i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Rolmops e Catchup

Ver perfil

Matando a saudade

  • PorFrancisco Camargo
  • 31/05/2016 21:27
Matando a saudade
| Foto:

Infelizmente, e bota infelizmente nisso, a Revista de História da Biblioteca Nacional não emplacou 2016, na versão papel. Desse modo, professor Afronsius, fã incondicional da publicação, decidiu matar a saudade remexendo, entre a papelada, a sua coleção da RHBN.

E reencontrou na seção Almanaque (edição de março de 2010) a bronca do filme Rio, 40 Graus, o primeiro longa-metragem de Nelson Pereira dos Santos, rodado  em 1955.

Proibido para qualquer idade

Em agosto daquele ano, a censura liberou o filme. Para maiores de 10 anos. Um mês depois, o chefe de polícia, coronel Geraldo de Menezes Cortes, interveio, proibindo a exibição do filme em todo o território nacional. Ao justificar o ato, alegou que os termômetros nunca marcaram 40 graus no Rio de Janeiro, ou seja, a temperatura nunca chegou a 40 graus, e, assim, o filme tinha como objetivo “a desagregação do país”. Isso mesmo, já que, segundo ele, o tal coronel, o filme só apresentava “os aspectos negativos da capital brasileira”. Mais: foi produzido com tal esmero “que serve aos interesses políticos do extinto PCB – Partido Comunista Brasileiro”.

A imprensa (no caso o Correio da Manhã e a Última Hora) revelou que o coronel simplesmente não tinha visto o filme. A proibição viera de uma denúncia anônima. O PCB, embora banido desde 1948, estaria por trás da produção do filme.

A cena proibida

Assinado pelo pesquisador Alexandre Octávio R. Carvalho, o artigo vai além:

– A justificativa do diretor de Censura, Lafaiette Stocker, endossando a decisão do coronel, era ainda mais pífia. Ele argumentava que uma cena poderia “desagradar a uma nação amiga”, referindo-se à participação de duas personagens representando turistas americanos.

Ainda do texto do pesquisador, na RHBN:

– Passado em um domingo de verão, o filme traz como personagens principais cinco meninos negros que vivem no Morro do Cabuçu, na Zona Norte, e vendem amendoim em pontos turísticos da cidade, como o Corcovado, o Pão de Açúcar e Copacabana. Os atores mirins foram escolhidos no próprio morro. A mistura de ficção e realidade trouxe às telas os contrastes sociais que incomodavam muitos setores da classe média, cuja cultura rejeitava a pobreza como tema de cinema.

E o professor Afronsius voltou a indagar, anos e anos depois:

– Algo de novo no front?

ENQUANTO ISSO…

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.