Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A expectativa é de que pelo menos 30 artesãos participem da festa neste ano. Foto: Marlove Perin/divulgação.
A expectativa é de que pelo menos 30 artesãos participem da festa neste ano. Foto: Marlove Perin/divulgação.| Foto:

Um dos mais típicos pratos italianos ganhou uma utilidade curiosa: a polenta serve como base de esculturas que serão expostas neste final de semana em Monte Belo do Sul, no Rio Grande do Sul (a 143 quilômetros de Porto Alegre). Será durante a 10ª edição da Polentaço, uma festa criada para comemorar a imigração italiana na região.

O objetivo da competição é incentivar as pessoas a contarem a história da imigração italiana na cidade. Foto: Marlove Perin/divulgação.
O objetivo da competição é incentivar as pessoas a contarem a história da imigração italiana na cidade. Foto: Marlove Perin/divulgação.

Durante os dois dias de evento, pelo menos 30 esculturas feitas de polenta serão montadas no meio da praça principal da cidade, acompanhadas de uma tonelada e meia do prato com molho bolonhesa. Claro que as obras não serão comestíveis. A ideia, segundo o organizador do evento Álvaro Manzoni, é resgatar a história de Monte Belo do Sul por meio da comida.

“São esculturas que lembram a igreja da cidade, o poço que abastecia a comunidade, o forno que preparava a comida, o navio da imigração, entre outras passagens históricas. Na última edição, em 2017, um dos participantes fez até uma escultura com uma mala cheia de dinheiro em alusão ao mensalão. O pessoal é muito criativo”, explica.

Cada escultura leva de dois a três quilos de polenta e é avaliada em duas categorias premiadas com troféus. Uma delas é para as esculturas mais simples, feitas com a massa e alguns adereços. A outra outra é para as produções mais elaboradas.

Algo a mais

Foto: Idovino Merlo/Divulgação
Foto: Idovino Merlo/Divulgação| Idovino Merlo

Álvaro Manzoni conta que o concurso surgiu para dar uma “incrementada” na festa criada em 1996. Na época, o evento tradicional: com shows de dança, apresentações musicais e pratos típicos. Mas, a cidade precisava de algo a mais para atrair as pessoas.

“Fizemos algumas pesquisas e reuniões com os empresários do que a gente poderia fazer de diferente. As esculturas de polenta seriam algo inusitado, e fizemos um primeiro evento no ano 2000 com 12 obras. Dois anos depois, decidimos incentivar os participantes premiando-os com troféus de ouro, prata e bronze (Cagliera D’Oro, Cagliera D’Argento e Cagliera di Bronzo). Aí não paramos mais”, diz o organizador que também é secretário de cultura e turismo de Monte Belo do Sul.

De lá para cá, a população da cidade mais do que triplica no fim de semana do Polentaço – passa de 2 mil para 7 mil pessoas. E até mesmo escultores de polenta de municípios próximos, como Farroupilha, Pinto Bandeira e Garibaldi, participam dos festejos. Na última edição, em 2017, a escultura vencedora foi uma réplica da igreja de Nossa Senhora de Caravaggio.

>> Leia também: Tudo o que você precisa saber para preparar a massa fresca perfeita

A preparação da polenta começa na sexta-feira (17), com a montagem terminando no sábado (18) de manhã. As esculturas ficam expostas até o domingo (19) à noite e depois são descartadas – a massa azeda se torna imprópria para o consumo. Mas, para ninguém ficar com fome, são servidos dois tachos gigantescos com 800 quilos de polenta com molho nos dois dias de evento, em às 14 h e às 17 h. “A participação é gratuita, não cobramos nada pelo prato. É para vir, comer e se divertir”, finaliza o animado Álvaro Manzoni.

Serviço:
10º Polentaço. Sábado (18) e domingo (19), a partir das 10h, na Praça Padre José Ferlin. Monte Belo do Sul (RS). Entrada Gratuita.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]