i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Paulo Cruz

Foto de perfil de Paulo Cruz
Ver perfil

A liberdade é um direito radical. Coluna semanal

Literatura e formação do imaginário, ou: Por que ler?

  • Por Paulo Cruz
  • 21/07/2020 20:57
Biblioteca
| Foto: BigStock

– Minha vida é um cemitério de esperanças enterradas. Li essa frase em um livro certa vez e a repito como consolo sempre que me decepciono com alguma coisa.

– Não vejo onde está o consolo nisso – disse Marilla.

– Ora, é porque soa tão bem e tão romântico, como se eu fosse a heroína de um livro, sabe?

[…]

– Eu não vejo como minha cabeça conseguirá inventar coisas tão arrepiantes, Anne. Eu queria que minha imaginação fosse tão boa quanto a sua.

– Ela seria se você a cultivasse – respondeu Anne para animá-la. (Lucy M. Montgomery, Anne de Green Gables)

Acho que já disse algures que o primeiro livro que li na vida foi Dom Casmurro, do imortal Machado de Assis. Não tive uma infância de leitor e, em meu período escolar, eu simplesmente não lia os livros que eram solicitados – por isso perdi a oportunidade de, à época, ter contato com a arqui-famosa Série Vaga-Lume. Mas a história de Capitu e Bentinho me fisgou; eu simplesmente não conseguia parar de ler. Dom Casmurro provocou em mim aquilo que C. S. Lewis diz que ocorreu a ele na leitura de Squirrel Nutkin, de Beatrix Potter: “ministrou o choque”.

Após algumas leituras aleatórias, sobretudo os quatro primeiros sucessos literários de Paulo Coelho – O Diário de um mago, O Alquimista, Brida e As Valquírias –, que li com muito gosto (li O Alquimista, fissurado, em um dia), minha visão sobre a literatura mudou por completo quando tomei contato com um livro que meu saudoso pai, ao perceber meu entusiasmo pela literatura, passou a insistir que eu lesse: O Egípcio, do finlandês Mika Waltari. Um livro volumoso, que meu pai tinha numa edição bastante antiga, de 1955 (hoje uma de minhas maiores heranças), e que eu, jovenzinho, achava antiquado demais para sair à rua. (Vale lembrar que, à época, final da década de 1980, eu já trabalhava com meu pai, que era advogado, como office-boy (profissão extinta), oportunidade que eu tinha para ler, no transporte público, enquanto visitava repartições e clientes, levando ou trazendo documentos). Mas ele insistiu, dizendo: “se você ler três páginas desse livro não conseguirá parar de ler”. Dito e feito. Fui capturado logo na introdução:

Eu Sinuhe, filho de Senmut e de sua mulher Kipa escrevo isto. Não o escrevo para a glória dos deuses da terra de Kan, porque estou cansado de deuses, nem para a glória dos faraós porque estou cansado de seus feitos. Tampouco escrevo por medo ou por qualquer esperança no futuro; escrevo para mim, apenas. O que vi, conheci e perdi durante a minha vida, foi coisa demasiada para que me domine um vão temor e, quanto a algum desejo de imortalidade, estou tão exausto disso quanto dos deuses e dos reis. É apenas por minha causa que escrevo, por tal motivo e essência diferindo eu de todos os escritores passados e vindouros.

A tradução soberba de José Geraldo Vieira engrandece sobremaneira a narrativa. A saga de Sinuhe é uma das coisas mais impressionantes já escritas, e me fez compreender o verdadeiro poder da literatura, e após a leitura dessa obra-prima nunca mais fui o mesmo. Outro livro que mudou a minha vida foi a autobiografia do poeta e monge trapista Thomas Merton, A montanha dos sete patamares, responsável por despertar minha vocação para a docência.

Diante desse breve relato autobiográfico, é fácil perceber, prezado leitor, o quanto a literatura tem sido importante em minha vida; e após dedicar algum tempo ao estudo dessa importante atividade humana, sinto-me feliz por, um dia, ter sido despertado a ela por Machado de Assis e por todo o estímulo vindo de meu amantíssimo pai, Antônio da Cruz, de quem sinto uma saudade do tamanho do mundo. Não é à toa que Platão disse, na República, que Homero havia sido o “educador da Grécia, e que é digno de se tomar por modelo no que toca a administração e a educação humana”, pois o poeta, com suas tragédias e hinos, foi, como diz Werner Jaeger, “mestre da humanidade inteira” por ter demonstrado “a capacidade única do povo grego para chegar ao conhecimento e à formulação daquilo que une e move todos nós”. Não que o poeta épico tenha sido a única ou principal fonte moral do Ocidente, mas, certamente, a formação do imaginário ético e estético ocidental deve muito a ele.

Porém, alguns ainda podem não ver tanto sentido na ideia de que a literatura é boa para todo mundo, e pensarem que trata-se somente de uma questão de gosto. Por isso considero válido tentar responder à pergunta: “para que serve a literatura?”

Umberto Eco, em Sobre a literatura, nos diz que é possível elencar ao menos três funções para a literatura, a saber: 1) “A literatura mantém em exercício, antes de tudo, a língua como patrimônio coletivo”; 2) contribuindo para formar a língua, “cria identidade e comunidade”; e 3) “a leitura de obras literárias nos obriga a um exercício de fidelidade e de respeito na liberdade de interpretação […], pois propõem um discurso com muitos planos de leitura e nos colocam diante das ambiguidades da linguagem e da vida”. Ou seja, podemos dizer que a literatura tem uma função civilizatória, pois “o mundo da literatura é um universo no qual é possível fazer testes para estabelecer se um leitor tem o sentido da realidade ou se é presa de suas próprias alucinações”. Mortimer J. Adler vai além em seu Como ler livros, fazendo uma diferenciação entre leitura ativa e passiva: “Dado que toda leitura consiste em uma atividade, então toda leitura tem de ser ativa. A leitura totalmente passiva é algo impossível – afinal, não conseguimos ler com os olhos paralisados e com a mente adormecida. Por conseguinte, ao compararmos a leitura ativa com a leitura passiva, nosso objetivo será mostrar que a leitura pode ser mais ou menos ativa e, ademais, que quanto mais ativa, tanto melhor”. E e leitura ativa, nesse sentido, “é o processo por meio do qual a mente se eleva por conta própria, isto é, sem mais nada com o que operar a não ser os símbolos contidos no livro. A mente deixa de entender menos e passa a entender mais. As operações técnicas que tornam possível tal elevação são os diversos atos que compõem a arte de ler”.

Tal diferenciação que faz Adler é importante, pois reforça uma distinção entre aqueles que C. S. Lewis, em A experiência de ler – ou Um experimento em crítica literária, chama de bom leitor e mau leitor. O mau leitor – ou iliterato – está entre aqueles que, dentre de suas principais características, “a não ser por obrigação, nunca leem nada que não seja narrativo. Não quero com isto pretender que só leiam ficção. O pior dos leitores é aquele que se fica pelas ‘notícias’ […] Mas entre este leitor e o da classe imediatamente acima – a dos que leem o tipo mais inferior de ficção – não existe uma diferença essencial […] Não têm ouvido. Leem exclusivamente com os olhos. Para eles, as mais hediondas cacofonias e os mais perfeitos exemplos de ritmo e melodia vocálica são perfeitamente iguais. É por aí que descobrimos como algumas pessoas de elevada formação cultural não têm qualquer sensibilidade literária”. Ou ainda são aqueles que “exigem narrativas de ritmo rápido. Tem de estar sempre alguma coisa a ‘acontecer’. As suas formas de condenação favoritas são ‘lento’, ‘muito descritivo’ e por aí afora”. Já sua descrição do bom leitor ou do que busca este na literatura, é diga da longa citação, paciente leitor:

Qual é então o valor - ou qual é mesmo a sua justificação – de ocuparmos os nossos corações com histórias sobre o que nunca aconteceu e aceder, por interposta pessoa, a sentimentos que devíamos tentar evitar em nós próprios? Ou de fixar o nosso olhar interior em coisas que nunca poderão existir, como o paraíso terreal de Dante, Tétis erguendo-se do mar para confortar Aquiles, a Dama Natureza de Chaucer, ou Spenser, ou o navio espectral do Velho Marinheiro? […] O mais próximo que até hoje cheguei de conseguir uma resposta foi ao dizer que buscamos um engrandecimento do nosso ser. Queremos ser mais que o que somos em nós próprios. [...] Queremos ver com outros olhos, fantasiar com outras imaginações, sentir com outros corações, ao mesmo tempo que com os nossos. […] Aqueles de entre nós que toda a vida têm sido verdadeiros leitores raramente se dão conta da enorme extensão do nosso ser que ficamos a dever aos autores. Compreendemo-lo melhor ao falar com um amigo iliterato. Pode ser um poço de bondade e sensatez, mas habita um mundo estreito, onde nos sentiríamos sufocados. O homem que se contenta com ser apenas ele próprio, e por conseguinte em ser menos, vive numa prisão. Para mim, os meus próprios olhos não são suficientes, quero ver através dos olhos de outras pessoas. […] A experiência literária cura a ferida da individualidade, sem lhe minar o privilégio. Há emoções de massa que também curam a ferida, porém, destroem o privilégio. Nestas, os nossos seres isolados fundem-se entre si e recaímos na subindividualidade. Mas, ao ler a grande literatura, torno-me mil seres diferentes, sem deixar de ser eu próprio. Como o céu noturno no poema grego, vejo com uma miríade de olhos, mas sou sempre eu que vejo. Aqui, tal como no ato religioso, no amor, no ato moral e no saber, transcendo-me a mim próprio. E nunca sou mais eu próprio que ao fazê-lo.

