Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Escola pública de Santa Catarina viraliza ao divulgar rifa do Dia das Crianças.
Escola pública de Santa Catarina viraliza ao divulgar rifa do Dia das Crianças.| Foto:

Já gostei muito de jornalismo político, principalmente quando existiam política e jornalismo. Hoje vivemos um mundo em que a antipolítica substituiu a política. Em vez de procurar avançar em torno de denominadores comuns, cancelamos quem tiver uma vírgula de divergência. Esse espetáculo é retransmitido pela imprensa como se fosse jornalismo, é o shownalismo.

>> Faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

Sempre fui fã de grandes tribunos brasileiros e estrangeiros. Concordando ou não com o que falam, a oratória é algo que me encanta, sobretudo vinda dos que têm o poder de hipnotizar multidões. Há os que fazem pela vivacidade, mas pode ser pela espiritualidade, pelo brilhantismo, pelo caráter, pelo humor. Atualmente é pelo grito mesmo que ganham atenção, da mesma forma que Pablo, meu cachorro.

Quando alguém me indica um vídeo de política que viralizou eu agradeço porque fico alerta e evito. A falta de maracujina e o fechamento dos bingos fez com que se proliferasse o orgulho do descontrole emocional. Tem quem goste, eu gosto de política. Vocês não avaliam minha felicidade ao descobrir um vídeo viral de política que presta e alivia a alma, lembra quem somos. Você vai repassar por aí a rifa da fazendinha.

Às vezes a gente chora de felicidade, mas não com o cenário político. Aí aprendemos a rir de raiva, aquela risada que é uma vingança, não uma libertação. E esse vídeo é de uma sinceridade e de uma pureza que lembra infância em cidade pequena, gente honesta fazendo o que pode no dia a dia para melhorar a vida mais um pouquinho. E a risada é leve e libertadora porque a gente não ri dos outros, ri da gente mesmo, das nossas lembranças e costumes.

A reunião é da Câmara dos Vereadores de Nova Veneza, interior de Santa Catarina. Eu fiquei hipnotizada por esse vídeo e ele me trouxe um sentimento tão bom que me colocou para pensar. É de uma pureza como a das rifas que minha avó Maria e minha bisavó Angélica comprariam. Aliás, minhas tias comprariam também. Confesso, comprei 10 números. Se sair o porco, o nome dele será Klebim. Tenho 3 chances.

Resolvi ir atrás da história. Foi uma das melhores decisões que tomei. Divido com vocês um pouco de pé no chão, de Brasil de verdade, da retomada de quem somos e daquilo que é importante para nós. A política brasileira e a sociedade civil brasileira nunca foram e não são essa luta insana entre irmãos, essa briga virulenta em que nos negamos. Nova Veneza trouxe o casamento perfeito da política com a sociedade civil e a brasilidade.

A Escola Pública Municipal Mario Bortolotto é a maior do município e atende o Ensino Fundamental, principalmente alunos da zona rural. E por que uma escola pública faria uma rifa? Cogitei muitas coisas, mas fui atrás de quem sabia, o jornalista Vitor Netto, produtor da Rádio Som Maior de Criciúma. Ele é o epicentro da viralização do vídeo.

A produção recebeu o vídeo na terça à noite, mas parecia corriqueiro demais. Estamos todos focados nos "grandes temas". De qualquer forma, ele insistiu no caso e levou o vídeo ao ar, mesmo sem a entrevista com a diretora da escola. O jornalista conta que rapidamente perceberam ter virado "uma coisa meteórica". Talvez tenha viralizado pelo caráter anedótico, mas é uma peça profunda e poderosa. Tem história ali.

A vereadora Elisabete Bortolotto, que desaba em gargalhadas no vídeo, não está rindo da simplicidade do povo, está rindo de si. Ela é professora da escola que fez a Rifa da Fazendinha. Há um dito antigo que alguns dizem ser um provérbio africano: "It takes a village to raise a child" (É preciso uma aldeia para criar uma criança). Aqui vemos brasileiros colocando isso em prática, a despeito do "nós contra eles" que impera na política nacional.

Todos os anos, pais e professores acabam tirando do próprio bolso para fazer a festa do Dia das Crianças. Neste ano de tantas dificuldades, resolveram organizar a Sociedade Civil. Pais da região rural doaram o que tinham para rifar. Todos tentaram levar a notícia da rifa o mais longe que pudessem. A história foi contada em detalhes no programa Adelor Lessa, da Rádio Som Maior.

É zona rural do interior de Santa Catarina. Estão rifando o que chama-se na região de "produtos coloniais". Cada um deu o seu melhor para tentar fazer uma festa bonita para as crianças que viveram o pesadelo da pandemia. Professoras contratadas do Poder Público uniram-se à Sociedade Civil. É algo que, na política nacional, leva o nome pomposo de "parceria público-privada". Foi tão poderoso que despertou o melhor das pessoas até nessa curva de rio das redes sociais.

Antes mesmo da entrevista na rádio, a escola foi beneficiada pela viralização do vídeo. Segundo a diretora da escola, Jussara Savio, hoje de manhã já havia mais de 15 MIL números vendidos da rifa e não só para o Brasil. Teve gente que ajudou em Portugal, Espanha, Inglaterra, Alemanha, Itália, Áustria e Austrália. As redes sociais podem revelar o lado mais cruel do ser humano, mas também trazem à tona a maravilha da cooperação na era da hipercomunicação.

Publicações de ataques a grupos opostos viralizam nas redes sociais por escolha das plataformas, que programam assim seus algoritmos. Eu não tenho dúvidas de que o vídeo da Câmara de Vereadores de Nova Veneza viralizou pelo caráter anedótico. O fato é que ele foi capaz de, mesmo nessa era de tretismo, trazer à tona o melhor das pessoas. Nem houve campanha para comprar a rifa. As pessoas viram o vídeo, morreram de rir, entenderam profundamente e resolveram ajudar.

Eu não sei de que partido é cada um ali, quem é de direita e quem é de esquerda. Sinceramente, nem quis saber, não me interessa. Estão ali a união do Poder Público com a Sociedade Civil e uma preocupação pura e genuína com o bem estar das crianças que frequentam aquela escola municipal. A rifa, divertidíssima, traz também o orgulho da cultura local, da forma como as famílias colocam o pão na mesa.

Em algum momento, substituímos o Brasil real pela lógica das grandes metrópoles, em que não temos raízes. Parece que todas as pessoas são reduzidas a ideologias ou conceitos, despidas de humanidade. É algo que pode ter sido convertido em um discurso de formadores de opinião, mas não é nosso cotidiano. O Brasil não é o bate-boca ideológico, é Nova Veneza cuidando de suas crianças.

Eu sinceramente espero que a Rifa da Fazendinha seja um sucesso sem precedentes na história de Nova Veneza. E que todas aquelas crianças aprendam como suas tradições são capazes de tocar os corações de gente de todos os cantos do mundo. Que Nova Veneza nos ensine a gostar de quem somos em vez de tentar vender a imagem de quem gostaríamos ser.

Essa é a política real, a pólis, o dom de reger nossa rotina e nossos destinos. Ninguém mora no país ou no estado, moramos no municípios. A pequena Nova Veneza, uma cidade de 13 mil habitantes, conseguiu quebrar a internet para fazer uma festa de Dia das Crianças. Imagino quanto podemos conseguir quando descobrirmos como usar as redes em vez de deixar que elas nos usem.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]