i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Moradora questiona na Justiça repasses para obra na Praça Oswaldo Cruz

Dois aditivos no contrato podem acabar travando a reforma do local

  • PorFelipe Raicoski, especial para a Gazeta do Povo
  • 13/12/2017 20:15
 | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo/Arquivo
| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo/Arquivo

Os atrasos nas obras da Praça Oswaldo Cruz, que fica no Centro de Curitiba, fizeram uma moradora da região entrar com uma Ação Popular contra a prefeitura de Curitiba. Indignada com a situação do local, fechado desde 2015 e com reabertura inicialmente prometida para o início de 2016, a dona de casa Lucile Mehl, que praticava regularmente atividades físicas no local, entrou na justiça para pedir esclarecimentos à prefeitura sobre os aditivos da obra.

O primeiro valor adicionado ao contrato, em 2016, teve valor de R$ 394 mil. No segundo, de 2017, o valor foi de R$ 209 mil. O custo inicial foi estimado em R$ 3,2 milhões, montante dividido entre a prefeitura, responsável por 15%, e o governo gederal, que arcou com 85% do valor.

De acordo com o advogado de Lucile, William Faintych, o pedido da moradora é para esclarecer a finalidade dos mais de R$ 600 mil adicionados aos R$ 3,2 milhões originalmente previstos para a obra. “A princípio, há indícios de superfaturamento, de improbidade administrativa. Pedimos na ação a prestação de contas da administração municipal, para que haja a explicação de como foi usado o dinheiro público”, afirmou.

Leia mais: Fechado há dois anos, centro esportivo da Praça Oswaldo Cruz tem novo prazo para reabrir

Faintych reconhece que a ação pode atrasar ainda mais a obra, já que uma eventual apuração de irregularidades pode fazer com que a reforma pare, pois cessaria o repasse de recursos para sua finalização. “Se na prestação não estiver provado cada centavo do valor, o pedido é que parem o repasse. Claro, há risco de paralisar e atrasar ainda mais, mas o intuito não é esse. Mas é dinheiro público sendo usado, e queremos saber onde”, destacou.

O advogado destaca que, mesmo sendo um valor aparentemente baixo em comparação a outras obras realizadas pela administração pública, é importante a fiscalização e o questionamento, já que o dinheiro poderiam ser empregado em outros fins. “R$ 300 mil parece nada, mas a preocupação é que isso poderia estar sendo empregado em saúde e educação, por exemplo, que tem muitos problemas em Curitiba”, ressaltou.

Leia mais: Reforma no centro de esportes da Praça Oswaldo Cruz atrasa e término fica para o 2.° semestre

Aditivos

O custo da obra, conforme orçamento inicial, seria de R$ 3,2 milhões. Mas, em 2016, engenheiros encontraram uma rede de tubulação antiga e tanques de óleo, enterrados sob a praça. Assim, foi feito o primeiro aditivo ao contrato original, de R$ 394 mil, para custear sua retirada, já que o Ministério Público pediu o embargo da obra enquanto o ajuste não fosse efetuado, pois os equipamentos apresentavam potencial risco ambiental.

Em 2017, novo aditivo foi feito e aprovado pela Caixa Econômica Federal. O valor foi de R$ 209 mil, segundo a Secretaria Municipal de Obras, é devido à atualização monetária. A secretaria revela que a reforma está pronta e a gestão do Centro Esportivo vai passar para a Secretaria Municipal de Esporte.

Já segundo a Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude, restam apenas a vistoria final, a cargo da Secretaria de Obras, testes e eventuais ajustes do sistema de aquecimento da piscina para que o espaço seja reaberto. A previsão de entrega é para este mês, prazo confirmado pela primeira pasta.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.