i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Inovação

Startup do Paraná aposta em ‘vacas relaxadas’ para ampliar produção de leite

Recém-criada, empresa paranaense desenvolve sistema para monitorar o ambiente e dar a vacas leiteiras o conforto necessário para a produção de leite

  • PorGiorgio Dal Molin
  • 13/12/2017 09:46
Equipamento criado pela Startup Agroconforto  identifica condições de temperatura, umidade, luz, vento e gases nocivos em galpões de vacas leiteiras. | Daniel Caron/Gazeta do Povo
Equipamento criado pela Startup Agroconforto identifica condições de temperatura, umidade, luz, vento e gases nocivos em galpões de vacas leiteiras.| Foto: Daniel Caron/Gazeta do Povo

O bem-estar animal é cada vez mais uma exigência de consumidores, mas no que depender da Startup Agroconforto, de Castro (PR), essa passará a ser uma exigência dos próprios animais. Há quatro meses empresa criou um sistema que aumenta o conforto de vacas leiteiras e, em troca, traz maior produtividade.

A partir de um sensor que monitora o ambiente, o produtor consegue identificar as condições de temperatura, umidade, luz, vento e gases nocivos em galpões.

“Disponibilizamos uma antena em cada barracão. As informações são centralizadas em um servidor local, dentro da propriedade, e não é preciso conexão à internet”, explica Lucas Carneiro Thomaz, um dos fundadores da startup. Basta uma rede wi-fi interna para transferir os dados para o celular ou tablet do produtor para que o mecanismo sinalize alguma necessidade de ajustes no ambiente dos animais.

O empreendedor completa ainda que, quando conectado à internet, o sistema possibilita ainda uma consultoria anônima, isto é: comparar a fazenda com dados de outras propriedades, obtendo um panorama médio de mercado - mas sem identificar as fazendas produtoras.

A ideia despertou, inclusive, o interesse de grandes empresas, como a IBM e outras startups. “Estamos em busca de parcerias”, anuncia Lucas Thomaz.

Na prática

A inovação surgiu no Hackaton Agroleite, um desafio da Castrolanda para equipes desenvolverem, em 36 horas, projetos para melhorar a produção leiteira. Vencedora do desafio, a equipe Internet of Cows (Internet das Vacas) recebeu um aporte de R$ 5 mil para continuar o projeto. “Um dos produtores [presentes no evento] abriu a propriedade para desenvolvermos o projeto”, afirma Thomaz.

O produtor em questão é Ronald Rabbers, que aposta inclusive na economia de energia com o equipamento: “Com a tecnologia instalada é possível ligar e desligar ventiladores em situações de calor. Com certeza vou ganhar com economia de energia, em efetividade e isso vai ser transformado em produção de leite”. O rebanho de Rabbers produz um total de 12 mil litros diariamente - uma média de 40 a 48 litros por vaca.

Equipamento da Agroconforto instalado em galpão de pecuária leiteira Divulgação/Agroconforto

Atualmente, a startup castrense já tem outros dois clientes, além de Ronald Rabbers. A ideia da equipe é lançar oficialmente o produto no mercado no segundo semestre de 2018. Isso não impede, contudo, que outros clientes fechem negócio antes dessa data. Durante o desafio Ideas for Milk, realizado na semana passada em Juiz de Fora Minas Gerais, novos clientes entraram na mira da empresa:

“Conversamos com alguns produtores mineiros e um do Equador. Estamos avaliando como podemos fazer as instalações fora do Paraná”, diz Lucas Thomaz. “O valor depende da metragem de uso”, explica.

O especialista conta que a instalação do hardware é feita gratuitamente, e o contrato pode ser feito por um ou dois anos, com a opção de renovação do produtor. A equipe conta com engenheiros agrônomo, eletrônico, químico, além de um cientista da computação e um gerente de projetos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.