Mais uma vez, nessa belíssima descrição de C. S. Lewis, fica evidente o caráter civilizatório da literatura, o quanto ela pode contribuir na formação da nossa imaginação moral e, consequentemente, com nossa vida de razão, pois, como disse Aristóteles em seu Da alma, “a imaginação é algo diverso tanto da percepção sensível como do raciocínio; mas a imaginação não ocorre sem percepção sensível e tampouco sem a imaginação ocorrem suposições”. A literatura é parte fundamental na formação cultural de uma nação, e quanto mais literato é o povo, mais próspera será a sociedade; quanto maior for a comunidade de leitores, maior será a capacidade de discernimento dos indivíduos; e quanto maior for a capacidade de discernimento dos indivíduos, maior será a organização do coletivo. Tal experiência de participação, insisto, é civilizatória.

Há ainda algo importante a dizer sobre os chamados clássicos. Sim, porque há uma diferença entre estes e as obras, digamos, contemporâneas. Um clássico, na acepção de T. S. Eliot em seu ensaio O que é um clássico, “só pode ocorrer quando uma civilização atingiu a maturidade; quando uma língua e uma literatura atingiram a maturidade; e deve ser a obra de um espírito que atingiu a maturidade. É a importância dessa civilização e dessa língua, bem como a abrangência do espírito do poeta individual, que conferem a universalidade […] Uma literatura que atingiu a maturidade, consequentemente, tem uma história atrás de si: uma história que não é meramente uma crônica, uma acumulação de manuscritos e documentos desta espécie e daquela, mas um progresso ordenado, embora inconsciente, de uma língua para realizar as suas próprias potencialidades dentro das suas próprias limitações”. Ao que me parece, com autores como Machado de Assis e Clarice Lispector atingimos esse patamar. Nossa tradição literária é riquíssima, apesar de subvalorizada pelo espírito ultracrítico da contemporaneidade. Escritores como Lima Barreto, Graciliano Ramos, João Guimarães Rosa, e poetas como Olavo Bilac Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira, são luminares incontestáveis de nossa literatura. Lê-los é uma obrigação intelectual e moral de todo brasileiro.

O escritor italiano Ítalo Calvino diz, em seu volume de ensaios Por que ler os clássicos?, que “os clássicos são aqueles livros dos quais, em geral, se ouve dizer: ‘estou relendo...’ e nunca ‘estou lendo...’”; ou seja, despertam naqueles que tomam contatos com eles a necessidade de relê-los. Não são obras descartáveis; muito pelo contrário, pois “toda releitura de um clássico é uma leitura de descoberta como a primeira”, são fontes inesgotáveis de sabedoria e entretenimento. Os clássicos “são aqueles livros que chegam até nós trazendo consigo as marcas das leituras que precederam a nossa e, atrás de si, os traços que deixaram na cultura ou nas culturas que atravessaram (ou mais simplesmente na linguagem ou nos costumes)”. E arremata Calvino:

A única razão que se pode apresentar é que ler os clássicos é melhor do que não ler os clássicos. E se alguém objetar que não vale a pena tanto esforço, citarei Cioran [...]: “Enquanto era preparada a cicuta, Sócrates estava aprendendo uma ária com a flauta. ‘Para que lhe servirá?’, perguntaram-lhe. ‘Para aprender esta ária antes de morrer’”.

Que possamos compreender o verdadeiro sentido da literatura e estimular aqueles que estão à nossa volta a se abrirem ao poder transformador dos clássicos.

Ps.: Mortimer J. Adler fornece, ao fim de seu Como ler livros, uma lista com 137 autores e suas principais obras como um guia do que há de mais fundamental para se compreender a cultura ocidental. Não é uma lista exaustiva ou definitiva – não há autores brasileiros, como os citados aqui, neste artigo, nem importantes autores africanos como Wole Soyinka e Ahmadou Kourouma, ou asiáticos como Confúcio e Yukio Mishima –, mas é suficiente para nortear aqueles que quiserem se aventurar pelos clássicos.

