Restaurantes

Nostalgia

10 bares e restaurantes antigos de Curitiba que permanecem firmes e fortes

Conheça alguns estabelecimentos que atravessaram o século passado, viram com expectativa a chegada do novo milênio e continuam de portas abertas

por Guilherme Grandi Publicado em 01/02/2019 às 14h
Compartilhe

Eles atravessaram o século passado, viram com expectativa a chegada do novo milênio e continuam de portas abertas. Tudo sem perder o gosto popular – e muito menos o bom humor. Os bares, confeitarias e restaurantes antigos de Curitiba datam do começo dos anos 1900, e não se intimidam às investidas tecnológicas ou ondas de um tipo ou outro de comida. Conheça os 10 estabelecimentos que provam que o tradicionalismo pode agradar a todos, sem distinção.

1- BAR STUART, 1904

Bar Stuart

Bar Stuart. Foto Brunno Covello / Gazeta do Povo.

Aberto há 115 anos no centro, o Stuart carrega o título de bar mais antigo de Curitiba. É dele o legado de ter acompanhado cada resquício de evolução deste pedaço da cidade, como a  transformação da Rua XV de Novembro em calçadão em 1972, a uma quadra dali, as manifestações pelas Diretas Já em 1983, e toda sorte de boêmios e comentaristas de todos os assuntos. O Stuart é especializado em petiscos e porções, como a carne de onça (R$ 20), os lambaris (R$ 45) e o bolinho de carne especial (R$ 14).
Serviço: Praça General Osório, 427, Centro. (41) 323-5504. Segunda a sexta, das 8h30 às 22 horas. Sábado e domingo, das 8h30 às 16 horas.

>> Leia também: Os 100 anos de história da Gazeta do Povo

2- BAR MIGNON, 1925

Bar Mignon

Bar Mignon. Foto André Rodrigues / Gazeta do Povo.

Outro que viu as transformações da cidade com o passar dos anos é o Bar Mignon, mas com um protagonismo único. Tanto o primeiro endereço quanto o atual ficam de frente para a Rua XV, com menos de 40 números de distância – do 80, onde funcionou até pegar fogo, ao 42. A Boca Maldita é a casa do Bar Mignon desde 1946 servindo pernil com maionese no sanduíche (R$ 12,90) ou no prato (R$ 34) e alcatra com arroz, maionese, salada de alface, tomate e cebola, farofa e pão (R$ 78, serve até 3 pessoas).
Serviço: Rua XV de Novembro, 42, Centro. (41) 3222-3216. Segunda a domingo, 10 às 23 horas.

3- CASA VELHA, 1927

Bar Casa Velha

Bar Casa Velha. Foto: Daniel Castellano / Gazeta do Povo.

O nome diz tudo sobre este bar de 92 anos: a mesma Casa Velha no bairro do Abranches e administração ainda familiar – foram oito famílias diferentes que passaram pelo balcão. O local é conhecido pela porção de bolinhos de carne recheados com provolone (R$ 19,90, seis unidades), premiada diversas vezes em concursos gastronômicos.
Serviço: Rua Mateus Leme, 5981, Abranches. (41) 3354-4050. Segunda a sexta, das 17 à 0 hora. Sábado, das 12 à 0 hora.

4- BAR PALÁCIO, 1930

Bar Palácio

Bar Palácio. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo.

Conhecido como um “reduto histórico de jornalistas”, o Bar Palácio era vizinho à sede do governo estadual na Rua Barão do Rio Branco. Não faltam casos e “causos”, há uma coleção deles espalhados em fotos pelas paredes – se elas falassem, diriam coisas inimagináveis. O churrasco paranaense, homenagem ao antigo vizinho, é o carro-chefe do Bar Palácio e vem com arroz, farofa e salada de cebola (R$ 50). Há ainda outros pratos com carnes, massas, frutos do mar e sobremesas. Um dedo de prosa também acompanha qualquer pedido.
Serviço: Rua André de Barros, 500, Centro. (41) 3222-3626. Segunda a quinta, das 19 horas à 1h30. Sexta e sábado, das 19 às 3 horas.

>> Leia também: Quase 30 anos de história, conheça a história do Bom Gourmet

5- CONFEITARIA DAS FAMÍLIAS, 1945

Confeitaria das Famílias

Confeitaria das Famílias. Foto Marcelo Andrade / Gazeta do Povo.

Já são 74 anos ininterruptos que a Confeitaria das Famílias abre as portas de domingo a domingo no mesmo ponto, seguindo a tradição de quando a Rua XV ainda era o passatempo preferido de Curitiba. Mesmo com a concorrência forte de outras docerias, ela não se deixou sucumbir e ainda serve quitutes inesquecíveis como o Madrilenho (massa folhada com recheio de doce de leite), a rosquinha espanhola, os bolos e tortas a partir de R$ 8. Além de propagandas antigas nas paredes que dão um ar de nostalgia ao salão.
Serviço: Rua XV de Novembro, 374, Centro. (41) 3223-0313. Segunda a domingo, das 8 às 22 horas.

