i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Roberto Indech

Foto de perfil de Roberto Indech
Ver perfil
Vozes

O que esperar para o mercado pós eleições dos EUA

  • Roberto IndechPor Roberto Indech
  • 09/11/2020 19:28
Telão exibe resultado das eleições na Times Square em Nova York.
Telão exibe resultado das eleições na Times Square em Nova York.| Foto: AFP

Passadas as eleições para presidente nos Estados Unidos - o que de certa forma diminui as incertezas no mercado no curto cruzo, mesmo diante da insistência de Donald Trump em sugerir que irá entrar na Justiça contra o resultado divulgado até aqui - ficam dúvidas sobre o que podemos esperar daqui para frente. Ainda no pleito norte-americano, há a perspectiva de recontagem dos votos e a decisão por uma eventual maioria no Senado, que a princípio seria Republicano, em função das expectativas apuradas pelas urnas.

Sem dúvida este foi o fato que trouxe ânimo às bolsas como um todo na semana que passou. Vimos fortes altas, não apenas no Ibovespa, mas também em praticamente todos os mercados do mundo, trazendo, inclusive, os principais índices dos EUA, como Dow Jones e S&P500, para o maior patamar da história nesta segunda-feira (9).

E por falar em início de semana, algumas notícias positivas sobre vacinas para a Covid-19 trouxeram forte otimismo. Pfizer e BioNTech anunciaram que a vacina experimental que desenvolvem de forma conjunta se mostrou 90% eficaz na prevenção do coronavírus, de acordo com dados preliminares da terceira fase dos estudos clínicos. Além desta, outras fabricantes sugerem que estão no mesmo caminho devido à forma do tratamento.

Ademais, outras agendas continuam no centro das atenções dos investidores, como o aumento de casos de contaminações pelo vírus na Europa e nos EUA. Neste último caso, vale ficar atento se o comitê de transição implementado pelo presidente eleitos Joe Biden irá sugerir algum tipo de lockdown, como definido em diversos países do velho continente neste momento. Este é um tema que ainda preocupa mesmo com o comunicado de hoje de gigantes da indústria farmacêutica.

Outro ponto que vale acompanhar é o prazo de produção visando a escala global e o prazo de efetividade dessas vacinas.

Seguindo no exterior, já começa uma grande expectativa pelos nomes que sairão para “dirigir” a equipe da maior economia do mundo, além dos projetos que poderão vir nesse novo mandato que se inicia em 20 de janeiro. Ou seja, serão três meses de transição que deverão andar em paralelo com Trump no poder.

Atenção interna

Se olharmos especificamente para o Brasil, é bem possível que tenhamos uma agenda intensa nesta reta final de ano e no início de 2021. Isso porque no domingo (15) teremos o primeiro turno das eleições municipais. É bem verdade que seu resultado não deve impactar nos mercados, a não ser que tenhamos alguma grande novidade que seja relevante. O fato de elas trazerem alguma consequência é por termos mais uma semana vazia no Congresso, em um momento que o país tanto demanda assuntos importantes como saúde, recuperação econômica e política fiscal.

Nesse espectro há perspectivas de que possamos ver a continuidade da agenda de reformas, em especial a administrativa e a tributária, corroborando, inclusive, declarações recentes do presidente da Câmara Rodrigo Maia. Estes temas poderão dar um norte para a relação do câmbio no curto prazo.

Por fim, vale acompanhar também a dinâmica da inflação medida pelo IPCA, que passa por um choque temporário de alta, segundo o Comitê de Política Monetária que ainda terá mais uma decisão sobre o caminho da Selic em 2020. A expectativa é de que termine o ano em 2% ao ano, menor patamar da história.

Enfim, fica claro que teremos muitos desafios pela frente nos próximos meses, seja no Brasil, seja no exterior, fora os eventos inesperados que poderão surgir e que acabam afetando o dia a dia dos mercados. Por essa razão, sempre sugiro focar na busca de oportunidades e nos resultados das empresas para quem investe diretamente em ações visando médio e longo prazos.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • E

    Edson Jose Rebello

    ± 6 horas

    Muito meia-boca essa analise.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso