PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mercado
  3. País modelo, Chile quer liderar mercado de fruta que virou febre mundial
Aposta certeira

País modelo, Chile quer liderar mercado de fruta que virou febre mundial

Chilenos ocupam a terceira posição no ranking mundial de produção de mirtilos, mas já são líderes no quesito exportação

Pixabay/Creative Commons A produção mundial de mirtilos no último ano foi de 1,7 milhões de toneladas, o que corresponde a 2,5 vezes o volume colhido em 2000. | Pixabay/Creative Commons

A produção mundial de mirtilos no último ano foi de 1,7 milhões de toneladas, o que corresponde a 2,5 vezes o volume colhido em 2000.

  • The Washington Post

Hipsters e ‘maníacos por saúde’ em todo o mundo querem mais abacates para suas torradas, e mirtilos, também conhecidos como blueberries, para tudo o que se possa imaginar. Para alegria dos chilenos, considerados referência na América do Sul em desenvolvimento humano, e que, apesar das limitações de território, miram agora na liderança agrícola.

Com sede em Santiago, capital chilena, a companhia Hortifrut acelerou a busca por parceiros e os planos de expansão, para turbinar a produção e correr atrás de ainda mais clientes. Agora, está perto de fechar um acordo, anunciado em outubro, para pagar US$ 160 milhões pelo grupo peruano Rocio, maior produtor de mirtilos daquele país.

Somando com os projetos de expansão no México, Estados Unidos e China, a estratégia irá mais do que dobrar a produção das chamadas berries (as “frutas vermelhas” que incluem morango, cereja e mirtilo), alcançando mais de 100 mil toneladas já na atual colheita. E, segundo o diretor da empresa, Victor Moller, o avanço está longe de perder força.

“As pessoas riem de mim porque eu acho que a companhia ainda está na infância”, afirma a respeito da empresa de 38 anos que entrou no mercado de ações em 2012. “Mas é um bebê com um potencial de crescimento enorme.”

Até agora, os investidores estão mais do que satisfeitos, considerando que a Hortifrut cresceu mais de 500% desde então, enquanto a Bolsa de Santiago, no geral, progrediu 29% no mesmo período. A receita mais que dobrou, batendo em US$ 367 milhões, embora em 2017 a companhia tenha crescido “apenas” 9%, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Os mirtilos se tornaram algo que os consumidores querem 24 horas por dia, sete dias por semana, afirma Roland Fumasil, analista sênior de frutas e vegetais no Rabobank em Fresno, na Califórnia, que abriga o imponente polo frutícola do Vale Central.

A produção mundial de mirtilos no último ano foi de 1,7 milhão de toneladas, o que corresponde a 2,5 vezes o volume colhido em 2000, de acordo com a consultoria fresh4cast.com. Nos próximos dois anos, a colheita deve chegar a 2 milhões de toneladas. Os Estados Unidos são os maiores produtores, seguidos por Canadá e Chile, que, do ponto de vista das exportações, já é o líder mundial.

“Quando se fala em demanda, ela é inflexível”, diz Fumasil. “As pessoas simplesmente querem seus mirtilos.”

E os chineses estão dispostos a pagar.

Em janeiro e fevereiro, pico da colheita no Chile, os mirtilos exportados para o porto de Jiangnan, na China, foram vendidos a uma média de US$ 10,04 o quilo, conforme a consultoria iQonsulting. Na costa Leste norte-americana, o preço girava em torno de US$ 6,40/kg.

Com tanta demanda assim, a Hortifrut já mira novas aquisições, revela Moller.

“Estamos sempre tentando defender nossa posição de liderança no mundo”, conta. “Isso é parte do nosso modelo de negócio, crescer em parcerias com companhias líderes em distribuição, engenharia genética, processamento e logística.”

Daniel Castellano

Entretanto, a Hortifrut não está apostando só nos mirtilos. Ela faz parte de uma join venture global chamada Naturipe Avocados, especializada na distribuição de abacates.

Em 2016, a Hortifrut assinou um acordo de joint venture com a californiana Munger Farms, para partilhar os resultados nos estados da Califórnia, Oregon e Washington. Um ano antes, havia feito o mesmo com a chinesa Joyvio Wing Mao, da qual detém, hoje, 51%.

“Nós queremos plantar o máximo que pudermos, pois a China vai ser um mercado tão importante quanto os Estados Unidos”, pontua Moller. “A Europa está só começando a consumir mirtilos, ainda existe muito a se crescer.”

Para o CEO da fresh4cast.com, Mihai Ciobanu, a China oferece um “crescimento fenomenal”.

“O Chile está embarcando cada vez mais para a China”, salienta. “Os preços pagos na Ásia estão caindo um pouco conforme o mercado vai se amadurecendo, mas ainda há uma distância muito grande em relação ao que se paga na América do Norte.”

Entretanto, a Hortifrut não está apostando só nos mirtilos. Ela faz parte de uma joint venture global chamada Naturipe Avocados, especializada na distribuição de abacates. A fruta inclusive já é considerada por alguns como uma espécie de “ouro verde”. “Abacates são um dos produtos mais interessantes”, afirma Moller. “Nós já comercializamos para os melhores 500 clientes no mundo e há um uma oportunidade interessante em vender produtos mais saudáveis.”

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

8 RECOMENDAÇÕES PARA VOCÊ

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA