Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Talvez essa percepção da desonestidade como um fardo o ajude a pensar que o castigo do corrupto está na própria corrupção que o escravizará até a morte.
Talvez essa percepção da desonestidade como um fardo o ajude a pensar que o castigo do corrupto está na própria corrupção que o escravizará até a morte.| Foto: Bigstock

Quem recebe minha newsletter sabe: tive a ideia para a crônica “Entidade processa Flávio Bolsonaro por chamar Renan Calheiros de ‘vagabundo’” por volta das 5h da manhã, depois de ouvir um mendigo gritar “vagabundo” para alguém. Acordei e fiquei degustando a palavra. Primeiro, a forma: como a boca morde o lábio inferior antes de se abrir num “a” raivoso, recorre ao “g” na garganta e explode num “bum” indignado, seguido por um “do” que é quase o som de um corpo caindo no chão.

Depois, porém, comecei a dar à palavra um significado. E, para minha surpresa, descobri que era difícil. “Vagabundo” é palavra de uso tão rotineiro quanto vago. O Carlitos de Chaplin, por exemplo, é um vagabundo, assim como eram os beatniks e como são a bandidagem, digamos, menos romântica. Pergunto: em que momento a vagabundagem deixa de ter essa conotação de preguiça inofensiva e passa a significar um ato hostil?

Uma coisa leva a outra e, quando percebi, estava me demorando no banho, à procura de uma boa definição para esse tipo específico de vagabundo político a que damos o nome de “corrupto”. O corrupto é alguém que se aproveita do esforço alheio na esperança de garantir para si um futuro de sombra e água fresca. É, portanto, uma pessoa que investe no caminho mais fácil e preguiçoso para alcançar um objetivo de facilidades e preguiça.

E ele faz isso por meio de ardis, artimanhas, blefes, cambalachos, conluios, embustes, falcatruas, farsas, fraudes, golpes, intrigas, logros, manobras, maquinações, maracutaias, mentiras, mutretas, patifarias, perfídias, raposices, subterfúgios, tramoias, trapaças, truques e velhacarias. Ufa. Cansa, né? Imagine, portanto, viver essa vida supostamente fácil que é também uma aposta no erro em troca de dinheiro e das muitas coisas supérfluas que ele é capaz de comprar.

A dúvida que afronta

E, no entanto, ao vermos a imagem de um corrupto que sabemos contumaz, mas que está à solta por aí, talvez até relatando uma comissão parlamentar de inquérito, é como se ele esfregasse em nossa cara a mentira pela qual vive – isto é, a de que a esperteza vale a pena – como se fosse uma verdade.

Essa é a afronta que gera indignação e que leva multidões às ruas. É como se o corrupto me perguntasse cinicamente por que opto por uma vida dura de honestidade e sacrifícios, quando bem poderia vender dois ou três princípios e viver no bem-bom. A corrupção tem esse lado que eu considero surpreendentemente bom: ela faz com que nos sujeitemos, nem que seja em imaginação, à tentação dos prazeres frágeis da vida material – e a rejeitemos.

O lado ruim é que o corrupto, todo paramentado na impunidade, nos deixa com um verdadeiro pulgueiro atrás da orelha. É nessa dúvida quanto às nossas escolhas moral, intelectual e materialmente honestas que reside o grande dano espiritual da corrupção. Os de fé menos sólida nos próprios princípios podem titubear e ceder à inveja. Os outros, à raiva que, até aqui, tem se mostrado ineficaz e contraproducente.

A corrupção como fardo do corrupto

Pense, por exemplo, no seu corrupto de preferência, tenha ele dez ou nove dedos. Você realmente acredita que existe alguma possibilidade de ele se deitar à noite sem temer, nem que seja um pouquinho, que de alguma forma o desmascarem no dia seguinte? E no próximo e no próximo e no próximo? Sem imaginar a vergonha da família e dos amigos, aquela troca de olhares e os sussurros de “aí vem o bandido”? Sem aventar a hipótese, por mais improvável que seja, de passar uma noite na cadeia?

O que diferencia o vagabundo do homem honesto, pois, não é a esperteza de um e a parvalhice do outro. Porque o homem honesto também é esperto e também ambicioso, mas o objeto de sua ambição não tem nada a ver com mansões, carros, conta na Suíça, teúdas & manteúdas e aspones especialistas na arte do puxassaquismo. A ambição do homem honesto é a vida digna e, quem sabe, se tornar depois de morto uma lembrança daquelas que se evoca entre suspiros, aiais e conclusões do tipo “Ah, como ele faz falta!”.

Não quero, com isso, dizer para você abdicar da sua revolta ou da necessidade de ver os corruptos/vagabundos punidos. Cada um na sua, mas com alguma coisa em comum, como já aconselhava uma velha propaganda de cigarro. Mas talvez essa percepção da desonestidade como um fardo o ajude a pensar que o castigo do corrupto está na própria corrupção que o escravizará até a morte.

E que a recompensa para a honestidade está na cotidiana sensação do dever cumprido e em saber que não há nenhum perigo de você ser acordado às 6h da manhã ao som da bateria da Unidos da Polícia Federal.

72 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]