6- BAR DO LIGEIRINHO, 1949

Bar do Ligeirinho

Bar do Ligeirinho. Foto: André Rodrigues / Gazeta do Povo.

A história do Ligeirinho se confunde com a do bar mais antigo de Curitiba, o Stuart. O primeiro proprietário, o ex-jogador de futebol Ronald de Abrão, tocou o pioneiro por cerca de 50 anos, mas passou a gestão do lugar a um garçom que abriu seu próprio negócio em 1949. Hoje, o Ligeirinho é administrado pelo filho, Robson Abrão, e se tornou um ponto de encontro para quem gosta de carnes mais exóticas, como as porções de cortes de jacaré, rã, avestruz, coelho e javali. Há ainda as de costelinha de tambaqui, filé de robalo e casquinha de siri, entre R$ 17 e R$ 50 cada.
Serviço: Al. Dr. Carlos de Carvalho, 120, Centro. (41) 3233-8348. Segunda a sexta, das 16 à 0 hora. Sábado, das 11 às 19 horas.

7- CASCATINHA, 1949

Restaurante Cascatinha

Restaurante Cascatinha. Foto: Andre Rodrigues / Gazeta do Povo.

Lá pelos idos da metade do século passado, a família Trevisan abriu um restaurante de pratos-feitos para os caminhoneiros que seguiam do interior do estado até Paranaguá pela antiga Estrada do Cerne. Anos mais tarde, parte dela se tornou a Avenida Manoel Ribas, e o Cascatinha sobreviveu ao desenvolvimento da cidade por conta da farta comida típica italiana. Ainda tocado pela família,
o restaurante serve um rodízio com 12 pratos de polenta frita, risoto, frango, fígado frito, massas, entre outros, a R$ 35 por pessoa.
Serviço: Av. Manoel Ribas, 4455, Santa Felicidade. (41) 3335-1214. Segunda a sábado, das 11h30 às 14h30 e das 19 às 22 horas.

8- CHURRASCARIA ERVIN, 1950

Churrascaria Ervin

Churrascaria Ervin. Foto: André Rodrigues / Gazeta do Povo.

Aberta há 69 anos, a Churrascaria Ervin nasceu três anos depois do primeiro empreendimento da família Ofner, uma sorveteria. Ervin Ofner comprou o terreno em frente à sorveteria e abriu um restaurante para atender aos moradores que circulavam com suas charretes pela região. A churrascaria trabalha com sistema a la carte no almoço, com destaque para o filé mignon com maionese, salada, tomate e pão fresco (R$ 109, para duas pessoas) e a alcatra bem servida com os mesmos acompanhamentos (R$ 143, prato para três pessoas).
Serviço: Rua Mateus Leme, 2746, Centro Cívico. (41) 3252-5347. Terça a sexta, das 11h30 às 14 horas. Sábado e domingo, das 10h30 às 15h30.

9- ILE DE FRANCE, 1953

Île de France

Île de France. Foto: Hugo Harada / Gazeta do Povo.

Quando a Praça 19 de Dezembro foi inaugurada para comemorar o centenário de emancipação do Paraná, em 1953, o Ile de France ainda funcionava na Alameda Dr. Muricy, administrado por Emile e Janine Decock. Quatro anos depois, mudou-se para um prédio de três andares de frente para o mural do artista plástico Poty Lazzarotto. O primeiro restaurante francês de Curitiba é um pedacinho da belle époque parisiense hoje tocado pela nora dos fundadores, Clara Decock, e ainda servindo o tradicional estrogonofe de mignon com champignon (R$ 140).
Serviço: Praça Dezenove de Dezembro, 538, Centro. (41) 3223-9962. Segunda a sábado, das 19 à 0 hora.

10- VELHO MADALOSSO, 1963

Velho Madalosso

Velho Madalosso. Foto: Hugo Harada / Gazeta do Povo.

Dona Flora Madalosso começou a cozinhar pratos italianos em seu pequeno restaurante em Santa Felicidade, e dificilmente imaginava que o sobrenome da família viraria sinônimo de boa comida em Curitiba. Passado mais de meio século, ela ainda supervisiona a cozinha do Velho Madalosso como se nada tivesse acontecido, e a casa de 24 lugares passou a abrigar mais de 170 pessoas. São servidos 28 pratos da gastronomia italiana em sistema de rodízio a R$ 57 por pessoa.
Serviço: Av. Manoel Ribas, 5852, Santa Felicidade. (41) 3273-1014. Segunda a sábado, das 11h30 às 15 horas e das 19 às 23 horas. Domingo, das 11h30 às 15h30.

 

 

Compartilhe

8 recomendações para você