Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Sedãs compactos que caíram para a Série B com chegada de rivais  modernos
| Foto: Pedro Danthas

Os lançamentos recentes renovaram o segmento de sedãs compactos no Brasil, mas também deixaram muitos modelos defasados no mercado.

A chegada das novas gerações de Chevrolet Onix Plus e Hyundai HB20S, além da presença de Fiat Cronos e Volkswagen Virtus, lançados em 2018, abriu um abismo para outros modelos.

Veja quais sedãs já estão sentindo o peso da idade:

FIAT GRAND SIENA

Não poderia ser rotulado como veterano, pois estreou em 2012. Mas a chegada do Cronos deixou o Grand Siena para trás – o que forçou até uma redução significativa de preços pela Fiat.

Sucessor do primeiro Siena – outro que perdurou por anos a fio ao lado dos primeiros Palio e Uno -, o sedã oferece mais espaço e porta-malas de 520 litros.

O Fiat Grand Siena ganhou diferentes séries limitadas e um retoque no desenho (em 2018), mas hoje só é vendido em versão única Attractive com os cansados motores 1.0 e 1.4 da linha Fire.

Pelo custo/benefício, acaba sendo boa opção para motoristas de aplicativos e taxistas, mas o Cronos custa pouco mais e é bem melhor de dirigir, de acabamento e de equipamento.

VOLKSWAGEN VOYAGE

O modelo chegou em 2008 e menos de quatro anos depois estava perdido no mercado, já invadido pelos rivais com espaço de médio e preço de compacto (Logan, Versa Cobalt…).

Isso depois de a Volkswagen praticamente entregar o segmento para GM e Fiat, já que o Voyage deixou de existir por 13 anos.

Feito sobre a plataforma simplificada do antigo Polo, o exemplar da VW está muito aquém em termos de espaço interno, acabamento e segurança. A chegada do Virtus acentuou esta defasagem.

Sorte do Voyage é que o companheiro de vitrine é muito caro. Além disso, o velho sedã se vale da imagem de robustez e até mesmo do motor 1.6 8V EA111, que, apesar de antigo, empresta desempenho bastante bacana ao carro.

Ganhou até um toque de rejuvenescimento com o câmbio automático de seis marchas em 2018, que o credencia a usar o motor 1.6 16V EA211 de até 120 cv, mais moderno e suave.

NISSAN VERSA

O Nissan Versa começou importado do México em 2011 e, quatro anos depois, era reestilizado e produzido em Resende (RJ).

O problema é que foi outro que ficou defasado rápido. Não pelo espaço e porta-malas, grandes qualidades do carro, mas pelo desenho e tecnologia embarcada no sedã.

A marca japonesa até deu seu jeito: colocou novos motores, inclusive um três-cilindros eficiente, e passou a ofertar câmbio CVT em algumas versões.

Só que, além da concorrência, uma nova geração já roda no México, de onde virá importada para cá em 2020.

O velho Versa, porém, tem bom argumento no pós-venda, com custo de revisões dos mais baixos da categoria – argumento que pode fazer continuar no mercado por algum tempo.

CHEVROLET JOY PLUS

O velho Prisma mudou de nome: virou Joy Plus após a chegada do seu substituto, o Onix Plus. Pelo histórico da GM e a praxe do mercado brasileiro, nem pode ser tão taxado de velho assim, pois nasceu em 2013 como linha 2014 – o Classic, primeiro Corsa Sedan, se manteve por quase duas décadas.

A questão é que o Joy Plus continua com a plataforma GSV, que entrega menos espaço interno que seu sucessor. A dirigibilidade e comportamento dinâmico também deixam muito a desejar em comparação com a nova geração compacta.

Além disso, mantém o velho motor 1.0 de origem Família I, com até 80 cv e rodar bastante áspero. Se vale de porta-malas maior, com 500 litros.

TOYOTA ETIOS SEDAN

| Rafael Munhoz

O mercado queria um Yaris, mas a Toyota insistiu e trouxe o Etios em 2012, projeto indiano com desenho controverso e acabamento que não condizia com o padrão da marca japonesa.

Mas o modelo feito em Sorocaba (SP) é um carro de mecânica boa, usa motores 1.3 e 1.5 ótimos para a cidade, com espaço generoso para os passageiros de trás e, no caso do sedã, um porta-malas gigante de 562 litros.

A linha Etios até passou por algumas mudanças, principalmente nos revestimentos internos, e ganhou câmbio automático.

Eis que a marca resolve fazer o Yaris asiático por aqui em 2018. Pior, usando um moderno CVT como opção de transmissão automática, em vez do confuso câmbio de quatro marchas do primo mais velho – que ficou ainda mais pobre na vitrine da concessionária.

CHEVROLET COBALT

Chevrolet Cobalt 2018
Chevrolet Cobalt 2018

Com a chegada do Onix Plus, o futuro do Cobalt é uma incógnita. O modelo se vale do espaço e do amplo porta-malas.

Só que o novo três volumes da General Motors chegou para cobrir essas propostas com plataforma moderna, motor turbo e bons equipamentos de série, como seis airbags e controle de estabilidade.

Chevrolet Cobalt 2018
Chevrolet Cobalt 2018

Ao mesmo tempo, o velho sedã, fruto da arquitetura GSV e lançado em 2011, tem desenho polêmico e agora só é comercializado em versão única com o veterano motor 1.8 da GM: ainda deve permanecer alguns anos no mercado às custas da predileção de taxistas pelo carro. Ou seja, enquanto houver demanda, o Cobalt será produzido.

HONDA CITY

A segunda geração do modelo da Honda foi lançada em 2014, porém também parece meio perdida no tiroteio.

Tudo bem que o City carrega a boa reputação da marca, acomoda bem seus ocupantes e usa motor 1.5 com câmbio do tipo CVT que privilegia o conforto no rodar, além de airbags laterais e de cortina em algumas versões.

Contudo, é muito caro (começa em R$ 62.800 quase pelado e chega a R$ 85.800).

Para completar, o City não oferece itens como controle de estabilidade – já disponíveis entre os rivais -, tem desempenho pacato demais e o acabamento é pouco inspirador para um carro desta faixa de preço.

RENAULT LOGAN

É um da lista que ao menos se esforça para não ficar defasado. O Renault Logan inaugurou o segmento de compactos com espaço de médio e preço de compacto, em 2007. Era o principal argumento, já que seu desenho quadradão, sua base da romena Dacia e seu acabamento interno eram aspectos sofríveis.

Recebeu novos motores e atualizações visuais ao longo dos anos. Em 2013, passou por uma profunda remodelação, que a Renault chama de segunda geração.

Recentemente, o Logan adotou motores da linha SCe bem mais eficientes e na última maquiagem estreou opção de câmbio CVT e controles de estabilidade e tração em algumas versões.

Mas o custo/benefício do carro ficou comprometido com as chegadas de Virtus, Onix Plus e HB20S.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]