PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Pecuária
  3. Suínos
  4. Indústria gourmet do Paraná desembarca na China para ‘vender qualidade’
novas fronteiras

Indústria gourmet do Paraná desembarca na China para ‘vender qualidade’

Alegra Foods está presente na feira Sial China. Um dos objetivos é divulgar a carne suína de qualidade premium ao mercado asiático

Hugo Harada/Gazeta do Povo Fábrica da Alegra Foods nos Campos Gerais (PR): marca traz cortes especiais e é mais  magros que outros concorrentes | Hugo Harada/Gazeta do Povo

Fábrica da Alegra Foods nos Campos Gerais (PR): marca traz cortes especiais e é mais magros que outros concorrentes

  • Giorgio Dal Molin

Uma das principais marcas de carne suína do Paraná, a Alegra Foods desembarcou nesta quarta-feira (16) em Xangai para a Sial China: a feira mais importante da Ásia no segmento de alimentos, que segue até sexta-feira (18).

A Alegra está habilitada para exportar para 29 países. Contudo, a China ainda não está nessa lista. “Temos clientes do mundo todo que participam dessa feira. Além disso, existe uma forte relação entre China e Hong Kong, onde já somos habilitados. Isso acaba gerando uma sinergia”, explica Ivonei Durigon, superintendente da unidade industrial da Alegra.

A ação será realizada lado a lado com outras dez empresas exportadoras de aves e suínos do Brasil, como Coasul e BRF. A participação está sendo promovida em conjunto pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Habilitação premium

Segundo Durigon, a nova habilitação pode acontecer já nos próximos meses. “Isso depende da inspeção de veterinários chineses que irão visitar o Brasil. Eles não terão na agenda visitas específicas, mas já nos colocamos à disposição. Nossa planta é nova e moderna”, destaca.

Sócio da exportadora LP Export, Luciano Colonetti afirma que o trabalho junto a um país acontece antes mesmo da liberação formal dos governos. A LP é responsável pelas exportações da Alegra e Colonetti e conta que é preciso apresentar o projeto para distribuidores, importadores e redes de supermercado:

“O projeto da Alegra é diferenciado no Brasil. As exportações, efetivamente, começaram há três anos, mas o trabalho inicial já tem seis anos. Estamos nos esforçando para que a habilitação oficial ocorra nos próximos meses, mas antes estamos fazendo a divulgação, já que muitos supermercados, hotéis e restaurantes querem um produto Premium, de carne mais magra, com corte especial e sem ractopamina e sem hormônios”, explica o especialista, destacando as características da produção da Alegra.

Hugo Harada/Gazeta do Povo

Inovei Durigon, superintendente da Alegra Foods

Atualmente, a Alegra exporta cerca de 2 mil toneladas de carne e 6 mil toneladas de comestíveis e processados. Isso representa 25% da produção. “Nosso foco é manter um volume de exportações entre 25% e 35%”, afirma Durigon.

Com a presença na feira asiática, o objetivo é alcançar não apenas a China, mas também outros mercados próximos. “Sabemos que não vai ser fácil, mas estamos indo muito bem em Hong Kong, Cingapura, Dubai, Argentina, Ilhas do Caribe e ainda no Oceano Índico”, informa Luciano Colonetti.

Movimento nos estandes para essa difusão não deve faltar. Segundo a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), em 2017, a Sial China teve 3,2 mil expositores de 67 países e contou com mais de 100 mil visitantes. A área reservada ao Brasil será dividida em dois pavilhões: 200m² para segmentos diversos e 50m² para proteína animal, sendo que cada espaço terá áreas individuais para as empresas participantes.

Siga o Agronegócio Gazeta do Povo

8 RECOMENDAÇÕES PARA VOCÊ

VOLTAR AO TOPO

NOTÍCIAS POR CULTURA