i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Roger Pereira

Foto de perfil de Roger Pereira
Ver perfil

A política do Paraná em primeiro plano

Modelo gaúcho

Contra outorga por pedágios do Paraná, CNI sugere depósito de caução como garantia

  • 23/02/2021 18:59
Pedágio na BR-277, no litoral do Paraná: novo sistema pode baratear valor do pedágio em novas concessões.
Pedágio na BR-277, no litoral do Paraná| Foto: Jonathan Campos/Arquivo Gazeta do Povo

Na véspera da audiência pública promovida pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para a discussão do modelo de concessões rodoviárias no Paraná, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) debateu o tema nesta terça-feira (23) e foi mais uma entidade a se posicionar contra o modelo híbrido proposto pelo Ministério da Infraestrutura, em que o desconto na tarifa é limitado e o leilão definido pelo maior valor de outorga ofertado. Para a CNI, o modelo restringe a competitividade do leilão a grandes grupos estrangeiros e prejudica o setor produtivo paranaense que terá que arcar com custos mais elevados do transporte por causa da tarifa do pedágio. A CNI decidiu convidar o ministro Tarcísio Freitas para debater o modelo em sua próxima reunião.

Vice-presidente da CNI, o ex-presidente da Federação das Indústrias do Paraná Edson Campagnolo foi quem pautou o tema dentro da Confederação. “Foi acatada, por unanimidade, a preocupação do setor produtivo do Paraná com esse modelo de concessão. Todos concordaram que a concessão onerosa é prejudicial para a economia brasileira, para a competitividade da indústria brasileira. A questão da infraestrutura logística interfere diretamente no ‘custo Brasil’. Concessões precisam ser feitas pelo modelo do menor preço”, disse.

O empresário também apontou a preocupação da CNI com a pouca concorrência que o modelo com outorga e dividido em seis grandes lotes pode gerar no leilão. “Está praticamente se restringindo a disputa aos grandes grupos internacionais. Inviabilizando a participação de empresas brasileiras e a formação de consórcios. Tivemos, recentemente, uma licitação por outorga no saneamento de Maceió. Foi vencida por um grupo estrangeiro que ofertou R$ 2 bilhões. O grupo brasileiro que foi segundo colocado, ofertou R$ 100 milhões. Não tem como se concorrer com quem tem capital para investimentos deste porte, mas será o usuário de Maceió que pagará a mais pelo serviço para compensar essa outorga”, comentou.

Indústria sugere modelo gaúcho, com caução como garantia dos investimentos

Um modelo pelo menor preço, que proporcione competição entre os participantes (e, por isso, sem outorga) e com as garantias contratuais para a execução dos investimentos previstos (são R$ 42 bilhões nos seis lotes de rodovias paranaenses) é o cenário ideal para a CNI. “É possível garantir tudo em contratos bem amarrados, ou mesmo o modelo de caução, que foi usado no Rio Grande do Sul, em que as empresas precisam depositar um valor como garantia, mas este valor é integralmente convertido nas obras previstas no contrato. É uma das boas garantias de segurança financeira que os contratos podem prever”, avalia Campagnolo. “Mas como quer o governo federal, com outorga convertida para o Tesouro Nacional, o usuário pagará duas vezes: pela outorga, com descontos limitados na tarifa, e pelas obras, no futuro, com o degrau tarifário (autorização para reajuste de até 40% após conclusão do cronograma de obras”.

No final de 2020, o governo do Rio Grande do Sul leiloou, na Bolsa de Valores de São Paulo, como defende o governo do Paraná, a concessão da rodovia RSC-287. Pelo modelo de menor preço com caução, houve deságio de 54,4% em relação à tarifa máxima proposta, com o pedágio que era de R$ 7,00 sendo reduzido para R$ 3,36.

Além de o usuário pagar duas vezes, o empresário diz que o modelo também permite ao governo arrecadar duas vezes. “Não é justo que o governo federal terceirize uma coisa que era obrigação dele, arrecade a outorga, e arrecade, ainda, em imposto com a alta carga tributária, que representa mais de um terço do que será arrecadado. Não vai investir nada, tira dinheiro de outorga e ainda arrecada com tributo. Se o interesse fosse competitividade e benefício ao usuário o governo poderia reduzia a carga tributária”, critica.

Apesar de o modelo estar definido pelo governo federal, depois de quase dois anos de trabalhos, com apoio e consentimento do governo do Paraná, o vice-presidente da CNI acredita ainda haver espaço para a revisão da proposta, a partir das audiências públicas. “Se existir bom senso e interesse em dar competitividade para a economia brasileira, eles deveriam rever o modelo, fazer um novo estudo e fazer algo de interesse do paranaense e do setor produtivo brasileiro. O período eleitoral, daqui a dois anos, vai gerar desgaste, os deputados federais já estão revendo sua posição, e, daí o governo federal e o próprio governo do Paraná terão que dar uma resposta”, comenta. “Recusamos, no passado, uma renovação dos atuais contratos, mesmo com uma proposta de redução da tarifa em 60%. Agora estamos aceitando um novo modelo em que o desconto não chega a esse patamar e ainda tem outorga?”, conclui Campagnolo.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • B

    Bento Ferraz Pacheco Pegoraro

    ± 0 minutos

    Ótima reportagem. Parabéns a CNI, único Órgão que se movimentou e desmascara o modelo de Outorga proposto pelo Governo Federal. O Governador Ratinho Júnior tem que fazer alguma coisa... não é possível ficar "em cima do muro" com essa proposta ridícula e absurda do Ministro Tarcísio.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Marcelo

      ± 6 horas

      infelizmente aqui no litoral paranaense, não houve se quer audiência pública, para debater com a sociedade os valores dos pedágios , ´pois o valor final vai se concentrar numa cadeia produtiva, e vai refletir aqui, com o preço dos fretes até Paranaguá. A nossa região, não tem força política nem para fazer esta audiência aqui no Porto de Paranaguá. É lamentavel como o ESTADO DO PARANÁ, olham nossa região com desdenho .

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • S

        Sr. Walker

        ± 7 horas

        Meio tarde mas parece que as instituições paranaenses resolveram falar alguma coisa sobre o processo dos novos contratos de pedágio no estado. Contratos criminosos aliás. Todo mundo se acovardando. Coisa feia. Será que é o complexo de Quinta Comarca do Estado de São Paulo?

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • Z

          Zequinha

          ± 18 horas

          O rato não vai fazer nada??

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          2 Respostas
          • M

            Marcelo

            ± 6 horas

            o RATO vai ser igual a Jaime Lenner, vai vender as rodovias paranaenses para as grandes corporações ,´é este pedágio vai ficar tão amarrado os contratos, que infelizmente, nem na justiça será derrubado. Igual o que acontece hoje. ACORDA PARANAENSES!!!!!!!!!!!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

          • A

            AMER SAID ZAHOUI

            ± 17 horas

            O Rato se vendeu.!! Não dá pra fazer mais nada!!! Já fizeram a opção pela outorga nas costas do povo paranaense!! Governador traidor.!!!!

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.