i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

Com receita de US$ 38 bi, agronegócio responde por 40% das exportações brasileiras

Na pauta dos dez produtos mais exportados, o campo entra na lista com sete: soja, açúcar, carne de frango, farelo, celulose, carne bovina e café lideram o ranking

  • PorGiovani Ferreira,
  • 07/11/2016 08:34
A oleaginosa representou US$ 18 bilhões das vendas, com participação de 12% da receita total aferida. | APPA/Divulgação
A oleaginosa representou US$ 18 bilhões das vendas, com participação de 12% da receita total aferida.| Foto: APPA/Divulgação

Nada mais nada menos que 40% das exportações brasileiras no acumulado de janeiro a outubro de 2016 foram do agronegócio. O superávit no período soma US$ 38 bilhões, com participação decisiva de 15 produtos que tem origem no campo. Destaque na pauta para grãos, carnes e açúcar.

Conforme a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), as importações do país somaram US$ 114 bilhões. O saldo vem com o desempenho das vendas externas totais.

Nos dez primeiros meses do ano o Brasil enviou ao exterior US$ 153 bilhões. Na pauta dos dez produtos mais exportados, o campo responde por sete posições. Soja, açúcar, carne de frango, farelo, celulose, carne bovina e café lideram e dividem o ranking com minério, petróleo e automóveis.

Apesar do saldo positivo, a receita no comércio internacional é 5% inferior em relação ao mesmo período do ano passado, reflexo de volume e preços menores, consequência de oferta aquecida – em alguns casos superoferta – e demanda nem tanto. A pauta ampliada tem ainda suco de laranja, algodão, carne suína, tabaco, óleo de soja, couro e etanol.

A força da soja

O produto mais expressivo no resultado positivo da análise foi a soja, que reina absoluta na liderança. A oleaginosa representou US$ 18 bilhões das vendas, com participação de 12% da receita total aferida.

A expectativa é que as exportações do grão em 2016 atinjam 57 milhões de toneladas. A previsão da Expedição Safra para a próxima temporada, o ciclo 2016/17, é de uma produção que supera a casa das 100 milhões de toneladas. Os embarques brasileiros em 2017 têm potencial para mais de 60 milhões de toneladas.

A retomada do açúcar

Em um processo de recuperação, após uma das maiores crises da história, outra participação ilustre foi a do açúcar. Segundo lugar no ranking, o produto ressurge com destaque na pauta e vendas externas no período de US$ 6,58 bilhões, ou 4% do faturamento total embarcado pelo país. O açúcar bruto também foi o produto com maior variação em relação ao mesmo período do ano passado, com vendas 40% maiores, um incremento de US$ 1,89 bilhão. Quem também teve variação positiva foi o etanol, com aumento de 23% sobre o acumulado de janeiro a outubro de 2015.

O açúcar também foi o responsável pelo reforço do movimento no Porto de Antonina, no Paraná. O aumento no volume de cargas movimentado no período foi de 94%. Entre janeiro e outubro de 2016 alcançou 1,05 milhão de toneladas. Em 2015, haviam sido 544 mil toneladas. Além do açúcar, outros fatores importantes em Antonina foram a exportação de farelo de soja e a importação de fertilizantes.

Mais frango e suíno

O momento também é positivo para suínos e aves. O crescimento em volume, no período, teve variação de incríveis 39% e 5%, respectivamente. No caso do desempenho do frango, a carne in natura ganhou um empurram dos embutidos e outros processados. Já o suíno, um ganho espetacular em volume e também em receita cambial, com US$ 133 milhões, valor 23% acima na comparação com o ano passado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.