PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Pecuária
  3. Bovinos
  4. “Fábrica” de touros inaugura primeira franquia de bovinos do país
PECUÁRIA

“Fábrica” de touros inaugura primeira franquia de bovinos do país

Animais da raça senepol têm boa reputação por apresentarem maior adaptabilidade ao calor e precocidade para o abate

Nova Vida/Divulgação De origem caribenha, o senepol promete trazer maior rentabilidade ao pecuarista. | Nova Vida/Divulgação

De origem caribenha, o senepol promete trazer maior rentabilidade ao pecuarista.

  • João Rodrigo Maroni, especial para a Gazeta do Povo

A alta resistência ao calor e a precocidade dos bezerros chamaram a atenção do pecuarista paranaense Antônio Dombski, 63 anos, de Godoy Moreira, região Cento-Oeste do estado. Ele é o primeiro criador do Paraná a aderir ao sistema que ainda é novidade no país: uma franquia de touros da raça senepol. De origem caribenha, o senepol é considerado um touro premium e capaz de trazer maior rentabilidade ao produtor.

Dombski, que trabalha também com o ramo de transporte em Guarulhos (SP), começou a criar gado há 8 anos e há 5 anos mexe com inseminação de gado bovino. Começou com a raça red angus e depois passou, por iniciativa própria, para o senepol. “Achei interessante pela rusticidade e precocidade do animal. Mas como sou um pequeno pecuarista eu não teria condições de fazer a tecnologia necessária para a criação desses bezerros”, conta. Por causa disso, resolveu apostar na franquia como uma forma de adquirir o know-how e a assistência técnica para garantir melhores resultados.

Leia mais: Empresa que foi a maior exportadora de café do Brasil pede recuperação judicial

“Eles tinham a tecnologia e eu tinha a estrutura necessária. Eles cederam a genética e fizemos uma transferência de embriões e o resultado foi 100% de machos. A franquia ficou com 40% e eu com 60% desses dois lotes de touros. O primeiro é para nascer agora em outubro. Foram cobertas 97 matrizes, dando uma média 33% de prenhez”, revela. Todas as vacas cobertas eram nelore e de terceira cria. Em comparação ao angus, outra raça considerada “premium”, Dombski explica que o senepol se adapta melhor, pois aguenta mais o calor da região.

A franquia nasceu de uma sociedade entre o empresário José Carlos Semenzato, da holding de franquias SMZTO – que criou marcas diversas como Microlins, Espaçolaser, Instituto Embelleze, entre outras – com a Senepol Nova Vida, que introduziu a raça senepol no Brasil e tem vasta expertise na genética desse tipo de gado. A ideia da chamada “Fábrica de Touros Senepol” é levar para pequenos e médios pecuaristas uma oportunidade de se transformarem em “fabricantes de touros” premium. Posteriormente, esses animais serão vendidos pelos franqueados para grandes pecuaristas, para fazerem cobertura a campo da vacada.

“Esses touros serão vendidos para cobrir a vacada nelore, por exemplo, o que vai resultar em um produto de excelente qualidade, que vai antecipar em no mínimo 6 meses o abate. E esse animal vai ganhar em peso melhor também, o que dá um ganho excepcional para o pecuarista”, explica Semenzato. Além disso, ele garante que o senepol é uma raça com boa adaptação aos trópicos, pois sua pelagem é curta. A carne, macia mesmo com a baixa porcentagem de gordura, seria outra característica da raça.

Capacidade de cobertura

Divulgação

De acordo com o pecuarista Antônio Dombski, em 60 dias o bezerro senepol chega em uma média de 260 a 307 kg em média. Já o nelore rende no máximo 240 kg no mesmo período.

A vantagem para o produtor de senepol, segundo Semenzato, é que um touro de 18 meses pode ser vendido por até R$ 10 mil, enquanto que para um berrezo o valor chega a R$ 1,3 mil. A senepol também maior capacidade de cobertura no campo, chegando a 35 vacas para cada touro, além de permanecer ativo por até dez anos. O índice de prenhez da vacada com touro Senepol é superior a 90%, segundo o empresário. O lucro na operação com esses touros, descontando os custos de produção e outros gastos, pode chegar a R$ 300 mil ao ano, tomando como base um rebanho de 100 touros, de acordo com Semenzato.

“Em 60 dias o bezerro senepol chega em uma média de 260 a 307 kg em média. Já o nelore rende no máximo 240 kg no mesmo período. São duas arrobas a menos”, compara Dombski. Além disso, diz o produtor, o custo de produção é o mesmo para ambas as raças, incluindo a mão de obra. E o preço do gado também é atrativo. Na região de Godoy Moreira, um touro nelore sai por R$ 1.150,00, enquanto o senepol não puro é vendido a R$ 1,6 mil em média. Atualmente, o pecuarista possui 115 bezerros meio-sangue, sendo 85 senepol, além de 152 vacas – 148 em condições de receber cobertura.

“Nas minhas contas, se eu conseguir produzir 80 bezerros vou ficar com 48. Desses, se eu vender 40 a franquia me pagará R$ 3,5 mil cada bezerro. Isso dá no mínimo R$ 140 mil. Para eu fazer esse dinheiro com outra raça teria que ter no mínimo uns 90 bezerros”, explica Dombski.

Meta para 5 anos

Atualmente existem apenas 10 franqueados em operação no Brasil e outros 10 que estão em processo de assinatura de contrato. A meta da SMZTO é chegar até o fim do ano com 25 fazendas franqueadas. A média de produção de touros senepol hoje é de 500 animais próprios e mais 600 de franqueados ao ano. O objetivo para daqui 5 anos é “fabricar” 15 mil touros anualmente, entre produção própria e de franqueados.

Ao franqueado cabe oferecer o espaço na fazenda com pastagem e de 50 a 100 vacas receptoras, que podem ser de qualquer raça, como nelore ou angus. A franquia então fornece o embrião (a fertilização é in vitro) e na hora da desmama ou da venda do touro, com 18 meses, a empresa recebe o valor dos royalties. “Ou o produtor paga o valor de 5% sobre o valor final da venda dos touros produzidos ou ele não paga royalties e a gente faz uma divisão na venda do touro, com 40% do valor da venda indo para a franquia”, explica Semenzato.

De acordo com João Arantes, sócio da Senepol Nova Vida e consultor do projeto “Fábrica de Touros”, o senepol é um animal com alta demanda hoje no Brasil, pois tem capacidade maior de cobrir a vacada por monta natural, o que permite aumentar a produtividade da fazenda. Se até o final do ano a franquia confirmar um total de 20 produtores, será capaz de produzir 1 mil touros no ano. “O nosso projeto está alinhado com uma pecuária mais eficiente, preocupada com a qualidade de carne e desempenho, pois a senepol é uma raça que atende a esses critérios”, explica.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

8 RECOMENDAÇÕES PARA VOCÊ

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA