado metido nas nádegas de um senador, o caso André do Rap mostra que a impunidade está metida nas nádegas de todos os brasileiros.

>> Eleições têm boom de candidatos militares, religiosos e profissionais da saúde

Conteúdo editado por:Rodrigo Fernandes
5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • K

    Klin

    ± 0 minutos

    Nas nádegas do Chico, o Lobo guará. Nas nádegas dos brasileiros, p.a.u.du.ro!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LAURI MARGRAF

    ± 22 horas

    Marco Aurélio por prudência, independentemente da capa dos autos, deveria ter solicitado informações ao juiz que decretou a preventiva, para após tomar a decisão.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    Hugo Dalla Zanna

    ± 22 horas

    É tanta barbaridade que será impossível resolver as "coisas". Talvez uma nova constituição seja necessária... Sei lá... Com esse pessoal que está lá no congresso, acho que não muda nada, ou, muito pouco para ser um pouco otimista. Pobres de nós que não nos engajamos e não lutamos por nossos interesses.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jose

    ± 2 dias

    É um descaso conosco brasileiros que pagamos impostos para ir ao salário desses políticos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FERNANDO LUIZ POZZOBON

    ± 2 dias

    Excelente texto. Verdadeiro absurdo tudo isso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]