i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Panela do Anacreon

Foto de perfil de Panela do Anacreon
Ver perfil

<p style="margin: 0in; font-family: Arial; font-size: 11.0pt; color: black;"><span style="background: white;"> Novidades gastronômicas em Curitiba e receitas </span></p>

Quentão verdadeiro é o de pinga. O outro é só “vinho quente”

  • PorAnacreon de Téos
  • 17/05/2017 17:18
O Quentão tradicional é feito de cachaça, gengibre, açúcar, limão, cravo e canela. E servido em canequinha. (Foto/ Anacreon de Téos)
O Quentão tradicional é feito de cachaça, gengibre, açúcar, limão, cravo e canela. E servido em canequinha. (Foto/ Anacreon de Téos)| Foto:

O Quentão de pinga na canequinha esmaltada. Como deve ser. (Foto/ Anacreon de Téos)

Fiquei enfezado. Onde quer que eu vá e tem no cartaz que serve quentão, na verdade não serve quentão. E olhe que, por conta até desse ofício de escrevinhador gastronômico, tenho ido a muitos locais, entre restaurantes e bares e feiras e eventos. E só o que vejo é “vinho quente” sendo servido como se fosse quentão.

Quentão mesmo, o original, é feito com pinga. Desde que me conheço por gente é assim e as primeiras lembranças me remetem ainda à infância em Ponta Grossa – e depois à adolescência, em Curitiba – tempos em que o quentão era servido como bebida obrigatória para esquentar as tantas e famosas festas juninas que existiam.

E a sensação que tenho no paladar é a do pinhão na brasa com os primeiros goles de quentão que fui autorizado a beber, pois, afinal de contas, ainda era menor de idade e meus pais sempre foram muito rigorosos com esses limites que hoje andam bem mais frouxos.

Quentão de pinga, cachaça, coisa simples, apenas a bem-feita mistura fervida de açúcar, pinga, limão, gengibre, cravo e canela (de vez em quando uma casca de laranja). Bebida na canequinha esmaltada e sempre servindo pouco, para não dar tempo de esfriar – aí fica ruim, morna e adocicada.

Com o passar do tempo o quentão foi sumindo, tanto quanto as festas juninas. E foi entrando em seu lugar o “vinho quente”, que é servido com gemada, suspiro e sabe-se-lá-mais-o-quê. E que fica doce, doce demais, nem se aproximando do quentão original.

Sendo assim, como minha incursão pelos bares em nada resultou, a não ser a vontade cada vez maior de tomar um verdadeiro quentão, resolvi fazer o meu. Em casa mesmo, com a receita original de décadas.

Ficou um espetáculo, deu aquele arrepio na espinha que a volta ao passado proporciona. Único senão, porém, foi não ter cachaça branca em casa e apenas da amarela. Com isso, a bebida ficou mais escura, sem o mesmo brilho que teria com a pinga incolor. Mas nada que alterasse o sabor. E, para os interessados, é rápido e muito fácil de fazer.

Quer arriscar? Lá vai a receita.

Quentão tradicional

Ingredientes

1½ xícara de açúcar

1½ xícara de água

50g de gengibre cortado em fatias finas

3 limões cortados em rodelas

4 xícaras de pinga

3 cravos-da-índia

2 pedaços pequenos de canela em rama

1 tira de casca de laranja

Preparo

Aqueça o açúcar em fogo alto, mexendo de vez em quando, até caramelizar.

Junte todos os ingredientes, menos a pinga, e ferva, mexendo até dissolver o açúcar.

Junte a pinga, com cuidado, de preferência fora do fogo, misture e deixe ferver em fogo baixo por 3 a 4 minutos.

Rendimento: 8 canequinhas.

 

(Em tempo: assim que publiquei minha queixa nas redes sociais, o jornalista Maximilian Santos me avisou que no Fritz servem esse quentão tradicional. Claro que vou aparecer por lá.)

 

=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=

Entre em contato com o blog:

Blog anterior: http://anacreonteos.blogspot.com/

Twitter: http://twitter.com/AnacreonDeTeos

E-mail: a-teos@uol.com.br

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.