i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

João Frey

Foto de perfil de João Frey
Ver perfil

Lava Jato nos pedágios: empresa investigada já doou para Richa, Gleisi e Requião

  • PorJoão Frey
  • 22/02/2018 18:13
Na Celepar, coração das informações do governo do Paraná, agentes da Polícia Federal passaram a manhã desta quinta-feira (22) buscando trocas de e-mails que revelassem informações sobre possíveis irregularidades nos pedágios. (Foto: Aniele Nascimentp/Gazeta do Povo)
Na Celepar, coração das informações do governo do Paraná, agentes da Polícia Federal passaram a manhã desta quinta-feira (22) buscando trocas de e-mails que revelassem informações sobre possíveis irregularidades nos pedágios. (Foto: Aniele Nascimentp/Gazeta do Povo)| Foto:

A Construtora Triunfo, ligada à Econorte, que segundo as investigações do Ministério Público Federal é uma das empresas envolvidas no suposto desvio de pelo menos R$ 63 milhões das concessões de pedágio do Paraná, é doadora frequente paras as campanhas eleitorais no estado. Na lista de beneficiados pelas doações da empresa desde 2008 estão Beto Richa (PSDB), Gleisi Hoffmann (PT) e Roberto Requião (PMDB). Nos últimos dez anos foram doados R$ 2,5 milhões.

Quem mais recebeu dinheiro da construtora foi Gleisi Hoffmann. A senadora recebeu R$ 1,5 milhão em 2014, quando disputou o governo do estado. Já Beto Richa recebeu R$ 320 mil da construtora, sendo R$ 300 mil quando disputou a prefeitura, em 2008 e R$ 20 mil, na disputa estadual de 2014. Além disso, em 2010, a construtora doou R$ 500 mil ao PSDB do Paraná. A informação está em um relatório apresentado pelo MPF em 2014, quando começaram as investigações dos contratos de pedágio no Paraná.

LEIA MAIS: Cinco pontos sobre a Operação Integração, a nova fase da Lava Jato

Já o senador Roberto Requião recebeu R$ 50 mil da construtora em 2014, quando também disputou o governo do Paraná.

Em 2014, a empresa também doou R$ 50 mil para a campanha do deputado estadual Rasca Rodrigues (PV). O mesmo valor foi doado para Omar Sabbag Filho, que disputou uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Doações foram criticadas pelo MPF em 2014

Diogo Castor de Mattos, procurador da República que integra a força-tarefa da Lava Jato já havia participado de um outro grupo de procuradores que tinha como objetivo investigar a concessão das rodovias do Paraná. O relatório dessas investigações foi publicado pelo MPF em 2014. O documento –  que identificou 13 atos secretos em contratos de pedágio no Paraná – já apontava irregularidades na concessão feita à Econorte. Os procuradores concluíram que o trecho concedido à empresa foi ampliado à revelia da União. Portanto a operação teria sido feita de forma “manifestamente ilegal”.

No documento, a Procuradoria da República no Paraná destacou as doações feitas por diversas empresas e pessoas físicas ligadas às concessionárias de pedágio.

“Em que pese a proibição legal de partido político ou candidato receber direta ou indiretamente doações de concessionário de serviço público, as diligências empreendidas constataram que foram feitas contribuições eleitorais de vultuosas quantias por empresas ou pessoas físicas ligadas diretamente às concessionárias de pedágio”, registraram os procuradores.

Sobre o governo Richa, então em primeiro mandato, os procuradores concluíram que “o atual governo estadual contou com a colaboração de algumas das concessionárias para financiamento de campanha eleitoral, o que pode explicar, em parte, a benevolência estatal”.

Siga o blog no Twitter.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.