PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mercado
  3. Bigdata do campo: precisa-se de tradutores
agricultura de precisão

Bigdata do campo: precisa-se de tradutores

Para coordenador de Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão, que acontece nesta semana em Curitiba, o país está apenas “começando a desbravar o mundo de coleta de dados das lavouras”

Divulgação  | Divulgação
  • Marcos Tosi

De olho no mercado bilionário da agricultura de precisão, startups, multinacionais, universidades e centros de pesquisa estão numa corrida de bits e bytes atrás de soluções que ajudem o agricultor a entender e aprimorar a produtividade de suas lavouras.

Mas essa é apenas a primeira etapa do “sprint” tecnológico envolvendo drones, satélites e sensores instalados em tratores e colheitadeiras. A segunda parte do desafio, segundo o professor José Paulo Molin, coordenador do Congresso Nacional de Agricultura de Precisão (que acontece de 02 a 04/09, em Curitiba), envolve a formação de pessoas capazes de traduzir a “big data” do agro.

“Temos uma Fatec, em São Paulo, que vai formar no ano que vem a primeira turma de tecnólogo em BigData na agricultura. Se já tiveram coragem de criar uma profissão, subentende-se que estamos muito próximos de ter esses dados de big data. Em seguida, vamos precisar de gente que saiba utilizar ferramentas e fazer a análise desses dados, para tirar informações úteis para o agricultor”, diz Molin.

Confira a entrevista com o coordenador do congresso.

Divulgação

Professor José Paulo Molin

Analytics, Machine Learning, Data Mining, Deep Learning. Esses conceitos estão todos, de alguma forma, ligados às últimas tendências da agricultura de precisão. Mas o elemento humano na outra ponta, ou seja, os produtores, técnicos e agrônomos, estão conseguindo acompanhar a velocidade das transformações?

Esses termos que você mencionou são novos não só para a agricultura. Para a agricultura de precisão eles são novíssimos, mas também são muito recentes para todos os outros segmentos da economia. A técnica é um pouco mais antiga, mas agora essas subdivisões e abordagens estão sendo propostas para aplicações na agricultura. Um pouco pela academia, um pouco pelas startups, sim, elas estão chegando. Mas, na minha opinião, o agricultor pouco vai precisar saber sobre isso. Ele precisa de soluções, e esses são caminhos para chegar às soluções.

O que se espera, e que, aliás, é a temática do próprio congresso, é construir os dados para uma agricultura na era digital. Não adianta ter ferramenta de análise de dados se não temos esses dados. E o agricultor hoje não tem dados, ou tem muito pouco. Não adianta passar maquiagem. Estamos começando a desbravar esse mundo de coletar dados das lavouras. Das máquinas já temos um pouco, mas da lavoura não temos nada. Então estamos começando a garimpar meios de coletar dados, para depois podermos analisá-los. Estamos falando de dados que viabilizem a gestão da lavoura ao nível de talhão.

Qual é a essência da agricultura de precisão?

Agricultura de precisão é gerenciar as lavouras considerando que elas não são uniformes. O resto vem como anexo, claro, e são todos bem-vindos. Mas essa é a essência de uma agricultura com mais precisão. Tratar as diferenças de forma distinta. Isso é uma coisa que surge na virada do milênio, até então o mundo inteiro tratava todas as lavouras de forma igual. A universidade ensina a tratar a lavoura de forma uniforme, o consultor ensina a tratar a lavoura de forma uniforme. Mas a agricutlura de precisão vem dizer: dá para fazer ima coisa muito boa, dá para otimizar as lavouras, os insumos e a lucratividade, a partir das diferenças. Agora, não dá para dizer que os agricultores já têm dados para fazer isso. Ainda temos muito pouco. Estamos começando a adquirir esses dados de lavoura que ajudam a otimizá-la. Hoje essas informações são coletadas pelas máquinas, principalmente a colheitadeira, o pulverizador, o drone e o satélite. Mas nós precisamos de muito mais.

No caso das máquinas, numa usina de cana-de-açúcar, por exemplo, que trabalha 24 horas por dia, são coletados inúmeros dados por meio de sensores. Hoje já é possível levá-los para a nuvem, ou para um servidor, e aí então sim ter um sistema analisando esses dados e monitorando o comportamento da máquina. Opa, ela saiu do normal? Alguma coisa está para acontecer. Então vou lá e faço interferência na máquina, salvo a máquina e salvo o tempo que ela ia ficar parada. Esse tipo de benefício já está tangível, já é ofertado para o agricultor. São informações que precisam estar organizadas. O lado máquina está um pouco mais adiantado, mas a lavoura ainda não tem isso.

O que precisa acontecer para acertar o passo, para diminuir essa diferença?

