Plano Safra 2020/21
| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

O Paraná, a exemplo de outros estados que são fortes produtores rurais, vive um momento de ouro do agronegócio, mesmo em meio à pandemia que deu uma rasteira na economia nacional. Apesar disso, e de projeções otimistas para 2021, o especialista em agronegócio, Alexandre Mendonça de Barros, alerta para uma possível perda de fôlego nos próximos anos.

LEIA MAIS sobre economia paranaense

A constatação foi feita durante evento online promovido pela Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Sistema Ocepar e secretarias estaduais de Desenvolvimento Sustentável e Economia, na última semana.

Para Barros, o bom momento do agronegócio, a despeito de quase todos os demais segmentos da economia, se dá por uma conjuntura que junta o auxílio emergencial do governo federal – as parcelas pagas a trabalhadores que perderam sua renda tiveram um forte impacto no consumo do setor alimentício – e a taxa cambial favorável aos exportadores brasileiros – com dólar alto e real desvalorizado.

A alta nos números foi percebida em todas as cadeias produtivas (grãos, proteína animal, suinocultura, avicultura e bovinocultura). No Paraná, grãos, avicultura e suinocultura tiveram desempenho de destaque.

A preocupação, de acordo com o especialista, é o fim das condições que sustentaram esse ambiente positivo, como o possível fim do auxílio emergencial. “A corda está esticada em um limite que ninguém imaginaria. Mas isso não é sustentável. É bom entendermos que somos uma anomalia no mundo em relação a preços agropecuários. E anomalias não duram para sempre. (...)Não é uma boa hora para fazermos investimentos exagerados em ativos caros. É um excepcional momento de capitalização. 2021 tende a um cenário bom, mas a gente tem muitas dúvidas", destacou.

O Paraná deve crescer 15% em Valor Bruto de Produção (VBP) neste ano, elevando sua produção rural a R$ 111 bilhões. Há boas expectativas de ainda mais negócios no curto prazo com o reconhecimento do estado como “livre da vacinação de febre aftosa”, uma espécie de garantia de boas práticas sanitárias no campo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]