i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Polzonoff

Foto de perfil de Polzonoff
Ver perfil

"Para nós, há apenas o tentar. O resto não é da nossa conta". TS Eliot.

Um texto que vai envelhecer mal: reflexões sobre a bonança que antecede a tempestade

  • 10/09/2020 12:10
Questão Tostines: a bonança antecede a tempestade ou a tempestade é prenúncio da bonança?
Questão Tostines: a bonança antecede a tempestade ou a tempestade é prenúncio da bonança?| Foto: Pixabay

Começo a escrever este texto sabendo que ele não vai envelhecer bem. Ao chegar lá embaixo, no ponto final, é bem possível, até provável, que todas as palavras aqui encadeadas tenham já perdido o seu propósito. Afinal, vivemos tempos velozes, insuportavelmente dinâmicos e tumultuosos. Tanto que uma calmaria como a que testemunho no meu barquinho a deslizar no vazio azul do mar chega a incomodar (ar, ar, ar).

Meu espírito implora por águas tranquilas. Meu intelecto algo deformado pelas redes sociais se incomoda com elas. Quero ondas, preciso de ondas. Vislumbro o horizonte à procura das ondas. Talvez até de um maremotinho, mas só pelo bem da emoção, nunca da destruição. E, assim, vivo (vivemos) num estado permanente de ansiedade, como se este bote salva-vidas já meio murcho estivesse prestes a virar.

Ainda agora, refletindo sobre a aparente calmaria que se abate sobre o noticiário, sem uma declaração daquelas de deixar todos indignados, de despertar palavras que perderam o sentido original, como “inaceitável” ou “inconcebível”, meio que imaginava e meio que lembrava como era a vida antes – antes de ter de me esforçar diariamente para manter a cabeça para fora desse oceano de informações.

O homem comum, mesmo o mais esclarecido e bem-informado, não vivia como hoje, semiafogado em notícias umas mais outras menos relevantes. Então no que pensava o homem depois de ler seu jornal à mesa do café? Será que passava a manhã toda, talvez o dia todo, digerindo a manchete ou a notícia do pé da página que tanto o emocionou? Será que ia ao trabalho pensando no que o Fernando Sabino tinha escrito? Ou tentando

Como este homem, praticamente um neanderthal para o observador contemporâneo, lidava com os escândalos que volta e meia apareciam nas manchetes dos jornais? A quem ele recorria para expressar sua raiva, indignação, revolta? Onde ele expressava aquela sua observação afiada e supostamente cheia de wit, aquele trocadilho ferino, talvez um apelido maldoso, aquela opinião sucinta sem a qual o mundo não é capaz de continuar girando?

Penso no meu pai, que chegava do trabalho, jantava e ia para diante da televisão. Pontualmente às 20 horas começava o telejornal. E só então ele ficava sabendo do que acontecera naquele dia. Morreu Fulano e ele não expressou imediatamente sua tristeza por aquela perda. Até porque não tinha como. Collor confiscou a poupança, todo mundo estava falando disso na fila do banco, então é verdade mesmo – e não havia nada o que ele pudesse dizer a respeito. Seu time do coração perdeu de goleada e ele não pôde dizer ao técnico que era só recuar o Zarolho (meio-campo).

Meu pai ia dormir o sono tranquilo de quem, no dia seguinte, tinha de trabalhar para pôr comida à mesa. Duvido que ele se revirasse na cama só porque um médico deu um abraço numa trans assassina, a Anitta se posicionou quanto à agropecuária ou um escritor qualquer o xingou de nazista.

Sempre houve quem mandasse cartas para os jornais. Mas a carta tinha de ser escrita à mão ou à máquina de escrever. Era preciso ter papel por perto. E envelope. E selos. Era preciso ir até uma agência dos Correios ou entregar para o carteiro. Dois, três dias se passavam até que, com sorte, a carta chegasse ao destinatário, junto com tantas outras palavras de pessoas que não podiam, simplesmente não podiam!, ficar caladas diante da situação xis.

Quando, por fim, a opinião (equivalente hoje a um tuíte lépido e fagueiro) era publicada no jornal, devidamente editada, desbastada de seus palavrões e eventuais erros de ortografia, gramática ou datilografia, a notícia, antes uma onda ameaçadora, já tinha feito o estrago que era para ter feito e quebrado na praia.

