Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
João Caetano Magalhães
João Caetano Magalhães, especialista em fusões e aquisições da Redirection| Foto: Divulgação

A chegada mais intensa de grupos nacionais de saúde ao Paraná é um ponto de alerta para hospitais e clínicas de médio porte, defende o especialista em fusões e aquisições João Caetano Magalhães, senior partner da consultoria Redirection e um dos idealizadores do recém-criado Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Fusões & Aquisições (Idefa). Para ele, em um cenário em que gigantes como NotreDame Intermédica e Rede D’Or disputam espaço, resta aos grupos locais se reorganizarem ou se juntarem a estas companhias.

"Os hospitais médios locais não têm muita opção além de se juntarem e fazer um grupo regional ou acabarem aderindo a alguma dessas plataformas de um player nacional. Isolados, eles podem sobreviver, claro. Mas a vida vai ficar cada vez mais difícil”, aponta o especialista, que já atende empresa do segmento.

Nos últimos anos, o Paraná se tornou uma das novas fronteiras do segmento da saúde no Brasil. Em uma série de movimentos, companhias como a NotreDame, a Sulamérica, a Rede D’Or, a Dasa e a Hospital Care compraram hospitais, clínicas e operadoras de planos de saúde locais, como Clinipam, Paraná Clínicas e Hospital Pilar. As negociações ocorreram sobretudo em Curitiba, Maringá e Londrina "Do final de 2019 até agora foram cerca de 12 operações de fusões e aquisições no setor de saúde agora. Nem todas as transações tiveram seu valor aberto, mas foi algo na ordem de R$ 4 bilhões em empresas com foco ou sede no Paraná", aponta.

"E existe em qualquer setor, não só o de saúde, a questão da janela. Quando existe um movimento de consolidação deste, existe uma janela onde existe um interesse maior destes grupos grandes de se fixar nessa região. Depois que passa essa janela, é igual dança das cadeiras. Começa a sobrar menos cadeiras. Lá na frente, com o pessoal já estabelecido aqui, ele pode fazer um movimento de fusão. Mas aí o interesse e o valor que ele vai atribuir àquela aquisição é menos estratégico. Então a tendência é que o valor também seja menor. Quem não se mexe nesse momento tende a ter mais dificuldade”, alerta Magalhães.

De acordo com o especialista, movimentos de fortalecimento local já tem ocorrido, mas em empresas maiores. "A Unimed está olhando esse movimento e dentro do possível tentando reagir. Por coincidência nós vimos uma notícia nesta semana de que a Unimed de Maringá está construindo um hospital próprio. Eles estão vendo a turma chegando e pensando 'vamos ter que fazer alguma coisa senão os caras vão jantar a gente'", diz. A cooperativa de saúde tem ao seu lado uma forte base de usuários. “Dos planos de saúde, elas têm cerca de 40% da participação. Isso, de alguma maneira, dá uma característica diferente para o nosso mercado". Aponta.

Paraná ganha instituto voltado às fusões e aquisições 

João Caetano Magalhães é um dos nomes por trás de uma nova instituição atuando no estado. O Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Fusões & Aquisições (Idefa) foi criado neste ano por um grupo de empresários e consultores da área para ajudar empresas a se prepararem para um processo de venda ou união com outras empresas.

"Criamos o Idefa para educar o mercado nesta área, no bom sentido. A gente percebe que muitos empresários bem-sucedidos não entendem muitas vezes como são as coisas, como é o processo do começo até o fim. Nosso foco são empresas de médio porte: nem as muito pequenininhas, nem as gigantes, que são os bancos de investimentos que atendem. Nosso foco é específico: empresas com faturamento, grosso modo, entre R$ 30 e R$ 500 milhões. Nossa missão é trazer conhecimento, realizar treinamentos e eventos para essas companhias”, aponta o especialista.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]