PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Pecuária
  3. Para reduzir dívidas, Marfrig teve de escolher entre o boi e o frango
mercado global

Para reduzir dívidas, Marfrig teve de escolher entre o boi e o frango

A empresa vendeu a operação da Keystone por US$ 2,4 bilhões para a Tyson Foods

Albari Rosa  | Albari Rosa
  • Folhapress

A Marfrig mantém a expectativa de chegar ao final do ano com um nível de endividamento confortável. As dúvidas sobre essa desalavancagem fizeram as ações da empresa despencarem 9,3% na sexta-feira (17). 

A Marfrig vendeu a unidade de frango da Keystone por US$ 2,4 bilhões para a Tyson Foods. E manteve a operação de hambúrgueres da empresa, que tem receitas anuais de US$ 300 milhões (R$ 1 bilhão), e respondia por 11% das receitas da Keystone.

Para o mercado, a empresa só conseguiria bater a meta de relação entre dívida líquida e ebitda de 2,5 vezes em dezembro de 2008, se tivesse levantado US$ 3 bilhões com a Keystone. 

Nas contas da Marfrig, no entanto, considerando a redução do endividamento, um segundo semestre tradicionalmente mais forte para suas vendas, que deverá incrementar as receitas, além de um dólar mais favorável, é possível que o indicador termine o ano ainda melhor, num intervalo entre 2,2x e 2,6x.

Esse cálculo embute projeções de receitas entre R$ 20 bilhões e R$ 21 bilhões e margem ebitda entre 9% e 10% no segundo semestre.  

“Será o menor nível de endividamento de uma empresa do setor no Brasil”, afirma o diretor financeiro da Marfrig, Eduardo Miron. Sobre as contas do mercado, ele disse apenas que há muito ruído e “não fomos nós que passamos esses números para eles”. 

Segmento bovino

A venda da parte de frangos da Keystone reforça o projeto da Marfrig de concentrar suas operações no segmento bovino, no Brasil e Américas, já reforçado pela compra da National Beef, quarto maior frigorífico dos Estados Unidos, em abril. Miron diz que agora o momento será de focar nas operações, sem correr atrás de novas aquisições. 

“Nosso foco é a integração das empresas nas Américas do Norte e do Sul. Temos muito trabalho na busca por valor agregado na combinação dos negócios”, disse. 

A redução do endividamento, um efeito principal da venda da Keystone, para a Marfrig dará mais tranquilidade ao processo. 

A transação alcança US$ 2,4 bilhões. Desse total, US$ 2,2 bilhões irão para a redução da dívida - os outros US$ 200 milhões referem-se às participações dos minoritários da empresa. 

A dívida líquida da Marfrig sairá dos cerca de US$ 4,3 bilhões (R$ 16,3 bilhões), apurados no fim do segundo semestre, para US$ 2,1 bilhões (R$ 7,9 bilhões), uma redução de 51%.

Isso implicaria, olhando dados de 12 meses, que a relação entre dívida líquida e Ebitda sairia de 4,2x para 2,6x ao fim de junho de 2018.

A expectativa da Marfrig é que a venda da Keystone receba todas as aprovações legais necessárias até o fim do ano.  

Nos últimos anos, a empresa criada por Marcos Molina enfrentou várias turbulências e comprou e vendeu diversas empresas.

O diretor Miron afirma que em todas essas operações a empresa conseguiu bons resultados. Assim como as vendas de Moy Park e Seara, a Keystone teria se valorizado nas mãos da Mafrig, segundo ele. 

A empresa brasileira pagou US$ 1,260 bilhão pela Keystone, em 2010. E agora, ela valeria US$ 2,960 bilhões (135% mais).

Essa conta leva em consideração a venda da operação de frangos, que acaba de concluir, por US$ 2,4 bilhões; os US$ 400 milhões obtidos com a venda de ativos de logística da empresa; US$ 60 milhões vindos da venda da Moy Park e os US$ 100 milhões que acredita valer a planta de hambúrgueres. 

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

8 RECOMENDAÇÕES PARA VOCÊ

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA