i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Paraná S.A

Foto de perfil de Paraná S.A
Ver perfil
3D

Curitibanos “imprimem” prótese de mão com investimento de R$ 1,5 mil

  • PorMariana Ceccon
  • 09/09/2019 09:25
protese-eletronica-sebrae-startup-foto-adriano-oltramari
Dois sensores possuem eletrodos que captam os impulsos musculares e passam por uma placa,| Foto: Adriano Oltramari/Divulgação

Uma prótese de mão feita a partir de impressão 3D deve diminuir substancialmente o custo desses dispositivos em Curitiba. Um protótipo criado pelos estudantes de engenharia eletrônica Andrey Hertel e Lucas Cândido da Silva, e pelo engenheiro mecânico Arturo Vaine, foi tirado do papel com o investimento de R$ 1,5 mil. No mercado, um equipamento com a mesma função pode chegar a custar R$ 150 mil. O modelo criado no Paraná foi pensado, especialmente, para amputações abaixo do cotovelo e acima do pulso.

Responsável por criar o produto, Hertel iniciou o projeto no ano passado motivado por sua própria história. O estudante nasceu com agenesia - atrofia de órgão - e dedicou-se a criar a prótese capaz de transformar estímulos musculares em impulsos elétricos, produzindo assim movimentos dos dedos artificiais. “Não é apenas o custo, através da impressão 3D, que baixa. O material é muito mais leve, tornando a prótese mais acessível”, explica Hertel.

“Quando criei a prótese busquei resolver um problema e agora quero também ajudar outras pessoas. Sei como é difícil ter acesso a próteses mais acessíveis e com as funcionalidades necessárias para ajudar as pessoas no seu dia a dia. Queremos vender não apenas próteses, mas uma mudança de vida”, afirma.

Em 2018, o projeto venceu o prêmio Ozires Silva de Empreendedorismo Sustentável. Foto: Adriano Oltramari/Sebrae-PR
Em 2018, o projeto venceu o prêmio Ozires Silva de Empreendedorismo Sustentável. Foto: Adriano Oltramari/Sebrae-PR

Agora, o projeto está recebendo orientação dos conselheiros do Sebrae-PR para ser lançado no mercado com uma sólida estratégia de vendas. A instituição também está auxiliando os estudantes a obter a licença da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para comercialização do dispositivo.

“Eles terão capacitação para que os modelos sejam testados, validados e para que a primeira venda seja realizada em seis semanas. Serão consultorias personalizadas para que a gente chegue a um protótipo final, para a construção de um modelo de negócios sustentável, rentável e com o planejamento para as próximas etapas do negócio”, afirma o consultor do Sebrae, Vinícius Galindo de Mello.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.