Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Sede da Assembleia Legislativa de São Paulo – Alesp
Sede da Assembleia Legislativa de São Paulo – Alesp| Foto: Divulgação/Alesp

Os gabinetes dos deputados da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) são uma máquina de propaganda do mandato. Os deputados estaduais gastam milhões de reais com serviços gráficos, consultorias, veículos alugados, escritórios, hospedagem e refeições. No ano passado, essas despesas somaram R$ 21,3 milhões. E não faltam mordomias.

O deputado Altair Moraes, por exemplo, ficou hospedado na Pousada Cedro de Líbano, em Campos do Jordão, em dezembro do ano passado, ao custo de R$ 3,3 mil. A diária na pousada chega R$ 900. O deputado justificou a despesa: “Visitar as minhas bases eleitorais faz parte das minhas atividades parlamentares. Em dezembro, estive, sim, hospedado por três dias em Campos do Jordão para um encontro com líderes partidários”, afirmou ao blog. Moraes gastou mais R$ 85 mil no aluguel de um Toyota/Corolla blindado em 2021 – R$ 7,1 mil por mês –, em razão de ameaças que sofreu. Já havia usado o mesmo veículo em 2020. Sua despesa total chegou a R$ 395 mil.

O deputado Agente Federal Danilo Balas (PL) gastou R$ 55 mil com locação de um GM Tracker – um SUV compacto. No início do mandato, utilizava um Corolla, mas fez a troca porque transitava em estradas de terra, com muitos buracos, e precisava de um “carro mais alto”, justificou. Ele ficou em segundo lugar no ranking da gastança, com R$ 429 mil. A locação de veículos foi a segunda maior despesa paga com as verbas de gabinete somando todos os deputados – R$ 3,2 milhões.

Reportagem publicada pelo blog no dia 17 deste mês mostrou que a Alesp conta com salários de servidores acima da renda de deputados federais e senadores, com uma centena de veículos locados e fartas verbas indenizatórias. Além disso, banca um déficit previdenciário que somou R$ 2,2 bilhões de 2007 a 2021.

Xerife do Consumidor consumiu muito

Mas a maior despesa dos deputados em 2021 foi com locação de imóveis no interior do estado – R$ 3,9 milhões. O deputado Murilo Felix (Podemos), terceiro colocado no ranking geral, com uma despesa total de R$ 416 mil, torrou R$ 214 mil com aluguel de imóveis. A partir de abril, ele locou três imóveis, com uma despesa mensal de R$ 22 mil.

O deputado Jorge Wilson Xerife do Consumidor (Republicanos), quinto colocado no ranking, com gastos de 407 mil, investiu R$ 139 mil no aluguel de quatro imóveis. Márcio Nakashima (PDT), sexto do ranking, também com despesas de R$ 407 mil, torrou R$ 170 mil em apenas um imóvel.

Danilo Balas gastou ainda R$ 83 mil com locação de um imóvel. Sua assessoria afirmou que o deputado “possui uma projeção do gabinete (escritório de representação) no município de Sorocaba, sua principal base eleitoral e que atende a toda região Oeste Paulista”. Ele aplicou mais R$ 71 mil na locação de bens móveis.

O líder do ranking foi o deputado Vinícius Camarinha (PSDB), com um total de R$ 436 mil. O curioso é que o maior gasto foi com material de escritório e consumo – R$ 95 mil. Investiu mais R$ 88 mil em serviços gráficos e de reprodução de documentos e R$ 83 mil em serviços de comunicação. Questionado sobre as suas maiores despesas, Camarinha respondeu que os gastos "referem-se ao fruto do trabalho em mais de 153 municípios de regiões que ele representa. Trabalho este que reverte em investimentos e conquistas para a população. Todas as despesas estão devidamente declaradas e aprovadas pela Assembleia Legislativa".

Paulo Fiorilo (PT) ficou em quarto lugar no ranking da gastança, com R$ 414 mil. Investiu R$ 88 mil em serviços gráficos, R$ 85 mil em serviços de comunicação e R$ 66 mil em consultorias. Marta Costa (PSD), com gasto total de R$ 409 mil, colocou R$ 98 mil em serviços gráficos e R$ 83 mil em serviços de comunicação. (Veja abaixo maiores gastos por deputado e natureza da despesa)

Como funciona a máquina de propaganda

Os deputados que mais gastaram com gráficas e consultorias ficaram em silêncio quando abordados sobre os serviços que essas verbas financiam. O deputado Altair Moraes, porém, soltou o verbo. Ele explicou o que fez com os R$ 86 mil gastos com consultoria. “Trata-se de serviços especializados de produção audiovisual para a divulgação das nossas atividades, como produção de conteúdo audiovisual e multimídia, captação de som e imagem, produção de informativos, artes, fotos, e a finalização dos conteúdos jornalísticos destinados à divulgação do mandato parlamentar”, relatou o deputado.

Moraes também relatou como gastou R$ 79 mil com serviços gráficos: “Os serviços gráficos se destinam à produção de material para prestar contas das nossas atividades. Utilizamos materiais impressos para divulgação do nosso trabalho nos mais de 270 municípios onde possuímos representação parlamentar”. Destacou que os serviços gráficos também compreendem a confecção de cartões de visitas, envelopes e papel timbrado.

Para divulgar o mandato, o deputado também precisa recorrer o interior do estado. No ano passado, ele gastou R$ 47 mil com hospedagem e alimentação. Como a “transparência” da Alesp é opaca, não é possível apurar quanto foi pago em cada refeição. Os valores divulgados representam a soma de refeições pagas em um mês em cada restaurante. Mas há uma clara preferência por churrascarias – Coxilha dos Pampas, os Gaudérios, Rei dos Pampas e Gaúcho Malet.

A Alesp não reembolsa a alimentação de terceiros, mas permite o pagamento de hospedagem e alimentação do deputado e dos assessores que o acompanham em atividades parlamentares em todas as cidades do Estado, com exceção da Região Metropolitana de São Paulo.

Moraes justifica também essas despesas: “Como deputado estadual, tenho a obrigação de prestar contas aos meus eleitores e visitar as minhas bases eleitorais, o que é uma prerrogativa do mandato parlamentar que conta com absoluto respaldo legal”.

O deputado Márcio Nakashima (PDT) gastou um total de R$ 407 mil. A maior despesa foi com locação de imóveis - R$ 171 mil. A sua assessoria disse ao blog que esse dinheiro foi gasto com a locação de imóvel comercial em Guarulhos, "reduto político do deputado, e serve de abrigo ao escritório do mandato (extensão do gabinete). No local trabalha a maior parte da equipe de assessores, com foco no atendimento direto à população da cidade e adjacências".

Nakashima torrou mais R$ 96 mil com a locação e manutenção de desktops, notebooks e equipamentos para impressões e cópias, "que guarnecem o escritório de Guarulhos", afirmou a sua assessoria. O deputado investiu ainda R$ 92 mil em informativos "contendo ações do mandato", além de pastas e envelopes personalizados e cartões de visitas.

Definição de gênero

Sobre o aluguel do carro blindado, Moraes afirmou que ocorreu em razão de ameaças que recebeu durante o mandato. “Quem acompanha meu trabalho sabe que tenho posicionamentos firmes e sérios sobre assuntos bastante polêmicos, como foi o caso do PL 346/2019 de minha iniciativa. “Após passar por uma série de esclarecimentos junto à assessoria da Polícia Militar da Alesp, foi recomendada à Mesa da Assembleia uma autorização para o aluguel do veículo”, relatou o deputado.

O projeto estabelece o sexo biológico como o único critério para definição do gênero de competidores em partidas esportivas oficiais no Estado, restando vedada a atuação de transexuais em equipes que correspondam ao sexo oposto ao de nascimento. A última tentativa de votar o projeto em plenário ocorreu em novembro de 2020. Apenas dois deputados votaram a favor – Coronel Telhada (Progressistas) e Janaína Paschoal (PSL). Os demais permaneceram em obstrução.

As maiores despesas

deputado(R$ mil)
Vinícios Camarinha (PSDB)436
Agente Federal  Danilo Balas (PL)429
Murilo Félix (Podemos)416
Paul Fiorilo (PT)414
Marta Costa (PSD)409
Jorge Wilson Xerife do Consumidor (Republicanos)407
Márcio Nakashima (PDT)407
Ênio Tatto (PT)399
Altair Moraes (Republicanos)395
Sargento Neri (Patriota)393
Carlão Pignatari (PSDB) 378
Emídio de Souza (PT)373
Campos Machado (Avante)370
Teonilho Barba (PT)361
Wellington Moura (Republicanos)360
Luiz Fernando T. Ferreira (PT)359
Rodrigo Moraes (PL)357
Analice Fernandes (PSDB)349
Adalberto Freitas (PSDB)344
Márcia Lia (PT)342
Tenente Coimbra (PL)333
Letícia Aguiar (PP)326
Rafa Zimbaldi (Cidadania)326
Mauro Bragato (PSDB)323
Dr. Jorge do Carmo (PT)314
Barros Munhoz (PSDB)300
tipo de despesa (R$ milhões)
locação de bens imóveis3,84
locação de veículos3,25
material gráfico e reproduções3,12
consultorias2,24
locação de bens móveis1,86
combustíveis e lubrificantes1,67
manutenção de imóveis e móveis1,11
hospedagem, alimentação e deslocamentos0,73
total21,33
Fonte: Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp)
Correção

A deputada estadual Marta Costa é filiada ao PSD e não ao PT, como referenciado na primeira versão desta reportagem. O texto já foi corrigido. Aos leitores do blog, as nossas sinceras desculpas.

Corrigido em 25/04/2022 às 15:35
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]