Polícia Civil do Paraná.  tags. polícias, segurança, viaturas, emblema, Segurança pública, crimes, Curitiba, Paraná, delegacia. Fotos: André Rodrigues
Conselho da Polícia Civil decidiu pela demissão da investigadora Kátia das Graças Bello.| Foto: André Rodrigues/Arquivo/Gazeta do Povo

O Conselho da Polícia Civil do Paraná decidiu demitir a servidora Kátia das Graças Belo, acusada de assassinar a copeira Rosaira Miranda da Silva com um tiro, em dezembro de 2016. Oito dos nove conselheiros votaram a favor da demissão da investigadora. A reunião aconteceu nesta segunda-feira (9). Apenas um dos conselheiros não votou, por estar impedido. Ele foi testemunha no processo administrativo instaurado pela polícia.

As principais notícias do Paraná pelo WhatsApp

Kátia das Graças Belo estava afastada dos serviços policiais e impedida de usar armas de fogo, mas ainda atua na área administrativa da Polícia Civil do Paraná. A decisão deve ser publicada em diário oficial nos próximos dias. A partir disso, cabe ao governador do Estado decidir se acata ou não a decisão.

Em 2016, a servidora, irritada com o barulho, atirou de seu apartamento em direção a uma festa que acontecia nos fundos de um lava jato em Curitiba. Rosaira foi atingida na cabeça e morreu em decorrência do disparo. O advogado de defesa da investigadora, Peter Amaro de Souza, afirmou que vai analisar a possibilidade de entrar com um mandato de segurança para reverter a decisão. “A decisão do conselho desconsiderou as perícias do Instituto Médico Legal e da Junta Médica que emitiu o laudo que comprova que a investigadora sofria de Transtorno Explosivo Intermitente na hora do disparo”, disse o advogado.

O advogado da família da vítima, Edson Facchi Jr., comemorou a decisão do Conselho, mas ressaltou que aguarda o desfecho do processo judicial que corre no Superior Tribunal de Justiça (STF). A servidora vai a júri popular, o que deve acontecer só em 2022.

Em novembro do ano passado, Kátia das Graças Belo chegou a ser promovida por tempo de serviço, mesmo respondendo a processo administrativo na corporação. Outros policiais que respondem processos administrativos também foram promovidos pela mesma razão. Na época, o advogado de Kátia disse à reportagem da Gazeta do Povo que “é uma situação normal no serviço público a promoção de quem responde processo administrativo até que se prove que ele cometeu algo errado. E a promoção é por antiguidade, ela não foi promovida a um novo cargo. Além disso, a Kátia está cumprindo tudo o que a Justiça vem exigindo dela”, disse Sousa.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]