Jake Gyllenhaal (à direita), em cena do filme “Evereste”: “a palavra final é sempre da montanha”. | Divulgação
Jake Gyllenhaal (à direita), em cena do filme “Evereste”: “a palavra final é sempre da montanha”.| Foto: Divulgação

Em meados da década de 1970, um gênero tornou-se popular no cinema, os chamados “filmes-catástrofe”.

Com grandes elencos, produções como “Inferno na Torre”, “Aeroporto” e “Terremoto” colocavam o público em pânico criando ou recriando tragédias de grandes proporções.

Há um pouco desse espírito em “Evereste”, filme que reconstitui aquele que até o ano passado havia sido o maior desastre ocorrido na montanha mais alta do mundo.

Divulgação

Em maio de 1996, quando duas expedições desciam do cume do Monte Everest, uma tempestade forte atingiu o local.

Lista

Cinco fatos sobre o Monte Everest, o mais alto do planeta:

8.848

metros tem o Monte Everest, a montanha mais alta da Terra. Ela está localizada na cordilheira do Himalaia, na fronteira entre o Tibete e o Nepal. A denominação é uma homenagem ao topógrafo George Everest, que descobriu a montanha em 1841.

1953

foi o ano em que a primeira expedição atingiu o cume do Everest. O neozelandês Edmund Hillary e o sherpa Tenzig Norgay chegaram ao topo do monte no dia 29 de maio. Antes disso, em 1924, dois exploradores partiram rumo ao pico, mas desapareceram.

Mais de 250

pessoas morreram tentando escalar o Everest desde 1922. A maior tragédia registrada no monte aconteceu em abril deste ano, quando 22 pessoas morreram em decorrência de uma avalanche causada por terremoto no Nepal.

36

toneladas de excrementos foram depositadas no Everest segundo cálculos da Associação de Montanhistas do Nepal, divulgados em abril deste ano. Desse total, cerca de 700 quilos foram retirados por organizações desde 2008.

300

montanhistas, em média, chegam ao topo do Monte Everest a cada ano. O grande volume de alpinistas, que vem crescendo a cada temporada, gera preocupações quanto à segurança e os prejuízos que esse contingente pode causar ao local.

Alguns alpinistas ficaram impossibilitados de concluir a descida e oito deles acabaram morrendo.

O episódio foi retratado no livro “No Ar Rarefeito”, escrito por Jon Krakauer, um dos integrantes do grupo que conseguiu se salvar.

O clima de terror descrito pelo autor ganha corpo nas telas, com um realismo jamais verificado nas produções do gênero.

“No Ar Rarefeito” foi uma das fontes para o roteiro de “Evereste” (o título brasileiro ganhou um inexplicável “e” no final), que estreia no próximo dia 24, mas tem sessões de pré-estreia neste fim de semana (confira no Guia).

Sobreviventes da tragédia também foram entrevistados para dar vida à história, dirigida pelo islandês Baltasar Kormákur (de “Dose Dupla” e “Contrabando”). Assim como nos filmes-catástrofe, o elenco tem vários nomes de peso, como Jason Clarke, Jake Gyllenhaal, Josh Brolin, Keira Knightley e Robin Wright.

A narrativa é centralizada em Rob Hall (Clarke, de “Exterminador do Futuro: Gênesis”), alpinista experiente que conduzia expedições comerciais ao Everest. Junto com outro renomado guia, Scott Fischer (Gyllenhaal, que também pode ser visto em “Nocaute”), eles levaram ao topo um grupo formado, em sua maioria, por alpinistas amadores.

Enquanto acompanha a preparação e a escalada, “Evereste” segue uma fórmula conservadora, com dramas superficiais e frases-clichê do tipo “a palavra final é sempre da montanha”.

É a partir da segunda metade, quando começa a se desenhar o drama da descida, que o filme se torna uma experiência dolorosa. Primeiramente na tensão que vai se acumulando à medida que percebemos a tragédia se aproximar.

Quando a tempestade atinge os alpinistas o espectador sente o primeiro golpe, graças à tecnologia que recria em detalhes as condições adversas enfrentadas pelos aventureiros.

Desse ponto em diante, “Evereste” se torna um filme angustiante, quase torturante. É justamente esse o diferencial em relação aos velhos filmes-catástrofe: enquanto estas produções usavam pirotecnia para espetacularizar o drama, o filme de Kormákur investe no realismo, mergulha a plateia no sofrimento físico e psicológico dos personagens.

Uma experiência intensa, não recomendada para plateias sensíveis ou que estejam apenas à procura de diversão.

*

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]