A máquina está mais adiantada porque ela já tem eletrônica embarcada. Colheitadeira, trator, pulverizador, todos têm eletrônica muito parecida com a do automóvel e do caminhão, que gera dados, coleta e transmite. Mas a mesma máquina ainda tem um monte de outros gargalos. Vamos falar do gargalo mais simples, que também está na pauta, que é a conectividade. A máquina tá lá no campo coletando dados, mas não consegue enviar para a nuvem e para o servidor, porque não tem comunicação no campo, isso não existe hoje. Vamos resolver para os próximos anos, mas hoje ainda não temos solução.

Divulgação

Se pegar uma propriedade de médio-grande porte, existe um cara que cuida da máquina. Ele cuida da frota e tem um padrão tecnológico disponível para ficar monitorando as máquinas. Agora, o cara que cuida da lavoura não tem a oferta das mesmas soluções. Ele ainda está em outro mundo, aguardando soluções tecnológicas para coletar bons dados da lavoura, para poder tornar decisões mais inteligentes. Esse é o lado que a gente considera mais demandante, algo que torne prática a geração de bons dados. São dados obtidos por drones, satélites e sensores embarcados na máquina, para que a pessoa que cuida da lavoura entenda a variabilidade dessa lavoura. Isso é a essência da agricultura de precisão. estamos no caminho, mas com poucas soluções disponíveis, prontas e funcionais. Há muito espaço para desenvolvimento, investimento e para tecnologias vindas de fora para a agricultura.

Os benefícios econômicos da agricultura de precisão parecem ser bastante conhecidos, como o aumento de produtividade, distribuição precisa de sementes, adubação e fertilização na medida da necessidade das plantas e do solo.

O que dizer dos benefícios ambientais?

A abordagem que deu nome à agricultura de precisão é a que diz que aqui a lavoura é diefente de lá, dentro do mesmo talhão, numa distância de 50 ou 200 metros. Então, se aqui é diferente de lá, eu não posso tratar igual. Aqui vou tratar de uma forma e lá de outra. Essse é o argumento mais ambiental que eu conheço para esse momento histórico da agricultura, ou seja, colocar a quantidade certa no lugar certo. Deixar de jogar fora não porque é dinheiro que vai fora, mas porque é contaminante que vai para o lago ou o lençol freático. É essa a questão do benefício ambiental da agricultura de precisão. E estamos falando de fertilizantes e de agroquímicos, que são dois grandes geradores de desequilibrio.

O que dizer sobre o desafio da conectividade? Alguns fabricantes gigantes como Johnn Deere e Agco estão entrando nessa área.

Sim, mas não serão essas empresas de maquinas que vão solucionar a conectividade. Serão as empresas de telecomunicações, não as de hoje, mas as que estão surgindo por aí. É um assunto de telecomunicação, não é assunto de máquina. As empresas de máquinas querem a conectividade porque elas já têm tecnologia embarcada que precisa andar pelo wireless para chegar à nuvem.

Um dos painéis do congresso se chama “BigData Agro – Como lidar com isso?” Pode falar a respeito?

Nós colocamos esse tema aí porque já tem uma escola técnica aqui em São Paulo, uma Fatec, que vai formar no final desse ano a primeira turma de tecnólogo em bigdata na agricultura. Eles tiveram coragem de criar uma profissão. Subentende-se, e eu os conheço muito bem, que estamos chegando próximos de ter dados. Então, se temos dados, precisamos ter gente que saiba tirar informação desses dados. Essa é a tendência dos próximos anos. Vamos ter gente que desenvolve ferramentas e gente que saiba usar as ferramenta para análise de grandes conjuntos de dados, tirando desses dados informações úteis para o agricultor.

Hoje já temos algumas iniciativas de grandes empresas, que já devem ter lá no seu quartel-general alguma coisa relacionada a soluções de bigdata. Mas isso ainda não chegou ao agricultor. E daqui a alguns dias vamos ter isso muito provavelmente rodando no nível de cooperativa, por exemplo. Aliás, a fundação ABC, de Castro, já está desenvolvendo uma plataforma para fazer esse tipo de abordagem para seus associados. Essa é a expectativa que a gente tem, que isso chegue ao nível do usuário final. Ou seja, ele coleta bastante dados e precisa que isso vire informação para uma lavoura mais bem feita, mais otimizada – esse é o nosso sonho de consumo.

SERVIÇO
Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão: “Construção de Dados na Era da Digitalização Agrícola”
De 02 a 04 de setembro de 2018
Expo Unimed - Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300 - Curitiba (PR)
Inscrições a partir de R$ 350,00
Outras informações: http://conbap2018.asbraap.org/index.php

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

8 RECOMENDAÇÕES PARA VOCÊ

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA