i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Ir e Vir de Bike

Ver perfil

O legado do Fórum Mundial da Bicicleta em Curitiba

  • PorAlexandre Costa Nascimento
  • 22/02/2014 01:55
Mulheres e crianças também marcaram presença na Bicicletada do 3º Fórum Mundial da Bicicleta, em Curitiba.
Mulheres e crianças também marcaram presença na Bicicletada do 3º Fórum Mundial da Bicicleta, em Curitiba. | Foto:

 

Mulheres e crianças também marcaram presença na Bicicletada do 3º Fórum Mundial da Bicicleta, em Curitiba.

Mulheres e crianças também marcaram presença na Bicicletada do 3º Fórum Mundial da Bicicleta, em Curitiba. (Foto: Doug Oliveira/Photopak)

Curitiba sediou a 3ª edição do Fórum Mundial da Bicicleta (FMB3). Ponto — no sentido figurado e no sentido gramatical. O encontro, que recebeu aproximadamente 1,5 mil inscritos de 20 estados e do Distrito Federal e outros 12 países, colocou a capital paranaense no centro do debate sobre o cicloativismo e a mobilidade urbana sustentável. Mas, passada a euforia do evento, é hora de fazer um balanço, na tentativa de avaliar o “legado” do Fórum para a cidade.

Se o termo — tão em voga quando se fala da realização de grandes eventos – for usado na esperança de descrever uma eventual herança na infraestrutura cicloviária da cidade, o tombo será feio. Na prática, com exceção dos tapetes vermelhos nos cruzamentos, pouca coisa mudou para quem pedala em Curitiba depois do Fórum. Mas uma valiosa semente foi plantada e isso deve fazer toda a diferença.

Bom humor, inteligência e criatividade: Fórum deixa um legado imaterial para os que pedalam.

Bom humor, inteligência e criatividade: Fórum deixa um legado imaterial para os que pedalam. (Foto: Doug Oliveira/Photopak)

Com convidados internacionais de altíssimo nível, o FMB3 promoveu discussões, debates e palestras nas mais diversas abordagens: da economia ao ativismo, do cicloturismo ao planejamento urbano. Quem participou do Fórum certamente se enriqueceu culturalmente e se tornou mais apto para entender a importância da bicicleta como ferramenta de desenvolvimento de pessoas e cidades.

Em suma, o FMB3 foi capaz de construir um patrimônio imaterial de valor inestimável: a formação de cidadãos participativos e conscientes. E cidades como Amsterdam, Copenhagen, Nova York e Cidade do México já provaram que apenas a mobilização cidadã é capaz de transformar as cidades em espaços mais amigos da bicicleta – e, consequentemente, mais humanos.

Veja o vídeo da Bicicletada do FMB3

Também vale destaque a organização do evento, que durante um ano ajudou a talhar um grupo de escol. Trabalhando incansavelmente de forma voluntária, investindo tempo e dedicando amor à causa das duas rodas, a equipe foi capaz de realizar um evento praticamente impecável. Toda essa gana, certamente, será a amalgama para manter o movimento cicloativista vivo, criativo e cada vez mais forte em Curitiba.

Outro patrimônio imaterial é o estímulo à integração de mais ciclistas ao dia a dia da cidade. Esse tipo de evento serve como catalizador, estimulando e encorajando mais pessoas a usarem a bicicleta como meio de transporte. E esse tipo de decisão tem efeitos mais do que benéficos no tecido social. Como explicou o arquiteto alemão Lars Gemzøe, está mais do que provado que há uma relação direta entre o número de ciclistas e a percepção de segurança no trânsito das cidades. E esses efeitos são exponenciais quando mais mulheres e crianças estão sobre duas rodas.

M de Medellín, M de Mundial

Apresentação da candidatura de Medellín: Colômbia sediará o FMB4 em 2015.

Apresentação da candidatura de Medellín: Colômbia sediará o FMB4 em 2015. (Foto: Doug Oliveira/Photopak)

Onde estará o FMB em 2024? Qual será a contribuição deste avento para o planejamento das nossas cidades? Para alguns, pode até parecer pretensão, mas, certamente, uma parte da história do movimento cicloativista foi escrita em Curitiba entre os dias 13 e 16 de fevereiro de 2014.

Criado em 2011 em Porto Alegre para marcar um ano do atropelamento coletivo dos ciclistas da Massa Crítica, o Fórum Mundial da Bicicleta foi crescendo e ganhando corpo a cada edição. Em Curitiba, o FMB atingiu a maturidade para dar o próximo passo e se tornar, definitivamente, um evento global — não apenas no nome.

A cidade de Medellín, na Colômbia, levou o direito de sediar o evento na assembleia final do Fórum, em uma disputa acirrada com Manaus, que foi vencida com uma diferença de apenas oito votos. Esta foi a primeira vez na história do evento em que houve disputa entre cidades para ser a próxima sede. Joinville (SC), Florianópolis, João Pessoa, Manaus e Medellín apresentam suas candidaturas.

“É imprescindível que o evento jamais perca sua característica mais importante, que é a de ser um evento horizontal, colaborativo e feito de pessoas para pessoas”, disse o colombiano Carlos Cadena Gaitán, que advogou pela realização do evento em Medellín e se comprometeu a manter esses princípios.

Conheça os termos de uso do conteúdo do blog Ir e Vir de Bike

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.