i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
máfia dos combustíveis

Acusado de ser mandante da morte de fiscal de combustíveis é preso em cinema

No momento da prisão, Onildo Chaves de Córdova II estava em um cinema de Curitiba e foi retirado do local por policiais civis . Ele é acusado de ser o mandante da morte de do fiscal de combustíveis Fabrizzio Machado da Silva

  • PorLuiza Luersen, da Tribuna do Paraná
  • 17/02/2018 16:32
Onildo Chaves de Córdova II | Reprodução/Polícia Civil
Onildo Chaves de Córdova II| Foto: Reprodução/Polícia Civil

Uma ação da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na noite desta sexta-feira (16), terminou com a prisão de Onildo Chaves, acusado de ser o mandante da morte do fiscal de combustíveis Fabrizzio Machado da Silva. O crime ocorreu em março do ano passado e gerou repercussão nacional.

No momento da prisão, Onildo estava em um cinema de Curitiba e foi retirado do local por policiais civis da DHPP. Ele foi encaminhado à delegacia, ainda na noite de sexta, após um mandado de prisão assinado pela juíza Karine Pereti de Lima Antunes. O pedido foi baseado em uma manifestação do Ministério Público do Paraná (MP-PR).

O empresário Onildo Chaves de Córdova II, 36 anos, é dono de quatro postos de combustíveis na grande Curitiba e seria o mandante do homicídio, segundo as investigações da polícia.

De acordo com a decisão da juíza, “em momento algum houve a ‘revogação da prisão pelo Tribunal de Justiça’, mas sim a substituição da prisão preventiva por tratamento em internação clínica até que perdure o período de recuperação do Paciente [acusado]”. Onildo fez o tratamento em período integral e recebeu alta médica no dia 9 de fevereiro. Na sequência, a Justiça determinou sua prisão.

“A família obviamente, em dezembro, apesar de respeitar a decisão, não concordou com a liberação. E agora eles têm um alento, é claro que o Fabrizzio não vai voltar, mas o sentimento de justiça traz um pequeno conforto”, explicou assistente de acusação e advogado da família, Luis Roberto de Oliveira Zagonel.

Em nota, Rafael Guedes de Castro, advogado de defesa de Onildo, afirmou que considerou o decreto “absurdamente ilegal”. “Foi deferido pela juíza substituta, após ser induzida em erro pelo promotor de justiça. Importante destacar que a prisão viola decisão proferida pelo tribunal de justiça e pela juíza titular do tribunal do júri que já tinham reconhecido o direito de Onildo responder o processo em liberdade. Todas as medidas legais serão tomadas para combater a injustiça cometida”, disse o advogado em no texto.

Confira um vídeo com o momento da prisão

O assassinato

Fabrízzio foi morto na noite de 23 de março quando chegava em casa no bairro Capão da Imbuia, em Curitiba. Ele já vinha sendo monitorado pelos criminosos. O assassino bateu na traseira do carro do fiscal, que foi baleado na cabeça no momento em que desceu o veículo para saber o que tinha acontecido.

Uma ambulância do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) chegou a ser acionada, mas a vítima não resistiu aos ferimentos. Toda ação foi registrada por câmeras de segurança.

Segundo o promotor Lucas Cavini Leonardi, Córdova II teria planejado a morte de Silva durante a Operação Pane Seca, uma força-tarefa conduzida pelo Departamento de Inteligência do Estado do Paraná (Diepp) que levou ao fechamento de nove postos de Curitiba e região após denúncias a respeito da comercialização de combustíveis adulterados e manipulação nas bombas, que entregariam ao cliente quantidade menor do que a apresentada no marcador.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.