i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Panela do Anacreon

Foto de perfil de Panela do Anacreon
Ver perfil

Novidades gastronômicas em Curitiba e receitas

Com receita

Lasanha parisiense, um prato saboroso e histórias interessantes

  • Anacreon de TéosPor Anacreon de Téos
  • 14/04/2020 17:33
Lasanha parisiense, prato que foi moda nos anos 60 e que tem a base no molho branco. Deliciosa e muito fácil de fazer.
Lasanha parisiense, prato que foi moda nos anos 60 e que tem a base no molho branco. Deliciosa e muito fácil de fazer.| Foto: Anacreon de Téos

Acho que foi minha primeira experiência com lasanha, não me lembro de ter comido antes. Era menino ainda, morava em Ponta Grossa e quando vínhamos a Curitiba um dos pontos favoritos da família (pais e avós) para comer era o Restaurante Zacarias, que ficava na praça do mesmo nome. Era no andar de cima das Casas Pernambucanas e a gente subia por uma escadinha. Restaurante grande, com os janelões dando para a rua Dr. Muricy e para a própria praça.

A Lasanha parisiense vinha fumegando, numa frigideirinha, era muito bonita e gostosa. Molho branco, presunto, queijo e ervilhas, combinação que afaga o paladar de qualquer adolescente, combinação que me conquistou.

Anos mais tarde, já morando aqui cursando universidade, tive novo contato com a Lasanha parisiense. Ou melhor, não tive, ela apenas entrou como tema principal de uma história entre amigos. Vou explicar.

A turma da faculdade

Primeiro ano da faculdade (fiz Administração, na UFPR), 1969, e a turma ainda se conhecendo. Formamos um grupinho, que foi se aproximando ao natural. Seis, ao todo. Mauro Lafitte Moro, Tercis Duarte Volaco, José Luiz Kloss, Raul Norton Hillbrecht e eu. Ah, sim, e o Magreza, cujo nome prefiro não dar aqui, por razões que serão conhecidas a seguir.

É que o Magreza era muito metido, tudo ele sabia, tudo ela tinha feito antes, tudo já tinha provado, não sobrava assunto nenhum que admitisse não conhecer ou não ter experimentado. Show do Fulano, grande ídolo, que está por vir? “É bom, já assisti” – e dizia o local. Livro tal, recém-lançado? “Já li, me mandaram semanas atrás” – não perdoava. E a gente começou a perceber que era muita garganta, principalmente porque algumas afirmações não batiam.

Começamos a implicar com ele, Norton, principalmente, alemãozinho daqueles brabos. Mas os demais também já estavam na conta do chá. Ou da lasanha, no caso. Foi quando surgiu uma conversa de Lasanha à parisiense e eu disse que gostava muito. “Eu também. E tem uma muito boa ali naquele restaurante que a gente costuma ir de vez em quando” – cravou.

O tal restaurante ficava na João Negrão, acho que ali onde hoje funciona o Detran, perto do Bar do Arthur. Ou ao lado, naquela quadra. Pesquisei (inclusive com o Pedro Oliveira e o Carneiro Neto, entendedores da vida gastronômica de Curitiba), pesquisei e não consegui descobrir o nome. Também porque não era grande coisa, nada famoso. Era um restaurante comum, não muito caro (ou nós, estudantes, não teríamos como lá consumir), mas tinha comida boa.

Calhou uma vez de irmos lá sem o Magreza. Quando o cardápio chegou, o Norton de pronto já disse: “veja aí se tem a tal Lasanha parisiense”. Não tinha. Não tinha? Chamamos o garçom.

- Não tem mais a lasanha parisiense no menu?

- Não tem... nunca tivemos.

- Nunca tiveram? Tem certeza?

- Sim, certeza. Estou aqui há 15 anos e sei todos os pratos que temos e os que já saíram.

Momento de silêncio absoluto em torno da mesa. Cinco mentes maquinando, cinco cabeças pensando.

- Pegamos o Magreza na mentira – alguém comentou.

Pedimos o que iríamos pedir, alguma coisa pra beber e no dia seguinte, lá no saguão do prédio da faculdade (no conjunto da reitoria), encontramos o Magreza.

- Fomos ontem lá naquele restaurante – disse alguém.

- E não tinha a Lasanha parisiense – já emendou rapidamente o Norton.

- Mesmo? Será que saiu do cardápio?

- NUNCA TEVE, o garçom garantiu – o tom de voz já se elevou.

- Claro que teve. Ele não deve se lembrar. Eu comi algumas vezes lá.

- Mas o garçom tem 15 anos de casa.

- Então devem ter coincidido de eu ter ido em dias de folga dele.

Pronto, acabou. Nos entreolhamos e saímos de fininho, um para cada lado, atordoados por tudo aquilo.

E o Magreza, claro, nunca mais participou do grupo, cada vez mais fechado.

