i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Madeleine Lacsko

Foto de perfil de Madeleine Lacsko
Ver perfil

Reflexões sobre princípios e cidadania

A naja de Brasília e o prazer de não cumprir regras

O único limite obedecido pelos envolvidos nos casos de porte ilegal de serpentes parece ser o perigo dos animais peçonhentos.

  • Por Madeleine Lacsko
  • [13/07/2020] [12:33]
A naja de Brasília e o prazer de não cumprir regras
| Foto:

Que tipo de ficção conseguirá competir com a nossa realidade? O caso da naja de Brasília, que parecia o máximo do absurdo, era apenas o começo de uma história que pode ainda ter muitos lances. A necessidade de manter relações próximas com animais extremamente perigosos lembra o sucesso da Netflix, "Tiger King", que aqui se chamou "A Máfia dos Tigres". Joe Exotic tinha em comum com os nossos personagens da vida real o absoluto desprezo pelas regras, leis e normas de convivência social.

Uma discussão comum na sociedade é sobre a necessidade de ter em casa cães de raças notadamente agressivas. A cada tragédia decorrente de um acidente com esses cães, voltamos à discussão. No caso da última semana, partimos para um universo completamente diferente, o de animais não domesticados e peçonhentos, cuja manutenção é cara e difícil. Tudo era feito fora da lei, fora das condições mínimas para a saúde dos animais e sem nenhuma preocupação com danos causados a terceiros. É difícil conseguir compreender a lógica desse universo, mas ele existe e fica na nossa corte.

A primeira notícia, que replicou freneticamente na última quarta-feira, era que um estudante de veterinária havia sido picado por uma cobra naja, que criava ilegalmente, e estava entre a vida e a morte. Como a serpente é proibida no Brasil, não há estoque de antídoto para o veneno. A única dose disponível estava no Instituto Butantã e foi enviada para o estudante, que entrou em coma rapidamente. O veneno era poderosíssimo.

De toda a história, a parte mais reveladora sobre o comportamento dos envolvidos é o destino da cobra, para cujo veneno não havia mais antídoto no Brasil. Os pais do estudante disseram que estava com um amigo dele. O amigo deu várias pistas falsas à polícia até que funcionários públicos descobriram a cobra numa caixa no Pier 21, shopping famoso pela ampla praça de alimentação. Foi levada ao zoológico de Brasília, onde ninguém podia manusear a serpente devido à falta do soro.

Se a serpente é tão perigosa e não havia mais antídoto contra o veneno, capaz de matar em poucas horas, de onde vem a decisão de deixá-la em um local público, onde circulam pessoas o tempo todo? Não houve consequência para este ato.

No mercado ilegal, a tal naja chega a valer R$ 20 mil, segundo diversos órgãos da imprensa. Portar a serpente rende uma multa, da qual se tentou escapar abandonando a caixa num shopping. Ocorre que não era apenas aquela a serpente, havia mais outras tantas. Na última quinta-feira, outras 16 cobras foram encontradas em um haras próximo a Brasília. O mesmo amigo que abandonou a naja colocou as serpentes em caixas semelhantes e as acomodou numa baia de alimentação de cavalos. No dia seguinte, mais uma cobra foi encontrada na casa do pai do rapaz internado.

A polícia expandiu as investigações porque se viu diante de um caso bastante grave. Uma das serpentes mais venenosas do mundo entrou ilegalmente no Brasil e estava nas mãos de pessoas que lidam com isso da forma mais inconsequente possível. Acontece que não eram só eles. Na mesma sexta-feira, por meio de denúncia, chegou-se a um local onde um homem, que não tinha relação com o primeiro grupo, criava animais exóticos. Ele tinha licença para criar uma jibóia e um teiú, espécie de lagarto. Mas tinha também dois tubarões, outras 4 jibóias, duas pítons e uma moréia.

A necessidade de viver uma proximidade tão grande com o perigo tem relação direta com uma vida sem regras nem lei. O maior sinal de status da casta que manda é não ter de se submeter a regras, mas isso cria uma vida desestruturada, vazia, sem emoção, em que nada é suficiente. Animais perigosos impõem limites que a sociedade não impõe.

