i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Ricardo Amorim

Foto de perfil de Ricardo Amorim
Ver perfil

Sem uma boa Reforma da Previdência, todas as boas perspectivas para a economia brasileira vão por água abaixo

  • PorRicardo Amorim
  • 06/12/2018 11:18


Primeiro foi o filho nos Estados Unidos dizendo que não tinha certeza se vai dar para passar a reforma da Previdência. Depois vem o Onyx Lorenzoni falando que o governo não tem pressa nessa aprovação. Agora o próprio Jair Bolsonaro diz que vai fatiar o processo de aprovação da reforma da Previdência. Estou começando a ficar com a impressão de que o governo Bolsonaro não tem a real dimensão da importância da aprovação rápida e de uma reforma significativa da Previdência. Vale a pena explicar isso um pouco melhor. Foram formados três grandes desequilíbrios macroeconômicos ao longo do governo Dilma que jogaram o Brasil na maior crise econômica de sua história: inflação descontrolada, déficit da balança comercial de produtos manufaturados e contas públicas desequilibradas. O governo Temer resolveu os dois primeiros problemas, mas as contas públicas, não. O governo gasta muito mais do que arrecada, e financia essa diferença se endividando cada vez mais. Uma dívida que não para de crescer se torna impagável, sem contar os juros cada vez maiores. Precisamos mudar essa dinâmica e só há uma forma de fazer isso: reduzindo brutalmente os gastos do governo. É aí que entra a reforma da Previdência, que é o maior gasto disparado do governo. Se não fizermos uma reforma que mude a trajetória desse buraco, o Brasil vai se tornar ingovernável, porque não sobrará dinheiro para nada. Caso o governo não avance nessa e em outras reformas, todas as perspectivas positivas para o país vão por água abaixo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.