Daqueles cinco rapazes unidos (tanto que noivamos e casamos todos em datas próximas), infelizmente dois não estão mais entre nós. Mauro, que era filho do Ulisses Moro, ex-presidente do Coritiba, morreu precocemente, ainda nos anos 80. Norton, que tinha ido morar em Joinville, faleceu há pouco, em janeiro de 2018. Tercis e Zé Kloss (aquela voz famosa dos comerciais e agora também Papai Noel a cada dezembro) estão firmes e foi muito bacana poder conversar novamente com ambos, recordando essa história tão antiga (50 anos).

Prato brasileiro

Assim como outros pratos teoricamente internacionais, como o Bife à parmegiana e o Molho bolonhesa, também o molho parisiense ou molho à parisiense tem origem em cozinheiros brasileiros.

E a denominação se deve à utilização de molho branco, o Molho Bechamel, que tem origem francesa. Para situar o conceito do prato, na época – anos 50, por aí – a referência era o estilo da comida. Aí, no caso, com a linha francesa bem definida. Na falta de nome, algum cozinheiro respondeu: “é um molho à parisiense”. E pegou.

Os ingredientes básicos são o molho branco, o queijo muçarela, o parmesão para gratinar e o presunto. Desde então há quem também ponha um pouco de peito de frango desfiado, até alguns cogumelos paris.

Vou apresentar aqui a receita básica, que é a que gosto, só com os ingredientes originais. De preferência faça o próprio molho branco, evite comprar pronto, por vir com conservantes e outros “antes”. É fácil de fazer e não se espante com a recomendação de utilizar leite frio em vez de morno, como a maioria das receitas sugere. É assim mesmo, fica perfeito.

Vamos à receita, então? É porção para duas pessoas. A partir de um número maior de comensais é só ir multiplicando cada item na proporção.

Bom apetite!

Lasanha parisiense à Anacreon

Lasanha parisiense recém-saída do forno. Cremosa e muito saborosa.
Lasanha parisiense recém-saída do forno. Cremosa e muito saborosa. | Foto: Anacreon de Téos

Ingredientes

250g de massa pré-cozida de lasanha

50g de ervilha fresca ou congelada

150g de presunto cortado em tiras

150g de muçarela

¼ de cebola ralada

2 colheres (sopa) de azeite

3 colheres (sopa) de manteiga

3 colheres (sopa) de farinha de trigo

1 ½ xícara de leite integral frio

1 pitada de sal, pimenta-do-reino moída na hora

½ colher (chá) de noz-moscada ralada

queijo parmesão para polvilhar

Preparo

Prepare o molho branco, derretendo a manteiga em 1 panela pequena. Assim que derreter, junte a farinha e misture bem, mantendo no fogo baixo, mexendo sempre até dourar levemente. Despeje o leite frio de uma só vez e mexa vigorosamente com um fouet, para evitar possíveis grumos. Continue mexendo até o molho engrossar. Desligue o fogo e tempere com sal, pimenta-do-reino e noz-moscada. Reserve.

Em outra panela aqueça o azeite e refogue a cebola até murchar. Adicione o presunto e as ervilhas e misture bem.

Junte quase todo o molho bechamel, deixando um pouco para forrar o fundo do refratário.

Comece, então, a montagem da lasanha, forrando o fundo de um refratário pequeno com o molho branco reservado.

Em seguida faça uma camada de massa, outra de muçarela e repita a ação por três vezes ou até completar o espaço do refratário.

Polvilhe por cima o queijo parmesão ralado e leve para assar (em forno preaquecido a 180ºC) por 30 minutos ou até borbulhar e dourar.

Rendimento: 2 porções.

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=

Entre em contato com o blog:

Blog anterior: http://anacreonteos.blogspot.com/

Twitter: http://twitter.com/AnacreonDeTeos

E-mail: a-teos@uol.com.br

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • P

    Paulo Silva

    ± 0 minutos

    Que artigo bem escrito, gostoso de ler.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      Afonso Celso Frega Beraldi

      ± 20 horas

      Otima historia. Almocei muitas vezes nesse restaurante que era excelente. Vou tentar replicar o prato aqui onde moro. E que legal que você e meu amigo Tercis Volaco são antigos colegas e conhecidos. Abs

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • N

        Nayara Elizabeth Urnau

        ± 23 horas

        Está Lasanha fazia parte do cardápio dos clássicos restaurantes Colibri e Confeitaria Iguaçu .

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • A

          Ae Carvalho

          ± 1 dias

          Vou fazer com certeza. Obrigado, Anacreon pela receita e reminiscencias.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • P

            PastorRosevaldo

            ± 2 dias

            Tenho 57 anos e lembro bem a felicidade de comer, na adolescência, essas "comidas de restaurante" (o que acontecia muito raramente). Anotei a receita e vou fazer uma noitinha dessas. Valeu!!!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.