Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Atenção colecionadores e gourmands! Agora tem Prato da Boa Lembrança no Chalet Suisse
| Foto:

boalembranca_chaletsuisse2015LOGO-ARBL-ALTA-DEFINIÇÃO-1Tenho alguns amigos que são fissurados pelo Prato da Boa Lembrança. Correm o Brasil atrás dessas pequenas obras de arte e chegam até a criar roteiros turístico-gastronômicos apenas para ter a possibilidade de acesso a um prato desses. Em suas casas, paredes repletas de pratos que marcaram uma saborosa refeição, com todo o charme que o mimo representa.

Eu também tenho os meus. Não no número que esse pessoal possui, pois vieram da maioria das viagens que fiz profissionalmente e nem sempre (quase nunca, para dizer a verdade) meus companheiros de trabalho se sensibilizaram em experimentar isso ou aquilo diferente de um rodízio de carnes. Faz parte.

Mas acho uma iniciativa muito interessante, que surgiu por aqui em 1994, trazida pelo italiano Dânio Braga, inspirado pelos costumes que trouxe da região onde nasceu, de estimular o hábito de se levar uma lembrança depois de uma boa refeição. Foi assim que surgiu o Prato da Boa Lembrança, uma peça exclusiva em cerâmica que o cliente leva para casa depois de comer em um dos restaurante associados.

Além de fundador, Braga é hoje conselheiro da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança, que conta hoje com cerca de 100 restaurantes espalhados pelo país. O Prato da Boa Lembrança é feito em louça de alta qualidade, resistente, produzido especialmente para ser pendurado e exposto como uma peça de arte. Cada prato possui um desenho original e exclusivo, sempre muito alegre, de cores vibrantes e tom bem humorado, relacionado com o que foi escolhido para ser servido.

E Curitiba ganha agora o quinto restaurante integrado à Boa Lembrança. Depois de Zea Maïs, Sel et Sucre, Cantina do Délio e Quintana, o Chalet Suisse. O prato escolhido por Arthur e Alexandre Saredi, os proprietários da casa, foi o Riz Casimir, uma especialidade suíça bastante popular no país, criada nos anos 50. O mignon suíno é grelhado em finas fatias e servido num suave molho curry, com tâmaras, banana e amêndoas. Acompanha batata rösti e arroz. O prato é levemente picante e agridoce. Em sua constituição original, podem ser utilizadas também carne de vitelo ou frango, assim como outras frutas – maçã, abacaxi, manga, kiwi etc. -, mas, para adaptar um pouco ao paladar do brasileiro, o restaurante decidiu optar pela carne suína e sem muita mistura de frutas.

O Riz Casimir já está sendo servido a partir desta semana e custa R$ 78, com direito a levar o prato com a arte para casa. Para os colecionadores, mais uma bela peça para a coleção. Para os apreciadores da boa comida, mais uma opção que se agrega ao impecável cardápio do Chalet Suisse, sempre uma referência na gastronomia curitibana.

 

Restaurante Chalet Suisse

Rua Francisco Dallalíbera, 1428 – Santa Felicidade

Fone: (41) 3364-7889

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=

Entre em contato com o blog:
Blog anterior: http://anacreonteos.blogspot.com/
Twitter: http://twitter.com/AnacreonDeTeos
E-mail: a-teos@uol.com.br

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]