i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Banquete árabe é destaque em restaurante no Batel

Nayme, instalado num belo casarão em Curitiba, tem pratos tradicionais e outros pouco conhecidos como o burj

  • PorAndrea Torrente
  • 29/07/2016 14:27
banquete árabe do nayme em curitiba letícia akemi
banquete árabe do nayme em curitiba letícia akemi| Foto: Letícia Akemi
Esfihas levam essência de romã e azeite de oliva na massa (R$ 9 cada). Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo.
Esfihas levam essência de romã e azeite de oliva na massa (R$ 9 cada). Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo.| Letícia Akemi

“Yallah, yallah!”, “vamos, vamos!” é o convite que as proprietárias Yasmin Zippin Nasser e Cláudia Ribeiro fazem aos clientes que entram no Nayme, restaurante árabe que abriu em junho no Batel, em Curitiba. O cardápio conta com pratos tradicionais da culinária sírio-libanesa, como esfihas e kibes, e opções pouco conhecidas.

Como é o caso do burj, palavra árabe que significa “torre”. O prato, claro, é literalmente uma torre de kibe cru: a carne é disposta em camadas intercaladas com tabule, carne moída refogada com nozes, castanhas, amêndoas e cebolas crocantes (R$ 36 para duas pessoas). Tem também a porção individual (R$ 22).

>>> Veja três restaurantes que servem shawarma

>>> Tour com degustação te leva a conhecer quatro cervejarias de Curitiba

>>> Café no Centro une confeitarias francesa e coreana

O burj é um kibe cru em camadas coberto com nata fresca e cebola crocante. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo.
O burj é um kibe cru em camadas coberto com nata fresca e cebola crocante. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo.| Letícia Akemi

E  caso você não saiba, os árabes têm sua própria versão de massa. O Chich Barak parece ter saído do cardápio de um restaurante italiano: a massinha, em formato de cappelletti, é feita de trigo e ovo e leva carneiro e nozes no recheio. Ela é cozida na coalhada (R$ 35), criando um molho cremoso que envolve a massa.

O cardápio é extenso e conta com esfihas abertas e fechadas de tamanho grande (R$ 9 a R$ 12), cinco opções de sanduíche e shawarma (R$ 22 a R$ 28), e pastas como coalhada seca (R$ 11), tarator (molho à base de gergelim, R$ 11) e chanclich fresco, conserva de coalhada no azeite de oliva com pimenta calabresa ou zattar puro (R$ 12). Os pães caseiros assados na hora na pedra são o acompanhamento perfeito (R$ 9, grande).

O carro-chefe é o banquete árabe, nove pratos servidos em duas etapas: entradas frias e pratos principais quentes. Começa com o trio de pastas (homus, baganoush e coalhada) e continua com 100 g de kibe cru, um mini burj, duas kaftas grelhadas (carne e carneiro), arroz com lentinha e cebolas crocantes e seis charutos enrolados com folha de parreira, couve e repolho: no recheio vai carne e arroz e acompanha molho de tomate. Custa R$ 98 e serve duas pessoas.

Restaurante Nayme no Batel. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo.
Restaurante Nayme no Batel. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo.| Letícia Akemi

A casa está instalada num belo casarão do século passado onde funcionou até março deste ano o Armazém Romanus. A cozinha é comandada por Yasmin Zippin Nasser, advogada que largou a profissão e vestiu o avental. Um ano atrás abriu um pequeno empório no Água Verde que logo se transformou num bistrô. O sucesso imediato a motivou a procurar um espaço maior, que foi encontrado no novo endereço. “As receitas são as que aprendi com minha avó Nayme [daí o nome do restaurante], filha de imigrantes libaneses e cozinheira de mão cheia”, explica. A empresária Cláudia Ribeiro é sócia do empreendimento.

O salão é decorado com móveis antigos de madeira maciça e objetos que pertenciam a Nayme, fazendo com que o ambiente ganhe um ar de casa de avó. A capacidade é para 70 pessoas e tem uma sala para eventos para 30 pessoas. O deque é ideal para o happy hour.

Baklawa, parecido com um mil folhas, leva xarope de rosa. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo.
Baklawa, parecido com um mil folhas, leva xarope de rosa. Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo.| Letícia Akemi

Para finalizar há duas opções de sobremesa: a clássica ataif, panqueca cuja massa lembra um crepe, recheio de nozes e castanha e nata fresca por cima (R$ 18) e baklawa, doce parecido com um mil folhas adoçado com xarope de laranjeira e rosas (R$ 14).

Na carta de bebida há cerca de 20 vinhos a partir de R$ 35 (a taça sai por R$ 18) e a 961, uma cerveja pouco conhecida importada do Líbano (961 é o DDI daquele país) disponível em cinco versões, da lager a witbier (R$ 19). A limonada caseira leva água de rosa e xarope de romã (R$ 32 a jarra).

O almoço conta com menu executivo. São duas opções de sequência: mini burj, trio de pastas e pão árabe (R$ 35); e kafta de carne, fatouche (salada de pepino, rabanete e mix de folhas) e aletria, um arroz com macarrão cabelo de anjo (R$ 25).

***

Serviço

Avenida Vicente Machado 1482, Batel – (41) 3308-1882. De segunda a sábado das 11h30 às 15h30 e das 18h30 às 23h30; domingo das 12 às 17 horas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.