20 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 20 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • T

    TIAGO VIEIRA LOPES DA SILVA

    ± 0 minutos

    Bloqueie o S.r. no twitter mas os seus artigos são os melhores, não canso de lê-los. Parabéns professor continue firme e forte.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Tatiana de Almeida Branco

    ± 5 dias

    De tirar o fôlego.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Leonardo Hoehne Polato

    ± 12 dias

    Maravilhoso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luis_GonzagaBR

    ± 12 dias

    A falta do hábito de leitura tem sido um fator preponderante do fracasso de nosso modelo de ensino, e parceira inseparável da incultura e da mediocridade que impera em nossa sociedade - incluindo grande parte do mundo acadêmico. A dificuldade de expressar-se, de entender, de interpretar, de ler e escrever, entre tantas outras dificuldades reinantes, além da falta de criatividade e de imaginação (indispensáveis à tolerância) poderia ser vencida com o simples preceito de "Quem não lê, mal ouve, mal fala, mal vê"!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Claudia Aguiar de Siqueira

    ± 12 dias

    Convicta que sou do poder transformador e civilizatório da literatura, da música, da dança, das artes plásticas, enfim, sempre me pego pensando na triste contradição do povo argentino, pátria dos imensos Borges e Cortázar. Ferozes leitores em qualquer oportunidade que se apresente, como se pode observar ao visitar seu país, e, ao mesmo tempo, titulares, há muito, de escolhas catastróficas para o seu rumo como nação próspera. Isso sempre me pareceu um absurdo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Niva Alice de Oliveira Barbosa Guedes

    ± 13 dias

    Excelente artigo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    sandra do rego barros

    ± 14 dias

    Maravilhoso texto! E uma pena que alguns bons escritores brasileiros como por ex o maranhense Josue Montello não tenham mais suas obras publicadas no nosso país.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Adalberto

    ± 14 dias

    Sempre excelente!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    Diego Leite de Oliveira

    ± 14 dias

    Bravo!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Maicon Antonio Paim

    ± 14 dias

    "Como ler livros", do Adler, é o primeiro livro que todos deveriam ler.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nico Gavelick

    ± 14 dias

    Seus textos são preciosos, Professor. Que prazer lê-los.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    jose rodorval ramalho

    ± 14 dias

    Nesse texto de Paulo Cruz, forma e conteúdo, como a Grande Literatura, enriquecem, estimulam, civilizam no sentido mais elevado do termo

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Celito Medeiros

    ± 14 dias

    Muito bom ler Paulo Cruz, cuja opinião de seu Pai poderia também ser: Leia um pouco, para tomar gosto em ler muito. Sou amigo pessoal de outro Paulo, cuja esposa é uma artista plástica e até recentemente tivemos intervenções diretas no FB. Muitos criticaram e até criticam o Coelho, mesmo sem terem lido. Não por mero acaso, mesmo não sendo um literato, é o maior vendedor de livros do Brasil de todos os tempos, somando todos os escritores e, um dos maiores do mundo, água com açúcar, doce ao leitor, mas com alguma filosofia, longe de um arquétipo a ser seguido. Quando eu aprendi a ler, antes de ir para a escola, eu jurei que iria ler todo papel escrito que encontrasse na rua... Não foi tanto!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Larissa Cabral de Menezes Papaiz

    ± 14 dias

    Muito bom

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Isabelle Marques

    ± 14 dias

    Eu não consigo deixar de me surpreender, toda vez que leio um texto do Paulo Cruz, com a cultura dele! Inspirador! Gostaria muito de ter a honra de estudar com pessoas assim.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • U

    Uiliam da Silva Grizafis

    ± 14 dias

    Fantástico, prof. Paulo. O exemplo de Sócrates antes de morrer é fundamental para a importância de ler e enxergar a vida com os olhos de outras pessoas. Abraços!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo Toledo

    ± 14 dias

    Excelente. Temos muito em comum, professor. Apesar de ter lido a famigerada série vaga-lume, tive contato com Paulo Coelho aos 17 anos. Aos 18 anos, o Velho e o Mar de Hemingway me transtornou emocionalmente. A partir dali, apesar de ter sido um aluno rebelde, me envolvi e pacifiquei meu ser e meu espírito com a literatura. Meus melhores amigos hoje são Goethe, Dante, Machado, Pessoa, Chalamov etc.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eduardo Zilli

    ± 14 dias

    Para ler e reler...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Senor Rodriguez

    ± 14 dias

    "A vida é uma viagem experimental, feita involuntariamente. É uma viagem do espírito através da matéria, e como é o espírito que viaja, é nela que se vive. Há por isso almas contemplativas que têm vivido mais intensa, mais extensa, mas tumultuariamente do que outras que têm vivido externas. O resultado é tudo. O que se sentiu foi o que se viveu. Recolhe-se tão cansado de um sonho como de um trabalho visível. Nunca se viveu tanto como quando se pensou muito." [Fernando Pessoa, "O Livro do Desassossego", Novis, p.234/5]

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • K

    Kaique Santos

    ± 14 dias

    Professor, o senhor é uma inspiração pra mim. Tanto pela sua história quanto pela sua intelectualidade. Se puder dar uma lida no que escrevi com base em John McWhorter, que entende o antirracismo como religião, eu vou ganhar o dia! hahaha https://medium.com/@FormigaoKS/o-antirracismo-como-religi%C3%A3o-8ee872c2bb06

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.