Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Paulo Guedes
A equipe de Paulo Guedes apresentou um “remendo tributário”, diz Ricardo Amorim.| Foto: Isac Nobrega/PR

Por diversas vezes, elogiei propostas de Paulo Guedes e sua equipe. Não é o caso hoje. A proposta de reforma tributária do governo é uma decepção. Para ser franco, o que o governo propôs até agora merece, na melhor das hipóteses, ser chamado de remendo, não de reforma. Por medo de não conseguir aprovar uma verdadeira reforma no Congresso - como as PECs que já estão na Câmara e no Senado há tempos - o governo preferiu fatiar a reforma. Ainda que longe do ideal, até se poderia aceitar esta estratégia, se ela começasse pelo essencial. Não é o que aconteceu.

A proposta de unificar PIS e Cofins, criando a Contribuição Sobre Bens e Serviços (CBS) com uma alíquota de 12% é péssima. Para começar, ela elevaria absurdamente os impostos para o setor de serviços e comércio - os mais negativamente impactados pela pandemia - incluindo hotéis, restaurantes, transporte aéreo e educação.

Todas as empresas que trabalham em regime de lucro presumido passariam a pagar uma alíquota de 12% de seu faturamento com a CBS. Hoje, pagam um total de 3,65% de PIS + Cofins.

A reforma deveria simplificar nosso manicômio tributário, mantendo a carga constante. A proposta apresentada pouco simplifica o sistema e mais do que triplica a carga tributária para setores já em dificuldades. Mantida como está, resultará em um grande aumento de falências e de desemprego.

Para realmente simplificar nosso sistema tributário, ICMS e ISS não poderiam ficar de fora da reforma.

Além de ineficiente, a proposta de reforma tributária é injusta. Enquanto a grande maioria das organizações pagaria 12% de CBS, instituições financeiras pagariam 5,8%, partidos políticos, sindicatos, igrejas e outros pagariam absolutamente nada. Se a ideia é unificar a alíquota, não deveríamos ter uma alíquota menor, mas que realmente todos pagassem?

Talvez ainda mais grave, ao invés de reduzir a injustiça de que os mais pobres pagam proporcionalmente mais impostos no país, a proposta enviada ao Congresso piora o problema.

Ao elevar os impostos e preços de serviços, a proposta aumentará o total de impostos sobre consumo, impactando mais significativamente o orçamento dos mais pobres, que gastam toda a sua renda com consumo, do que o dos mais ricos, que conseguem separar uma parte da renda para poupança.

Para piorar, mais para frente, o governo pretende criar uma nova versão da CPMF.

Como disse antes, esta equipe econômica tem trazido uma série de propostas importantes para acelerar o crescimento e tornar o país mais justo. Esta proposta de reforma tributária não está entre elas. Como sociedade, o melhor que podemos fazer é abortar essa proposta de reforma tributária, focarmos a agenda econômica na reforma administrativa e no programa de privatizações - que são excelentes - e daqui a algum tempo, retomarmos a discussão de uma reforma tributária digna do nome, como, por exemplo, o projeto de Bernard Appy que já está no Congresso.

29 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]