E o mundo seguia seu tranquilamente seu curso. Com corruptos corrompendo e sendo corrompidos, com deputados aprovando leis esdrúxulas, com gente matando e morrendo, com incêndio e enchente, com celebridades inventando alguma moda para aparecer. Essas coisas todas que hoje nos levam a sacar o celular, abrir o aplicativo do passarinho e disparar um petardo qualquer contra a realidade.

Hoje o dia está, para mim, tranquilo. Embora há quem possa considerá-lo, veja só!, modorrento. Se até aqui o presidente disse algo “inconcebível”, uma daquelas coisas que gera cem mil tuítes raivosos e outros cem mil de aplauso, fora os memes, as hashtags, as ânsias de vômito, as amizades desfeitas, as frases de efeito, os trocadilhos toscos e os xingamentos, bom, a fala “inaceitável” me escapou. Até porque eu estava aqui ocupado, vivendo.

Mas vou correr agora para publicar este texto e rezar para que você o leia no tempo certo, isto é, antes da mais recente polêmica, digo, onda a tentar afogá-lo nesse mar poluído de ideias descartáveis, de fatos de plástico, de verdades que se dizem biodegradáveis na embalagem, mas que se revelam mentiras nas quais se enroscam as baleias do nosso pensamento, tadinhas.

[Se você gostou deste texto, mas gostou muito mesmo, considere divulgá-lo em suas redes sociais. Agora, se você não gostou, se odiou com toda a força do seu ser, considere também. Obrigado.]

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 12 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Maria Sueli de Almeida

    ± 14 minutos

    Maria Sueli de Almeida: A leitura de sua coluna , melhora meu dia. obrigada

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • D

      Daniel M

      ± 1 horas

      É nessas horas que o bom escritor surpreende, inspira seu leitor mesmo em meio ao constante caos. Tente de novo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • F

        fekrneiro

        ± 1 horas

        Excelente. Adoro sua coluna. Corri para elogiar mesmo antes de ler o desfecho, rs! Afinal, preciso me indignar, já passou das 9:00, vou ler agora a uol ou a Folha e, enquanto leio, apontarei meu lápis da fúria, rs!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • F

          fekrneiro

          ± 1 horas

          Excelente. Adoro sua coluna. Corri para elogiar mesmo antes de ler o desfecho, rs! Afinal, preciso me indignar, já passou das 9:00, vou ler agora a uol ou a Folha e, enquanto leio, apontarei meu lápis da fúria, rs!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • M

            Marcelo Lima

            ± 2 horas

            Parabéns. Perfeita a reflexão.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • E

              Evandro

              ± 3 horas

              Umberto Eco disse que a internet deu voz aos *******. Também a estes. A questão é que a vida virou o momento imediato, menos contemplativa. Não compramos mais um disco com 11 músicas chatas por causa de uma que gostamos. A tolerância é próxima do zero, o discurso vale mais que o sentimento. Mudou pra pior e pra melhor. Mudou como sempre aconteceu com o mundo. Ou você nunca ouviu seu pai contar como faltou carne durante a guerra ou como era a vida “ no tempo” dele?

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • R

                Renata de Paula Xavier Moro

                ± 9 horas

                Dá-se muita importância às redes sociais, e com isso gera-se angústia com o que não importa (opinião alheia) e perde-se o foco no que realmente importa (os fatos).

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • T

                  TCG

                  ± 12 horas

                  Muito bom !

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • T

                    teia matta

                    ± 12 horas

                    Um retrato escrito do que ja fomos... Mais uma vez obrigada !

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • T

                      Thais de Melo Queiroz

                      ± 13 horas

                      Muito boa a crônica. Não se o porquê, mas me lembrei de minhas tentativas de falar sobre o mundo antigo com minha filha de 16. Como explicar a comoção pela morte do Ayrton Senna? Como transmitir a ideia de que o País inteiro assistia as mesmíssimas coisas? E portanto, no final da novela das 8:00h, o Brasil parava? Como traduzir a relevância extrema do Jornal Nacional, do Fantástico naqueles tempos? Como explicar que todo mundo idolatrava o Sílvio Santos? E, principalmente, como explicar que divergências políticas não geravam brigas amargas e selvagens?

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      • F

                        Fernanda

                        ± 19 horas

                        até às 15h, envelheceu bem

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                        • E

                          Enir Maria Palandi

                          ± 20 horas

                          Muito bom!

                          Denunciar abuso

                          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                          Qual é o problema nesse comentário?

                          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                          Confira os Termos de Uso

                          Fim dos comentários.