Um show de três chefs no Terra Madre
| Foto:

Um show! E não havia como esperar nada diferente. A boa expectativa já havia sido registrada aqui, quando anunciado o jantar a seis mãos para comemoração do sétimo aniversário do Terra Madre. Mas o entusiasmo dos três chefs, circulando entre as mesas e explicando, com carinho, cada um dos pratos, elevou ainda mais o astral da casa lotada.

Rodrigo Martins, Ivo Lopes e Ivan Lopes, os três chefs ligados diretamente à história do restaurante, se reuniram em torno de um só cardápio, iniciado com um Creme de batata-baroa (a nossa batata-salsa) com ragu de polvo rústico. O creme estava delicadíssimo e o polvo muito macio e saboroso, antecipando qual seria o naipe do jantar.

Veio, em seguida, o Trio de ravióli caseiro, composto por um de Mussarela de búfala ao pomodoro basílico (tomate e manjericão), um delicioso de Maçã verde com ricota ao molho de gorgonzola dolce (queijo azul produzido na província de Novara, Piemonte, norte da Itália) e um de Queijo brie e damasco na manteiga de sálvia, de atraente combinação agridoce.

O peixe agregou ainda mais sabor a uma das marcas da casa – Filhote em crosta de castanha do Pará, julienne de palmito pupunha ao molho de tucupi. O filhote, o saboroso peixe amazônico, já faz parte do cardápio há algum tempo e só ganhou um tratamento especial para o evento, com uma crosta de castanha do Pará. E o mais interessante: uma julienne de palmito pupunha (cortado em tiras longitudinais, que em outros restaurantes chamam de talharim ou fettuccine) sobre um surpreendente molho de tucupi – aquele caldo da mandioca brava é reduzido e reduzido, com um toque de limão, para chegar ao sabor final apresentado pelo trio de cozinheiros.

A Codorna selvagem recheada ao molho de especiarias veio a seguir. Selvagem, explicaram, por não se tratar de ave presa em gaiolas e sim soltas em grandes cercados de telas, podendo voar e pastar à vontade. Dá diferença no sabor da carne.

O outro prato de carne foi a Paleta de cabrito bôer Apris assada com cogumelos e alho confit. Como expliquei no post anterior, bôer é a raça do cabrito e Apris são os produtores especializados nessa carne. Que é deliciosa e, infelizmente, tem pouca oferta nos restaurantes de uma maneira geral. Fica aqui a sugestão, portanto: e por que não incluir esse cabrito no cardápio regular do Terra Madre?

A sobremesa foi um Cálice de doce de leite com queijo fresco e morango macerado com aceto balsâmico. Fecho perfeito para uma grande noite.

Restaurante Terra Madre
Rua Des. Otávio do Amaral, 515 – Bigorrilho
Fone: (41) 3335-6070

=-=-=-=-=-=-=

Entre em contato:
Blog anterior: http://anacreonteos.blogspot.com/
Twitter: http://twitter.com/AnacreonDeTeos
E-mail: a-teos@uol.com.br

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]