i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Mulherio

Ver perfil

O machismo que impregna a propaganda

  • Por
  • 14/08/2012 13:52
O machismo que impregna a propaganda
| Foto:
Divulgação
Homens se juntam para imaginar como seria se aproveitar de mulheres sendo invisíveis. Eles também são alvo de preconceito.

Imagine, caro leitor, que certo dia, enquanto experimenta uma roupa no provador da loja, uma mulher a quem você quer bem – mãe, irmã, namorada, filha – é atacada por um sujeito que tenta retirar suas peças íntimas ou tascar-lhe um apertão em alguma parte do corpo. Ou então que ela, enquanto anda na rua – ou em qualquer outro lugar, público ou não–, tem suas roupas arrancadas do corpo, de supetão, de forma brusca. Imagine também que, por mais que ela ou você se ofenda e queira tirar satisfação, não há nada que se possa fazer contra o agressor – ninguém consegue pegá-lo; ele é, por natureza, impune. Invisível.

Este é o cenário de uma propaganda da cerveja Nova Schin, intitulada ‘Homem Invisível’, veiculada há alguns meses na TV, com o ‘objetivo’ de fazer rir, vender o produto em questão e, por que não, uma ideia. A ideia, pelo que se pode ver, de que é divertido bolinar e tirar a roupa de mulheres sem a sua permissão. E melhor ainda se você fizer isso de forma invisível, sem ser responsabilizado por seus atos. Afinal, o que tem de mais?

O comercial é chocante, embora muitos achem engraçado. Desrespeita um preceito básico que deve ser seguido por todos e em relação a todos: o respeito à privacidade, à inviolabilidade do corpo, à intimidade, à segurança. Tudo isso em nome da diversão masculina – e antes que se diga que o comercial só ofende mulheres, é importante notar o quanto a propaganda ofende os homens, tratando-os como seres irracionais, hipersexualizados, agressores e infantilizados.


Embora muito se fale sobre a liberdade de expressão e na luta contra o politicamente correto, que supostamente tiraria a graça das coisas, é impossível negar o caráter de mau gosto do comercial, que trata a mulher como objeto, tira-lhe a personalidade e incentiva que sejam tratadas com desprezo e chacota – como se elas estivessem à disposição dos homens, pouco importando se querem ou não partilhar sua intimidade com eles. Quem há de concordar ao analisar mais a fundo a mensagem? E ao se colocar no lugar das mulheres ali retratadas?

Além do comercial em si, no entanto, o que preocupa é a posição do Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), órgão responsável por avaliar reclamações de consumidores a propagandas que ofendam terceiros. A resposta, enviada a centenas de pessoas, inclusive a mim, é de que as reclamações foram arquivadas, “sob o fundamento que o comercial não foi considerado ofensivo à mulher, retratando uma situação absurda (alguém ficar invisível). Aliás, o personagem, ao final, é ignorado e desprezado pela modelo mulher”.

Divulgação
Propaganda de cerveja pode ser proibida.

Para pensar: será que o fato de o personagem ficar invisível alivia a situação? Se fosse mostrado um personagem invisível maltratando idosos, crianças, moradores de rua ou homossexuais, sugerindo que aquilo é ‘engraçado’, o ato em si seria menos grave? E, afinal, o fato de uma mulher ignorar (porque às vezes é o que nos resta) uma agressão, física ou psicológica, isenta o agressor de responsabilidade?

O Brasil, de fato, está muito atrasado no que diz respeito à forma como trata a mulher nos meios de comunicação. Não é de hoje que o sexo feminino é retratado deste jeito em comerciais, em especial os de cerveja. São comerciais inundados de clichês, pouco criativos, que exploram preconceitos e, pior, desvalorizam o consumidor duas vezes, já que mulheres também consomem cerveja, ou seja, desrespeitam-nas enquanto pessoas e enquanto clientes.

Num período em que a mídia de outros países se esforça para combater a violência, em especial o estupro e os espancamentos, o Brasil anda na direção contrária – ou porque não realiza campanhas efetivas na área, ou porque não trata com rigor comerciais feitos por terceiros que ofendam a imagem das pessoas – sejam minorias ou maiorias.

Para terminar, deixo aqui o link para o comercial da Nova Schin e também outro, feito pelo governo britânico, que trata de um tema parecido, embora muitos não vejam relação. Confira e deixe sua opinião.

Comercial da Nova Schin

Propaganda do governo britânico

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.