Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Caderno G
  3. Abertura do cine Marabá traz esperança para retomada da Cinelândia Paulistana

Restauração

Abertura do cine Marabá traz esperança para retomada da Cinelândia Paulistana

Cinema foi um dos mais importantes de São Paulo nos anos 40 e 50. Restaurado, ele foi aberto com cinco novas salas neste sábado (30).

  • G1/Globo.com
A restauração do cinema custou R$ 8 milhões |
A restauração do cinema custou R$ 8 milhões
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O cine Marabá, um dos cinemas mais importantes de São Paulo nas décadas de 40 e 50 foi reaberto ao público. A reforma, comandada pelo arquiteto Ruy Ohtake, juntou o charme do passado com a modernidade do presente –e traz esperança para a retomada da "Cinelândia Paulistana", como era chamada a região central, que abrigava as grandes e luxuosas salas de cinema.

A mais famosa esquina de São Paulo ganha novo destaque. É na Avenida Ipiranga, quase no encontro com a Avenida São João, que está o cine Marabá, o mais novo antigo cinema de São Paulo. Erguido em 1945, foi a mais importante sala de cinema da chamada Cinelândia Paulista nas décadas de 40 e 50.

“Aqui era o grande cenário para as comemorações antes dos filmes. Os carros estacionavam na Avenida Ipiranga. A calçada larga é muito convidativa. O público via os artistas chegarem como no Oscar”, conta o arquiteto Ruy Othake.

O Marabá tinha uma única sala de projeção, enorme. Nela cabiam 1.655 pessoas de uma vez. Mas o tempo foi cruel com o cinema. “O Marabá foi uma das últimas salas que permaneceram como cinema. A frequência era de baixa qualidade. Os filmes eram de baixa qualidade. Então, você pode imaginar a depredação e a deterioração”, lembra o arquiteto.

A transformação deu muito trabalho e custou R$ 8 milhões. A reforma começou no ano passado. Já na entrada, no saguão tombado pelo Patrimônio Histórico, o mesmo lustre imponente dos áureos tempos domina o ambiente.

A nova dona do Marabá, Elda Bettin Coltro, se emociona com o efeito que a restauração causa nos visitantes. “Eu encontro pessoas que se encantam com o lustre de cristal, se encantam porque aqui passaram alguns momentos, namoraram, casaram”, disse Elda. “São duas surpresas. Uma quando o público chega e diz que está bonito, tudo restaurado. A outra é quando passa para a outra parte, que é a arquitetura contemporânea com as salas ovais”, falou Othake.

Dentro do cinema há mais surpresas. São cinco salas, mil e cem lugares, e, na programação, oito filmes diferentes. A sala principal ainda guarda elementos do bom e velho Marabá. A tela, que já foi testemunha de tantos momentos de glória e aventura, hoje é como se fosse um portal entre o passado e o futuro.

A reinauguração do Marabá cria uma expectativa do que pode ser uma revitalização cultural do centro de São Paulo. Em 1997, aconteceu o fechamento do cine Marrocos, outro importante cinema do centro de São Paulo. Por todo lado, sinais de uma época de ouro para o cinema. Inaugurado em 1951, o Marrocos foi considerada a principal sala de estar da cidade de São Paulo. Até paletó e gravata eram exigidos dos frequentadores.

Hoje, os cinemas que não fecharam estão completamente decadentes, com programação de filmes pornográficos. “Aqui não tem mais nada para você ver. Só tem baderna”, disse o porteiro Aurindo Nunes. Ele trabalha ao lado do cine Ipiranga, que está fechado, mas já foi um programa de luxo. O cine Ipiranga fica bem em frente ao novo Marabá. Mas há uma diferença enorme. Por cima do mármore, uma camada de tinta esconde a beleza das colunas. “Restaurar isso aqui ficaria uma coisa linda. É bom para o centro de São Paulo”, completa o porteiro.

O sonho de seu Aurindo é também o sonho do secretário de Cultura da cidade, Carlos Augusto Calil. O cine Art Palácio, por exemplo, vai ser desapropriado para virar uma sala de música. Mas quem vê hoje o Art Palácio, não imagina como ele era.

“O Art Palácio é considerado um dos mais belos cinemas do Brasil. Ele foi planejado por um arquiteto chamado Rino Lévi, quase um ícone da arquitetura brasileira, e precisamos recuperá-lo”, disse Calil.

O projeto mais adiantado é o do cine Dom José. O próprio dono quer a revitalização. “O Ipiranga era de grandes lançamentos. O Marabá também. Enfim, era um programão. Eu acho que o centro tem que voltar a ser um programão”, concluiu Calil.

O programão começa neste sábado, com a reinauguração do cine Marabá. As sessões do cinema vão até as 21h20. O endereço é Avenida Ipiranga, nº 757, no centro. Os preços dos ingressos vão de R$ 5 a R$ 16.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE