i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Leonardo Coutinho

Foto de perfil de Leonardo Coutinho
Ver perfil

Brasil, América Latina, mundo (não necessariamente nesta ordem)

Ditadura

Mais uma eleição na Venezuela. E dai?

  • Leonardo CoutinhoPor Leonardo Coutinho
  • 05/12/2020 20:45
O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, acenando para apoiadores durante um comício de campanha em Caracas, em 3 de dezembro de 2020, antes da polêmica eleição parlamentar do fim de semana.
O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, acenando para apoiadores durante um comício de campanha em Caracas, em 3 de dezembro de 2020, antes da polêmica eleição parlamentar do fim de semana.| Foto: Jhonn ZERPA / Venezuelan Presidency / AFP

Mais uma vez, os venezuelanos participarão de uma encenação. Neste primeiro domingo de dezembro, eles irão às urnas sob a justificativa de que elegerão os seus deputados. Para muita gente, inclusive no Brasil, o teatro bolivariano serve para justificar que há democracia na Venezuela “Lá ocorrerem eleições”, dizem sempre. Uma overdose de eleições, por sinal. Esta será a vigésima primeira consulta popular em vinte um anos de chavismo.

Todas ocorreram sob suspeitas de fraude. Mas foi nas duas mais recentes delas, entre 2017 e 2018, que Nicolás Maduro roubou descaradamente, aprofundando a crise em seu país, sufocando a oposição e forjando o seu segundo mandato.

A última eleição minimamente confiável foi realizada em 1998. Foi quando Hugo Chávez foi eleito. Depois de então, as regras nunca mais foram respeitadas.

Chávez aprendeu a travestir de democracia os seus movimentos que levaram o seu país para o abismo. A Venezuela é uma ditadura que foi construída sobre os escombros do país que até aquela eleição de 1998 tinha a democracia mais longeva da América do Sul.

A reeleição de Maduro em 2018 não foi reconhecida por mais de 50 países, estre os quais as maiores democracias do planeta. As razões eram a falta de transparência provocada pelas mudanças de regras no meio do jogo e a total falta de garantias de lisura.

O ambiente conflitivo foi o palco que fez emergir o chefe do Legislativo, no caso Juan Guaidó, como presidente encarregado que teria como missão assumir o país e conduzir novas eleições.

Guaidó encarnou o papel de uma figura, prevista na Constituição desenhada pelo próprio chavismo, que define o líder da Assembleia Nacional (que é o equivalente à Câmara dos Deputados, no Brasil) a função de “presidente-encarregado”, em caso de “usurpação de poderes”.

Parecia tudo certo. Mas, a curta temporada que Guaidó deveria cumprir como líder de um transição na Venezuela se alongou para além das previsões constitucionais.

Maduro seguiu firme e Guaidó se perpetuando por meio de remendos legais promovidos pelos seus colegas deputados.

A Venezuela tem dois presidentes em disputa, mas nenhum governo.

O ilegítimo Maduro comanda o Estado enquanto o precário Guaidó tenta se sustentar se perpetuando como uma espécie de Yasser Arafat latino. Reconhecido como presidente por muitos, mas que jamais comandou país algum.

E as eleições comandadas pelo regime de Nicolás Maduro representam mais um grau no aprofundamento da crise venezuelana.

Sem a participação de parte importante da oposição, que não reconhece o processo como legítimo – já que desde janeiro do ano passado, o país está nas mãos de um presidente usurpador –, o resultado que emergirá das urnas será de um legislativo ainda mais servil ao regime.

Os deputados que conquistarem a eleição prometem manter um parlamento paralelo.

Maduro não está nem aí para o movimento. Ele entendeu que assim como Guaidó não foi capaz de afetá-lo, o parlamento paralelo também não o fará.

Falta à oposição venezuelana entender que o regime que tomou conta do país dele não joga conforme as regras da política.

Chávez criminalizou a Venezuela. Transformou o país em uma cleptocracia dominada por máfias e financiadas por agentes extrarregionais que tiram vantagem da instabilidade venezuelana.

Maduro não se sustenta pelo voto ou depende de legitimidade. Ele se nutre exatamente do oposto disso.

A Venezuela que emergirá das urnas no domingo não será melhor ou pior que de antes. Será exatamente como tem sido. Dominada por bandidos, disfarçados de políticos e militares, com uma oposição dividida e, em parte, funcional.

Há sinais evidentes de que o a situação já atingiu o ponto de não retorno. Caso isso se confirme. A Venezuela será um monumento ao descaso global. Os vizinhos, as potências ocidentais, os órgãos multilaterais e até o Papa viram o país se desmantelar e toleraram.

Aqueles que perceberam o problema em seu transcurso, disseram que a Venezuela estava se cubanizando. O presente nos mostra que o que aconteceu por lá é ainda pior. Cuba e seus regimes parasitas são pura propaganda. A Venezuela, muito maior, mais populosa e repleta de recursos naturais, dá dimensões superlativas ao que Cuba jamais foi capaz de ser.

Aqueles que temem que o Brasil um dia possa vir a se tornar uma Venezuela, esqueçam. Quando as coisas realmente derem errado por aí, a tragédia chavista vai parecer brincadeira.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    Joaquim

    ± 15 horas

    Não moro lá, portanto pra mim faz ter ou não eleições sérias. Minha preocupação é com o meu Brasil. Aqui sim temos que eleger políticos honestos compromissados com o desenvolvimento do nosso país.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • D

      Dieter Klemz

      ± 19 horas

      País riquíssimo com as maiores reservas de petróleo do planeta. Governo lixo. Um povo querido que não merece essa ditadura.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • A

        Anselmo

        ± 23 horas

        Ótimo texto Coutinho, parabéns.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Mário Kume

          06/12/2020 9:11:54

          A Venezuela é caso perdido mesmo. O grande exemplo recente é a Argentina. Segue o mesmo caminho...

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • R

            Roberto Garcia

            06/12/2020 0:48:16

            Esses regimes esquerdistas bolivarianos, Peronistas, castristas, kirchnerista, etc...tem a capacidade de afundar os países por onde passa. A historia não mente, os fatos são reais não imaginários.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.