i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Renan Barbosa

Foto de perfil de Renan Barbosa
Ver perfil

Fato inédito, um procurador regional está na lista tríplice da PGR. Por quê?

  • Renan BarbosaPor Renan Barbosa
  • 19/06/2019 13:18
O procurador regional Blal Dalloul, que está na lista tríplice para PGR
Entre os 10 nomes que concorriam, os seis subprocuradores-gerais tiveram 1.231 votos; os quatro procuradores regionais, 1.315 votos.| Foto: Divulgação/ANPR

Pela primeira vez desde que a lista tríplice foi criada, em 2001, um procurador regional da República está entre os três nomes mais votados pelos colegas do Ministério Público Federal (MPF). É Blal Yasine Dalloul, procurador da República há 23 anos que, antes disso, havia sido servidor do MPF por 11 anos.

Blal é procurador regional desde 2010, mas não está entre os 72 subprocuradores-gerais da República, topo da carreira, que atuam nos tribunais superiores, em Brasília, e têm exclusividade, por lei, para ocupar uma série de cargos na Procuradoria-Geral da República (PGR) e nas instâncias administrativas do MPF.

Há uma série de razões que explicam por que isso ocorreu agora. A carreira do MPF cresceu muito nos últimos anos, e as bases se sentem desprestigiadas. Muitos trabalham em locais isolados do Brasil, não veem possibilidade de mudança rápida no trabalho, e se sentem preteridos nas funções administrativas no MPF.

Com a gestão de Raquel Dodge, acusada de falta de diálogo até pelos colegas de Brasília, as pressões da base cresceram – e não ajudou nada a atual PGR ter atuado para enterrar o projeto de regulamentação do teletrabalho dos procuradores.

Ao mesmo tempo, as forças-tarefa da Operação Lava Jato mostraram o arrojo de muitos procuradores da base. Por muito tempo, o nome de Deltan Dallagnol era aventado como possibilidade de figurar na lista, se concorresse.

Na liberdade das redes sociais, impulsionada pelo momento pós-Lava Jato, procuradores viraram ícones e comentadores da vida política nacional. Conservador, Ailton Benedito também despontou, mas nunca quis concorrer.

Não por acaso, no início deste ano se instalou a polêmica: parte da cúpula do MPF passou a defender publicamente que apenas subprocuradores-gerais da República poderiam ser indicados para PGR [entenda melhor aqui].

O recado desceu quadrado. Entre os 10 nomes que concorriam, os seis subprocuradores-gerais tiveram 1.231 votos; os quatro procuradores regionais, 1.315 votos. Na eleição, cada membro do MPF pode votar em até três nomes.

A mudança política também favoreceu o resultado – o recorde de inscritos na eleição mostra isso. Lideranças tradicionais no MPF, abertamente ligadas a pautas de esquerda, tiveram de recuar e desistir – por enquanto – do projeto de tentar ser PGR.

Foram para a toca nomes como Nicolao Dino, que liderou a lista de 2017, e Deborah Duprat, atual procuradora federal dos direitos do cidadão, indicada por Dodge.

Pesam, no entanto, pontos da figura de Blal. Muito próximo do ex-PGR Rodrigo Janot e de seu grupo, visto como alguém que vai defender a carreira do MPF, que se sente desprestigiada por questões de remuneração alguns diriam "corporativista" , Blal é ainda lembrado pelo trabalho que fez como chefe da Procuradoria do Mato Grosso do Sul.

Simpático, dava jantares em casa, falava com todos, desde funcionários terceirizados até colegas, a quem sempre encontrava tempo para uma reunião e buscar no aeroporto e conseguia verbas em Brasília. Atualmente, Blal exerce um ofício criminal no Rio de Janeiro.

Já estiveram entre os indicados na lista tríplice, todos subprocuradores-gerais:

  • Cláudio Fonteles (duas vezes, e PGR entre 2003 e 2005)
  • Antonio Fernando Barros e Silva de Souza (quatro vezes, e PGR entre 2005 e 2009)
  • Ela Wiecko de Castilho (seis vezes, nunca foi PGR)
  • Wagner Gonçalves (três vezes, nunca foi PGR)
  • Roberto Gurgel (três vezes, e PGR entre 2009 e 2013)
  • Rodrigo Janot (três vezes, e PGR entre 2013 e 2017)
  • Deborah Duprat (uma vez, nunca foi PGR)
  • Raquel Dodge (duas vezes, e atual PGR no mandato 2017-2019)
  • Mário Bonsaglia (três vezes, contando a atual lista tríplice).
2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • F

    Freitas

    ± 0 minutos

    É um procurador ou um "bom camarada" corporativista? Um bom nome para ser presidente dos diversos clubes mantidos por essa nobreza.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    HERMES CARLOS BOLLMANN

    ± 7 dias

    Com certeza o PRESIDENTE VAI SABER ESCOLHER ALGUEM QUE TRABALHE AFINADO COM O MINISTRO DA JUSTIÇA< QUE CONTINUE A"" LIMPEZA ÉTICA DO PAIS" QUE DE FORÇA TOTAL AOS SEUS PROCURADORES QUE QUEREM PASSAR ESSE PAIS A LIMPO,. Para Nunca mais uma BANDIDAGEM QUE SE INSTALOU NO PAIS, sob o Guarda CHUVA DO PT/PSOL:

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.