232832

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Caderno G
  3. Literatura
  4. Mariana Carpanezzi narra viagem de bike pela Europa em “O mundo sem anéis”

literatura

Mariana Carpanezzi narra viagem de bike pela Europa em “O mundo sem anéis”

Livro funciona como um diário com mapas, ilustrações e textos da autora, sobre sua odisseia por França, Espanha e Portugal

  • Cristiano Castilho
 
0 COMENTE! [0]
TOPO
 | Reprodução
Reprodução

Para Mário Quintana, “a gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa, como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo.” Foi mais ou menos assim, num misto entre rebeldia, autoconhecimento e aventura, que a fotógrafa, advogada e doutoranda em Direitos Humanos Mariana Carpanezzi se jogou, de bicicleta, na estrada – lugar em que, enfim, todo mundo é igual.

Por que de bicicleta? “Porque a bicicleta não tem cortinas. A janela é você”, escreve ela no interessantíssimo “O Mundo Sem Anéis”, resultado da pedalada de mais de cinco mil quilômetros pela Costa Oeste da França, Espanha e Portugal, entre junho e setembro de 2013.

“Somos uma espécie diferente e ridícula. Cada experiência já vem com o futuro guardado no bolso. Como se faltasse sentido quando não existe finalidade. Estudar para ser alguma coisa quando acabar. Casar e ser amado para sempre. Amigos são para te entender. Viajar com porto de chegada. Cada gesto acorrentado a um objetivo. Nossa inocência domesticada na coleira do final.”

Trecho do livro “O Mundo Sem Anéis”

O livro, editado pelo selo independente Longe, será lançado nesta quinta-feira (17), na Bicicletaria Cultural. A obra vai além do relato de viagem e apresenta memórias da autora, insights diversos – sobre estrelas cadentes, praias de nudismo e bicicletas – e pequenos tratados filosóficos. Alguns textos flertam com o concretismo, influência direta de Mariana, fã de Arnaldo Antunes, João Cabral de Mello Neto e dos irmãos Haroldo e Augusto de Campos. Ela também cita o livro “Do Que eu Falo Quando eu Falo de Corrida”, de Haruki Murakami, como empurrão extra.

Há ilustrações de seu próprio punho no lugar de fotos. E simpáticos mapinhas estilizados que ajudam a situar o leitor. “Uma amiga disse que quem faz viagem de bicicleta está procurando alguma coisa. Mas eu estava de saco cheio mesmo. Queria distância e tempo para poder ver as coisas de longe”, explica Mariana, nascida em Belém, radicada em Curitiba, moradora de Brasília (tem um cargo importante na Secretaria dos Direitos Humanos) e doutoranda em Genebra, na Suíça.

Durante a viagem, escrevia em computadores públicos de cidadezinhas por onde passava. Atualizava um blog. A boa literatura que escrevia servia para avisar que “estava viva e bem”. Fez amigos para a vida toda. Um deles, alemão, virou seu namorado. Carregava poucas mudas de roupa, e cortava o sabonete ao meio para não pesar.

Não aprendeu a trocar pneu de bicicleta – nenhum furou durante a viagem de 100 dias. Mas sabe secar roupa na garupa da magrela. “Lavava a calcinha, as meias, pendurava e ia pedalando. Era minha favelinha.”

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>