Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Caderno G
  3. Cinema
  4. Argentino “O Clã” faz de história real um filme aterrorizante

Estreia

Argentino “O Clã” faz de história real um filme aterrorizante

Ao narrar episódio real ocorrido na década de 1980, filme levou multidões aos cinemas argentinos

  • Anderson Gonçalves
Peter Lanzani e Guillermo Francella em cena de “O Clã”. | Divulgação
Peter Lanzani e Guillermo Francella em cena de “O Clã”. Divulgação
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Talvez a observação soe estranha, mas o argentino “O Clã” é um filme de terror. Mais assustador que boa parte das produções do gênero despejadas nos cinemas nos últimos anos. Até porque não estamos falando de uma história com criaturas sobrenaturais, mas de um episódio real, protagonizado por aquela que aparentava ser uma família como tantas outras.

Confira no Guia onde assistir ao filme

O filme de Pablo Trapero, que já é a segunda maior bilheteria da história do cinema argentino, leva para as telas um episódio real, ocorrido no início da década de 1980. À época, uma família de comerciantes ganhou o noticiário após a descoberta de que ganhavam dinheiro sequestrando e matando pessoas próximas.

Após abrir o Festival de Cinema da Bienal de Curitiba, em outubro, a produção estreia nesta quinta-feira (10) em circuito comercial.

O pai da família Puccio, Arquímedes (Guillermo Francella), varre a calçada todos os dias e cumprimenta simpaticamente os vizinhos.

O filho mais velho, Alejandro (Peter Lanzani), é um popular jogador de rúgbi.

Completam a família outros dois rapazes e duas meninas, sempre unidos e fazendo suas orações antes de cada refeição.

O que ninguém imaginava é que, durante anos, um dos cômodos da residência dos Puccios estava frequentemente ocupado. Apenas a família ouvia os gritos das pessoas sequestradas por Arquímedes e os filhos mais velhos, e que acabavam mortas mesmo após o pagamento do resgate pelas famílias.

Trapero conduz a narrativa de uma forma que prende a respiração do espectador desde o início. Ao som de rock setentista, a crueldade dos sequestradores vai sendo revelada como o cotidiano corriqueiro de uma família, o que torna todo o contexto ainda mais assustador.

Mas o que dá calafrios mesmo é a atuação de Guillermo Francella, ator pouco conhecido no Brasil, que encarna o patriarca da família Puccio. O olhar, a frieza, o tom de voz e os poucos, mas fortes rompantes, fazem de sua atuação uma das mais impressionantes dos últimos anos. Ao lado do jovem Peter Lanzani, que interpreta o filho que pouco fala, mas muito expressa, Francella e Trapero fazem de “O Clã” um filme estupendo, que justifica com sobras todo o sucesso obtido.

*

Veja o trailer de “O Clã”:

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE