i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Gustavo Nogy

Foto de perfil de Gustavo Nogy
Ver perfil

Respeite o terno jeans

  • Gustavo NogyPor Gustavo Nogy
  • 04/08/2020 16:26
Gabriel Macht como Harvey Specter, na série “Suits” (Divulgação)
Gabriel Macht como Harvey Specter, na série “Suits” (Divulgação)| Foto:

por Nicolau Olivieri

Todas as conhecidas dinastias do direito têm o seu lado caricato. Até mesmo os elegantes advogados corporativos, que caminham na esburacada Alameda Pamplona como se fossem Harvey Specters do planalto bandeirante, também têm o seu lado caricato. Mas poucas dessas grandes famílias jurídicas costumavam ser tão mal vistas quanto a brava, aguerrida, sofrida e gauche família dos advogados trabalhistas.

Não sem alguma razão – sejamos sinceros, e eu cheguei a fazer audiência com um advogado que trajava um terno jeans, o que é mais do que suficiente para maledicências. Inclusive eu fiz uma péssima audiência porque não parava de pensar se porventura o carro dele não seria um Chevette Jeans (Google, crianças). Eram outros tempos. Mas para além dessa razão caricata que possa ter existido, a visão algo pejorativa que se tinha do direito do trabalho em geral, e da advocacia em particular, talvez fosse na verdade a consequência da visão que se tinha do trabalho. Afinal, se o trabalho no Brasil não é valorizado, que dirá o direito do trabalho.

Mas sendo o direito do trabalho um ramo nascido das tensões e conflitos da sociedade industrial, e portanto refletindo direitos e deveres das partes envolvidas nessa relação de caráter coletivo, ele acabou se tornando a matriz de muitos institutos que, décadas depois, os civilistas e processualistas criaram e passaram a achar maravilhosos.

“As ações coletivas!” – orgulha-se o doutrinador processualista civilista entoando glórias ao conceito de direitos individuais homogêneos, e emocionado com as brilhantes soluções para questões envolvendo uma pluralidade de sujeitos que compartilham uma mesma pretensão material.

Hold my beer” – diz o bravo advogado de sindicato dos trabalhadores da construção civil, afrouxando o colarinho, e ainda pergunta com aquele ar de desdém: “– Vocês ainda têm embargos infringentes, é?”

Respeite o terno jeans, amigo.

Verdade que nem todo mundo tinha fair play com essa falta de valorização do direito do trabalho. Eu me lembro, por exemplo, da briga de alguns juízes trabalhistas de segunda instância para serem chamados de desembargadores – como se isso resolvesse alguma coisa.

Enfim, o mundo evolui, ou “revolui”, como diria um dos meus filhos, ainda que aos trancos e barrancos, tropeçando, catando côco, caindo e ralando o joelho. E numa dessas evoluções imprevisíveis, eis que se aprova uma reforma na boa e velha (e velha e velha e velha) CLT, algo já inusitado, e que eu nem esperava que um dia fosse acontecer.

Igual quando chega visita aqui em casa: um tal de arrumar a sala, botar a mesa, limpar os copos, e até dar banho nos gatos – eis o direito do trabalho novamente se apresentando como algo novo, algo a ser pensado para além das rotinas de recursos humanos e reclamações trabalhistas, a que todos estavam a acostumados. Vamos fazer uma boa impressão para os colegas.

Depois, o impensável: uma pandemia cataclísmica que fez o mundo parar. Não havia mais Merges & Sei Lá O Quê, ninguém queria saber de abrir sociedade, não havia mais reuniões em Londres, Delaware ou Lyon; as preocupações com testamentos, IPOs, locações, prescrição e decadência, anticrese e enfiteuse, tudo isso foi para o segundo ou terceiro ou décimo nível de importância.

O importante passou a ser salário e emprego.

Uma pandemia fez o mundo redescobrir a importância social, econômica, e política do bom e velho direito do trabalho, daquela relação econômico-jurídica que no mundo moderno torna possíveis várias outras.

O direito do trabalho já não pede mais licença para sentar-se à mesa. Agora é beijinho no ombro, aqui é CLT velhusca, com muito orgulho, com muito amor, reforma trabalhista na veia. Pandemia? É com a gente mesmo: mete o teletrabalho na moral, adianta férias, suspende contrato, reduz jornada, termo aditivo, redige um informativo por semana, webinar, entrevista, conference call. O nosso nome é trabalho.

Nicolau Olivierié sócio na Leal Cotrim Jansen Advogados. Membro do Instituto de Advogados Brasileiros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.