O rapaz internado ficou em coma por dois dias, foi tratado com soro antiofídico, já saiu da UTI e está na enfermaria, recuperado. Deve prestar depoimento e terá de pagar as multas pelos animais que mantinha ilegalmente. A família importou mais soro antiofídico dos Estados Unidos e doou ao Instituto Butantã o que restou. As denúncias de posse ilegal de animais aumentaram bastante em Brasília assim que a notícia da naja ganhou o noticiário.

É possível dizer que essas pessoas todas apenas amam esses animais? Difícil. Nenhum dos animais resgatados estava em bom estado de saúde. Tecnicamente, todos sofriam maus tratos. Há quem goste de animais exóticos e essas pessoas sabem o custo e o empenho necessários para dar condições dignas a apenas um deles fora do habitat natural. Os casos são de acumuladores de animais, sem nenhum compromisso com o bem estar deles.

O negócio do tráfico de animais é antigo e um debate que todo brasileiro conhece muito bem. Mas, será que este caso é o debate a que estamos acostumados quando falamos das nossas espécies em extinção? Creio que não. O tradicional é que o traficante mire em dinheiro apenas e submeta animais a suplícios para vendê-los a quem se encanta ou obter algo de valor, como couro, marfim e penas. O jogo aqui envolve necessariamente o perigo e a violência dos animais envolvidos.

Em Tiger King fica difícil saber se é mais chocante a história toda da convivência com os tigres ou a convivência humana das pessoas enfiadas no zoológico e na vida de Joe Exotic. O apetite pelo medo, os rompantes de agressividade, o desrespeito a todo tipo de limite e a crença de estar acima das regras eram uma constante. Em Brasília, não precisar cumprir regras e oferecer risco aos demais é sinal de status. Nos casos desbaratados até agora, já sabemos como essas pessoas tratavam os animais. Resta saber como tratam os outros seres humanos.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 10 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Manoel Couto

    ± 0 minutos

    A certeza da impunidade, gera aberrações e desrespeitos às leis como nesse caso. Para proteger os pobres e inocentes animais que são retirados do seu habitat, somente com punições rigorosas. Os nossos inúteis parlamentares estão muito ocupados para revisarem às leis.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlos Eduardo

    ± 5 dias

    Animais que podem desequilibrar a fauna irremediavelmente? Cadeia, e pelo menos 1 milhão de reais de multa. Os caras que produzem comida na Amazônia pagam muito mais que isso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FRANCISCO BEDUSCHI

    ± 5 dias

    Recado dado com muita habilidade e sabedoria. Claro que a prisão do cara que escapou da naja é uma questão indiscutível, se lei houvesse para todos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eriberto Gregorio Vidal

    ± 5 dias

    Parabéns à colunista Madeleine Lacsko. Tem sido uma delícia ler seus textos e conclusões. Matérias sempre bem pesquisadas e profundamente abordadas. Com certeza, algo deve ser feito contra o mercado ilegal e inconsequente de animais. Os responsáveis devem ser penalizados conforme a lei.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rubens Farias

    ± 6 dias

    Se o país fosse mais sério esse sujeito sairia do hospital direito para a cadeia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fernando Calzado Brandi

    ± 6 dias

    Precisaríamos saber para quem essas cobras eram vendidas????

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo

    ± 6 dias

    Achei que fosse postar alguma coluna sobre a prisão do Luciano Ayan. Até pela proximidade, fazia sentido nos trazer fatos novos

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo

    ± 6 dias

    Achei que fosse postar alguma coluna sobre a prisão do Luciano Ayan. Até pela proximidade, fazia sentido nos trazer fatos novos

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Arthur

    ± 6 dias

    Dois equívocos da jornalista podem nos induzir a achar que apenas a elite de Brasília gosta de não cumprir regras e de oferecer risco aos outros. A coisa é beeeemmmm mais embaixo: www.bemparana.com.br/noticia/policia-civil-ja-apreendeu-mais-de-500-animais-silvestres-em-2019#.XwysmUEnaM8

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Z

    Zyss

    ± 6 dias

    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.